Macunaíma

Macunaíma Mário de Andrade


Compartilhe


Macunaíma


O Herói Sem Nenhum Caráter




Publicado em 1928, Macunaíma representou por muito tempo o símbolo do “povo brasileiro” ou ainda do que chamamos de “nação”. Esta edição, que conta com o estabelecimento do texto de Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo Figueiredo, oferece uma nova chave de leitura ao romance, com foco especial para as fontes indígenas usadas por Mário na produção do romance. Como disse o próprio autor: “copiei, copiei às vezes textualmente[...], não só os etnógrafos e os textos ameríndios, mais ainda, na “Carta pras Icamiabas”, pus frases inteiras de Rui Barbosa, de Mário Barreto, dos cronistas portugueses coloniais”. No texto de Lúcia Sá, se explicita a cópia de trechos inteiros do mito de Makunaíma, tal qual recolhido pelo viajante alemão Theodor Koch Grünberg. Como sugere a apresentação de Eduardo Sterzi, mais do que alegoria da formação nacional, Macunaíma seria uma grade realização literária da antropofagia, “capaz de colocar tudo o que existe sob o signo da devoração [...], em que comer o inimigo é não mera destruição e assimilação de outro corpo, mas, antes de tudo, um modo de experimentar o ponto de vista do inimigo sobre todas as coisas, especialmente sobre si”, citando Eduardo Viveiros de Castro. As ilustrações do artista carioca Luiz Zerbini são feitas com um procedimento similar ao do texto de Mário com as fontes indígenas. As monotipias não são “representações” da vegetação tropical. São as próprias plantas e objetos com tinta que são colocados na prensa e imprimem e dão relevo ao papel com sua textura. Pra completar a edição, recuperamos o glossário de Diléa Zanotto Manfio, feito para a edição crítica de 1980, há muito fora de circulação. O leitor tem acesso ao significado de todas as palavras de origem indígena e regionais utilizadas por Mário no romance.

Literatura Brasileira

Edições (1)

ver mais
Macunaíma

Similares

(2) ver mais
Macunaíma
Macunaíma

Resenhas para Macunaíma (1)

ver mais
Livros que valem a pena ter em casa: reedição de Macunaíma

"Agora, exatos noventa anos depois, a editora Ubu publicou uma versão com texto de Telê Ancona Lopez e Tatiana Longo Figueiredo, oferecendo uma nova chave de leitura, com foco especial para as fontes indígenas. Para ilustrar as aventuras, gostos e desgostos de Macunaíma pelas paisagens tropicais, Luiz Zerbini fez uma série de belíssimas monotipias: não são “representações” da vegetação, mas a impressão de texturas das próprias plantas, objetos ou até corpos humanos, cujas superfície... leia mais

Estatísticas

Desejam26
Trocam1
Avaliações 4.6 / 19
5
ranking 74
74%
4
ranking 21
21%
3
ranking 5
5%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

54%

46%

João gregorio
cadastrou em:
18/10/2017 22:16:34
Pedro
editou em:
24/10/2017 21:14:48