No arco-íris do esquecimento

No arco-íris do esquecimento João Henrique Balbinot


Compartilhe


No arco-íris do esquecimento





Este livro é uma pequena tentativa de retratar parte da minha relação com a música e a importância que esta possui em minha vida. Limitado e buscando palavras que dessem alguma vazão, essas músicas vieram até mim, independente da língua, do gênero, da melodia e do tom. Foram elas que couberam. Foram elas que me ajudaram a ter um significado. E como se isso fosse pouco, ainda me serviram de inspiração. Um casamento entre o útil, o agradável e o necessário. Acho que esse encontro, por vezes brusco, serviu como matéria indispensável neste eterno me fazer, onde não só aprendi muito sobre mim, como entendi e aceitei o mundo como ele se apresenta. A resistência, sempre criativa, viria um pouco depois, porque no caos das coisas é onde também se encontra a sua salvação.
Entrementes, um entendimento, do que quer que seja, não encerra um assunto. Em verdade, quando com um mínimo de clareza entendemos alguma coisa, esta se amplia e a compreensão tida acaba por abrir espaço para muitas outras. E é bom que assim seja. O mesmo vale quando o objeto da compreensão é uma música, em especial as escritas e interpretadas pela banda Radiohead. Suas letras não são unilaterais, aliás, são multifacetadas em tal medida que uma única música é capaz de despertar as mais diferentes compreensões em um uma única pessoa. Comigo não foi diferente. Algumas muitas impressões se estratificaram – umas mais transitórias, outras mais permanentes; todas muito marcantes – as que se seguem foram em mim as mais intensas, de modo que cada conto é livremente norteado por uma música e o que dela ficou por aqui.
Exceto “Idioteque” que foi escrita em parceria com Paul Lansky, as demais músicas utilizadas neste livro, segundo o próprio Radiohead, foram compostas em conjunto por todos os integrantes da banda: Colin Charles Greenwood, Jonathan Richard Guy Greenwood, Edward John O'Brien, Philip James Selway e Thomas Edward Yorke. Ao leitor fica o convite de utilizar as músicas como trilha sonora para cada conto, ou apenas para que conheçam um pouco mais as intensidades das músicas criadas por este grupo.

Edições (1)

ver mais
No arco-íris do esquecimento

Similares


Estatísticas

Desejam
Informações não disponíveis
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 5.0 / 1
5
ranking 100
100%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

22%

78%

joão henrique balbinot
cadastrou em:
27/10/2012 12:18:05