O eremita viajante

O eremita viajante Matsuo Basho


Compartilhe


O eremita viajante


Haikus - Obra Completa




O poema haiku não inferioriza nem zomba, não se serve do intelecto, valoriza as coisas pequenas, valendo-se da surpresa e de um reduzido vocabulário, começa ainda antes da primeira letra da primeira estrofe e acaba muito depois da última sílaba da terceira estrofe. É poesia despersonalizada, já quase fora da linguagem comum, nasce no silêncio, atravessa, como um relâmpago, o olhar do contemplador e regressa ao silêncio; e enquanto existiu pareceu durar o tempo de um movimento respiratório. Resultante em grande parte da contemplação da beleza e comportamentos da natureza, este estilo poético assume-se como fenómeno que transcende o pessoal, é puro presente, é um momento suspenso, eterno em si mas que não volta a acontecer. Nele, desaparece a separação observador/ observado, para dar lugar à ausência de ego, à manifestação do sublime. No final da breve leitura do poema, o leitor arrisca-se a ser percorrido por um calafrio que não poupará nenhuma célula do seu corpo; talvez o seu olhar se semicerre e se suspenda no seio de um horizonte para além do horizonte visível; talvez assome ao canto dos seus lábios o movimento de um sorriso somente perceptível pelo olhar puro das crianças e dos animais.

Poemas, poesias

Edições (1)

ver mais
O eremita viajante

Similares


Estatísticas

Desejam16
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.0 / 3
5
ranking 33
33%
4
ranking 33
33%
3
ranking 33
33%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

37%

63%

Adriana Scarpin
cadastrou em:
28/09/2016 23:04:17