O mal-estar na cultura

O mal-estar na cultura Sigmund Freud


Compartilhe


O mal-estar na cultura





Perguntando-se sobre os critérios – ao seu ver equivocados – usados pelos seres humanos para eleger os valores da vida que lhes são caros e assim traçar caminhos na busca pela felicidade, Sigmund Freud (1856-1939) inicia uma reflexão sobre a origem da necessidade do sentimento religioso no homem. Recuperando ideias de seus textos anteriores, ele compõe "O mal-estar na cultura" (escrito em 1929 e publicado em 1930), um dos mais perturbadores ensaios jamais escritos no que diz respeito ao desenvolvimento cultural da humanidade.

Ao investigar por que o ser humano é tão pouco dotado para ser e permanecer feliz, Freud revela que um dos principais e invencíveis obstáculos à felicidade é a constituição psíquica do homem. Ele examina de perto – lançando mão de ferramentas psicanalíticas – o processo de desenvolvimento cultural necessário para que as pessoas possam viver em sociedade. A conclusão é a de que não só a civilização, mas a própria cultura humana implicam uma diminuição na felicidade dos indivíduos, tendo como subproduto um alienável e generalizado sentimento de culpa.

Título Original: Das Unbehagen in der Kultur.

Tradução direta do alemão de Renato Zwick. Revisão técnica e prefácio de Márcio Seligmann-Silva. Ensaio biobibliográfico de Paulo Endo e Edson Sousa.

Edições (3)

ver mais
O mal-estar na civilização
O mal-estar na cultura
O mal-estar na cultura

Similares

(34) ver mais
Caixa Especial A Interpretação Dos Sonhos - Coleção L&PM Pocket
O mal-estar na cultura
O Mal-estar da Pós-Modernidade
A ordem do discurso

Resenhas para O mal-estar na cultura (5)

ver mais
on 3/6/11


Nesta obra, Freud continua seguindo aquela linha de racíocínio explanada em "O Futuro de Uma Ilusão" (outro excelente livro de Freud). Contextualizando mais objetivamente ser a cultura (ou sociedade) a principal causa da impossibilidade de o homem alcançar a felicidade, Freud traça os principais pontos que justificariam a existência do sentimento de culpa (remorso), bem como da necessidade da religiosidade. Em que pese o autor divague em alguns parágrafos de forma que "volta ao mesmo... leia mais

Estatísticas

Desejam102
Trocam3
Avaliações 4.3 / 379
5
ranking 51
51%
4
ranking 35
35%
3
ranking 12
12%
2
ranking 2
2%
1
ranking 1
1%

42%

58%

EvertonAC
cadastrou em:
23/03/2010 22:59:25