O Caminho de Ida

O Caminho de Ida Ricardo Piglia


Compartilhe


O Caminho de Ida





Estados Unidos, década de 1990. Emilio Renzi, o alter ego de Ricardo Piglia — presente em livros como Respiração artificial e Alvo noturno —, desembarca no campus de uma prestigiosa universidade americana da Costa Leste para ministrar um seminário sobre W. H. Hudson, o escritor de língua inglesa que morou na Argentina no século XIX e que se deixou marcar pela vida e pela paisagem daquele país em seus anos de formação. Renzi está a convite de Ida Brown, a brilhante, enérgica, sedutora e polêmica diretora do departamento. Incidentes aparentemente inexplicáveis e movimentos estranhos culminam na trágica morte da professora em um acidente. O corpo de Ida aparece com a mão queimada, e isso parece ter algum tipo de conexão com uma série palpitante de atentados contra figuras de proa do mundo acadêmico norte-americano. Quando se descobre que o autor dos atentados é Thomas Munk, o assombro é geral: brilhante matemático que acabou se afastando da carreira e do próprio mundo contemporâneo, Munk é autor de um manifesto de cunho regressivo, um texto radical intitulado “Manifesto sobre o capitalismo tecnológico”. Renzi procura então, numa típica busca detetivesca e psicológica digna dos melhores momentos de Ricardo Piglia, reconstruir o passado de Munk e viaja à Califórnia para entrevistá-lo na prisão. Parece intuir que a narrativa sobre o destino de Ida está em jogo e que nada voltará a ser como antes. Essa história de violência e utopia regressiva é entremeada por momentos do melhor Piglia, aqueles em que ele desempenha o papel de dublê de ficcionista e comentarista cultural. Seu olhar para coisas como a TV, a sociedade americana, as relações entre culturas distintas e a própria literatura reluz ao longo da narrativa de O caminho de Ida. Como em Respiração artificial, e de resto em praticamente toda sua obra, há sempre uma história debaixo de outra história. Um mistério na vida cotidiana encerra uma narrativa paralela, secundária, subterrânea; assim também na grande narrativa (nacional, política): há outra história, muitas vezes fortuita e caprichosa, que encerra outro mistério ainda mais significativo do que aquele fato que parecia tão evidente a preencher os livros e manuais escolares. A conspiração é o cerne de toda narrativa, parece acreditar o autor. É a própria narrativa. E a política e a violência nos Estados Unidos, suas conspirações grandes e pequenas estão brilhantemente expostas — numa narrativa que corre de forma quase hipnótica — nas páginas de “O Caminho de Ida”.

Edições (1)

ver mais
O Caminho de Ida

Similares

(5) ver mais
Alvo noturno
O último leitor
Dinheiro Queimado
Respiração Artificial

Estatísticas

Desejam15
Trocam2
Avaliações 3.9 / 27
5
ranking 33
33%
4
ranking 41
41%
3
ranking 15
15%
2
ranking 11
11%
1
ranking 0
0%

52%

48%

Yasmin
cadastrou em:
07/03/2014 12:30:11