Maria Bethânia Guerreira Guerrilha

Maria Bethânia Guerreira Guerrilha Reynaldo Jardim


Compartilhe


Maria Bethânia Guerreira Guerrilha





“Teatro Opinião. Rio de Janeiro. Bethânia no palco substituindo Nara Leão. Ninguém a conhecia. Chegara da Bahia trazida por Vianinha. Aquela quase menina, na arena do Opinião, parecia, pela potência dramática, postura corporal, força emotiva, uma deusa-mulher adulta mente deslumbrante e sedutora. Quando acabou de cantar Carcará, a plateia entrou em delírio. A baianinha tornara-se a musa de toda uma geração romântica, audaciosa e revolucionária. Em uma das apresentações, subi ao palco e li o início de um poema que escrevi em sua homenagem. Posteriormente desenvolvi o tema e nasceu o polifônico ‘Maria Bethânia, Guerreira Guerrilha’. Era véspera do AI 5. Com a publicação do livro, considerado justamente subversivo, fui processado. E deixei minha musa em uma posição muito delicada.Teve que prestar depoimento no DOPS. A edição foi apreendida, retirada das livrarias. Minha casa, invadida. Republico aqui o livro só para reverenciar essa que, sendo a melhor atriz da canção brasileira, é um padrão de soberba dignidade.”

Edições (1)

ver mais
Maria Bethânia Guerreira Guerrilha

Similares


Estatísticas

Desejam10
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.4 / 9
5
ranking 44
44%
4
ranking 56
56%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

47%

53%