O Bebedor Nocturno

O Bebedor Nocturno Herberto Helder


Compartilhe


O Bebedor Nocturno





«As palavras não fazem o homem compreender, é preciso fazer-se homem para entender as palavras.»
Poema Zen

"Sobre os montes do exílio tua lembrança me enlouquece.
O abismo tem sede do abismo: tuas chuvas turbilhonantes
caem sempre sobre mim, no fragor das cataratas.
Nascia-me de ti um canto tumultuoso,
longamente agora esqueço nesta inspiração das lágrimas.
- Onde está o Deus vivo? - perguntam-me os frios de coração. E eu pergunto onde está o meu Deus vivo.
Que tens, ó minha alma, que estremeces de melancolia?
Por quê gemer e não cantar Aquele
onde se apoia a tua face?"

«Desde os anos 60 que se torna evidente o interesse de Herberto Helder por textos oriundos de determinadas culturas que vieram a sofrer grandes mutações, ou de culturas locais, primitivas e anónimas, e que vieram a ser objecto de colonização. Textos, portanto, onde a tradição está sempre presente e é particularmente preservada, mas também ameaçada. São poemas do Antigo Egipto, da Grécia, poemas Zen, arábico-andaluzes, poesia mexicana do ciclo nauatle, poemas esquimós, indochineses, mas também todo um ciclo de textos sagrados como os Salmos do Velho Testamento ou o Cântico dos Cânticos. Os mais recentes livros mostram o mesmo critério, embora o alarguem substancialmente: os textos vêm-nos da Índia, da Austrália, de África e das Américas. A maioria são textos maias e astecas e textos da tradição oral dos diferentes índios da América do Norte, Central e do Sul, como os Navajos e Comanches ou, no Brasil, os Caxinauás e os Guaranis. […] O interesse de Herberto Helder por estas tradições primitivas, não europeias, advém da maneira peculiar como também ele olha o mundo, nele se insere e convive com a linguagem. Nessas tradições, ele encontra a mesma linguagem ritualística, uma vontade de expressão simbólica semelhante e os mesmos valores humanos inseridos numa cosmogonia poética; também a unidade original de todos os elementos da natureza e a ideia de uma metamorfose contínua (nomeadamente por acção do fogo, através de todas as suas manifestações), assim como a imagem do poeta como mago, possuído por uma força animista da linguagem. Todos estes aspectos estão presentes tanto nos textos a traduzir como na poesia própria.»
Maria Etelvina Santos

Poemas, poesias

Edições (3)

ver mais
O Bebedor Nocturno
O Bebedor Nocturno
O BEBEDOR NOCTURNO

Similares

(3) ver mais
outono azul a sul
Os Passos em Volta

Resenhas para O Bebedor Nocturno (2)

ver mais
Magnífico, misterioso, envolvente
on 23/12/16


Um dos livros de poemas mais impressionantes que já li. Os poemas parecem saídos de um tempo antigo e ao mesmo tempo atemporal, as palavras parecem memórias do inconsciente coletivo. Um livro para jamais esquecer.... leia mais

Estatísticas

Desejam5
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.7 / 6
5
ranking 57
57%
4
ranking 14
14%
3
ranking 14
14%
2
ranking 0
0%
1
ranking 14
14%

42%

58%

Carla Porto
cadastrou em:
06/11/2015 21:34:42
Carla Porto
editou em:
08/11/2015 21:04:30