O pai de família

O pai de família Roberto Schwarz


Compartilhe


O pai de família


E outros estudos




Às vezes, as datas dizem muito. Escritos entre 1964, ano do golpe, e 1978, quando o autor retorna do exílio francês, os ensaios reunidos em O pai de família constituem uma tentativa de resposta rigorosa e dialética aos dilemas que a conjunção de autoritarismo e modernização impunha tanto à vida política de todos como às posições clássicas da esquerda.

Para dar conta do recado, Schwarz criou uma prosa singular, misturando a dicção vernácula de um Mário de Andrade às figuras argumentativas de um Theodor Adorno. Aqui, como na guerrilha, a regra fundamental é não permitir que se adivinhe o próximo movimento, donde o ziguezague do cinema de Ruy Guerra à arquitetura de Cristina Barbosa, de um perfil de Anatol Rosenfeld à ficção de Paulo Emílio Salles Gomes, da tradução oportuna de um conto de Kafka à pseudotradução de uma certa Bertha Dunkel.

Crítica militante? Não exatamente. Os ensaios de Schwarz são antes regidos pelo esforço quase paradoxal de reflexão no calor da hora e parecem menos interessados em tomar posições inabaláveis do que em promover deslocamentos - conceituais, políticos e estéticos. À maneira, quem sabe, de João Gilberto, que "esfria sambas e boleros e os canta distanciadamente", à maneira de um Brecht baiano, brasileiro mas dialético.

Edições (1)

ver mais
O pai de família

Similares

(11) ver mais
Martinha versus Lucrécia
A Lata de Lixo da História
As ideias fora do lugar
Duas Meninas

Estatísticas

Desejam5
Trocam1
Avaliações 4.3 / 4
5
ranking 25
25%
4
ranking 75
75%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

58%

43%

Mari
cadastrou em:
17/01/2011 12:31:03