O outro, o mesmo

O outro, o mesmo Jorge Luis Borges


Compartilhe


O outro, o mesmo





imagem do rio inesgotável que passa e permanece, refletindo um "Heráclito inconstante", sempre outro e o mesmo, está talvez na raiz desta coletânea. Os motivos do duplo, do tempo e da alteridade são constantes do fluxo intermitente e simbólico em que se transformou a emoção poética para Borges ao longo dos anos - a qual desapareceu para ressurgir em seguida -, reafirmando a vocação do escritor que se considerava sobretudo um poeta.

O título serviu-lhe primeiro para designar uma seção da Obra poética, republicada com muitos acréscimos em 1964, depois de longo silêncio, quando de fato a poesia parecia ter se esgotado. Mas logo se viu que não, e a expressão passou a designar quase toda a produção lírica de meados de sua vida, revelando em plena forma a maturidade de um poeta que fora um dos fundadores da tradição moderna da poesia hispano-americana, desde os tempos da vanguarda ultraísta do início do século XX.

O leitor terá a surpresa e o prazer de compartilhar a emoção contida de breves composições limadas com todo o esmero - "O instante", "Espinosa", "Everness", "Sarmiento" - e também a de grandes e complexos poemas como "Limites", "O Golem", "Poema conjectural", e sentirá a habilidade de Borges em nos mergulhar no vasto e infindável rio de tempo, memória e esquecimento, de que é feita nossa curta existência e a mais perdurável matéria da poesia.

Poemas, poesias

Edições (2)

ver mais
O outro, o mesmo
O outro, o mesmo

Similares

(15) ver mais
Ficções
Primeira Poesia
Prólogos, com um prólogo de prólogos
Outras Inquisições

Resenhas para O outro, o mesmo (1)

ver mais
on 8/1/11


Creo en el alba oír un atareado rumor de multitudes que se alejan; son los que me han querido y olvidado; espacio y tiempo y Borges ya me dejan.... leia mais

Estatísticas

Desejam49
Trocam1
Avaliações 3.9 / 86
5
ranking 30
30%
4
ranking 41
41%
3
ranking 20
20%
2
ranking 8
8%
1
ranking 1
1%

49%

51%

saralima
cadastrou em:
16/12/2009 05:59:25