Nascimento e morte da dona de casa

Nascimento e morte da dona de casa Paola Masino


Compartilhe


Nascimento e morte da dona de casa





Sujeita à censura antes da primeira publicação em 1945, esta história traz uma crítica ao fascismo e à rígida noção de feminilidade que ele promoveu.

Das páginas dessa pequena joia da literatura italiana, vibram questionamentos sobre maternidade, trabalho doméstico e o autoritarismo contido em macro e microrrelações, sempre com acentos humorísticos, surrealistas e o instinto rebelde de Paola Masino. Demolidor, bem-humorado, amargo. E muito atual.

Saindo de seu amado baú cheio de migalhas de pão, livros e enfeites funerários esfarrapados, a protagonista é uma menina sem nome, rosto ou endereço, ciente de seu destino: conformar-se às expectativas burguesas em relação à mulher, ter a imaginação selvagem controlada, e a inteligência, ocultada. Em suma, ser dona de casa. Temendo matar a mãe de desgosto por sua recusa a se enquadrar, concorda em se comportar como uma jovem “normal” e tornar-se desejável ao universo masculino. Em um caótico baile, celebra sua entrada na sociedade e começa uma nova vida no casamento com um tio mais velho, rico e de hábitos aristocráticos.

Como num conto de fadas às avessas, em que o fantástico e o surreal se infiltram nas malhas de um território — geográfico e humano — dominado por regras, repressão e controle de corpos e mentes, sobretudo os das mulheres, a Dona de Casa encontra no devaneio e nas reflexões mordazes as únicas vias para escapar da realidade que se impõe e sobreviver a esse embate.

Embora fique nítida a abordagem da luta da mulher para desempenhar papéis que não correspondem a seus desejos, e com isso todo um questionamento da maternidade e do trabalho doméstico invisibilizado, não foge ao olhar da autora o contexto histórico da Itália no auge da ditadura de Mussollini. Desafiando interpretações, a Dona de Casa de Masino continua sendo uma figura enigmática e desconfortável, cuja determinação insolente para desafiar os baluartes dos papéis femininos tradicionais ultrapassa os limites históricos e ressoa poderosamente entre os leitores contemporâneos.

“A magistral combinação de formas do romance — do diário ao drama, do diário de leitura à fábula — indiscutivelmente dá a Masino um lugar no panteão dos grandes mestres modernistas.”
Review of Conteporary Fiction

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (1)

ver mais
Nascimento e morte da dona de casa

Similares


Resenhas para Nascimento e morte da dona de casa (10)

ver mais
Mediano...
on 2/10/21


Confesso que não gostei muito. Não tive problema nenhum com a estranheza da personagem, pois gosto de personagens complexos, mas não gostei do formato da leitura. Coisas com pegada surrealista não me entram bem. Não é algo completamente descartável, mas pra mim foi só ok. ... leia mais

Estatísticas

Desejam66
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 3.2 / 47
5
ranking 11
11%
4
ranking 30
30%
3
ranking 45
45%
2
ranking 11
11%
1
ranking 4
4%

14%

86%

Jenifer
cadastrou em:
11/05/2021 11:16:35
Jenifer
editou em:
11/05/2021 11:16:49

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR