Menos que um

Menos que um Patrícia Melo


Compartilhe


Menos que um





Menos que um, o mais novo romance de Patrícia Melo, com seu texto provocador, denuncia a apatia e indiferença que marcam a atual tragédia brasileira e desenha um Brasil inerte que vê o futuro chegar, sem ser capaz de recebê-lo. Um Brasil assombrado pela sua história recorrente, transecular, de descaso, desigualdade e violência social.

Neste romance que se agita como um líquido inflamável submetido a alta temperatura, Patrícia Melo constrói, numa narrativa caleidoscópica, as inúmeras batalhas cotidianas, de sobrevivência, de uma vasta gama de personagens – camelôs, flanelinhas, desempregados, bêbados, ladrões, cracudos e catadores, gente que tem como destino inevitável o fato de, por força das circunstâncias, ter que viver nas ruas.

“A gente é gente!”, esbraveja Chilves, um jovem negro, semianalfabeto, que cresceu num lixão e caminha vinte quilômetros todos os dias, recolhendo papel, vidro e lata para sobreviver. Seu sonho, como Humilde Professor da Verdade, é promover a Revolução. Jéssica, quatorze anos, cracuda e grávida, quer reencontrar a mãe. Glenda, de garras afiadas e collant de oncinha, quer ser feliz como Glenda, e não como Weverton, seu nome de batismo. Zélia, tresloucada, vive no cemitério da Piedade. Seu sonho é furar os olhos do assassino do seu filho. E há muito mais personagens pungentes nesta narrativa de Patrícia Melo, em que a literatura e a poesia entrelaçam os destinos desses miseráveis e tentam a responder à pergunta mais humana de todas: o que existe quando o que há é menos que um?

A resposta que emerge de Menos que um é uma só: por debaixo da sujeira, do vício, da fome, do frio, da invisibilidade, da violência, do medo e da solidão, esses homens, mulheres e crianças são pessoas que também sonham, ou já sonharam um dia.

Ficção / Literatura Brasileira / Romance

Edições (1)

ver mais
Menos que um

Similares


Resenhas para Menos que um (2)

ver mais
Instagram @euamolivrosnovos
1 day, 21 hours ago


A rua não distingue pessoas, credos ou medos. Ela é capaz de receber a todos de forma igualitária, mas seu preço torna-se, na maioria das vezes, aprisionador. . Todos os dias se tornam uma luta pela sobrevivência e as chances de sucumbir à violência em suas diversas formas são inúmeras, seja diante da necessidade ou do puro desespero. . É muito mais fácil julgar aqueles que se encontram nessa situação quando se tem dinheiro no bolso e uma cama quentinha no fim da noite. Falar de fo... leia mais

Estatísticas

Desejam7
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.9 / 4
5
ranking 100
100%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

28%

72%

Jenifer
cadastrou em:
09/05/2022 20:00:19
Jenifer
editou em:
09/05/2022 20:00:32

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR