O roteirista - uma fábula vulgar

O roteirista - uma fábula vulgar Vinicius Pinheiro


Compartilhe


O roteirista - uma fábula vulgar





O mais surpreendente e inovador roteiro de cinema está prestes a ser lançado, mas por enquanto está ainda só na cabeça de Alberto Franco, o protagonista de O roteirista - Uma fábula vulgar, romance de estréia do jornalista Vinícius Pinheiro, editado pela Rocco. Sem muito talento para edição, direção ou qualquer outro posto dentro de uma produção cinematográfica, Franco só vê uma alternativa para não largar a faculdade e se tornar para sempre um balconista de farmácia: transformar-se no melhor roteirista da história do cinema.



Sem muita interferência do protagonista, a fama de Franco vai se espalhando pela faculdade. Quando percebe, não só os amigos, mas pessoas que nunca viu na vida querem ler e saber mais sobre o Roteiro, como passa a ser chamado, de maneira quase messiânica, o roteiro que será o melhor de todos os tempos. O problema é que do tal roteiro ainda não existe uma linha. Franco passa por uma total falta de inspiração e nem as muitas aventuras extraconjugais servem para estimular a imaginação.



Enquanto tenta solucionar o problemão em que está metido - afinal, até a universidade já se prontificou a entrar com dinheiro para filmar o Roteiro -, Franco segue com o trabalho modorrento de balconista de farmácia. Paralelamente, diverte-se com os amigos beberrões da faculdade, leva uma vida meio sem graça com a namorada Lúcia e tem um sem fim de casos com diversas garotas. Exceto pela falta de inspiração para começar o Roteiro, tudo vai bem. Até que conhece Camila e a rotina se altera.



De uma hora para outra, Franco começa a questionar a vida de canalhice que leva, envolvendo-se a cada semana com uma menina diferente, apesar de ser praticamente casado com Lúcia. Quer ficar com Camila, finalmente dar um jeito na vida e, quem sabe, conseguir escrever o Roteiro de forma surpreendente. E, neste momento, quem prega uma peça é o autor, Vinícius Pinheiro, que, como em um filme de David Lynch, coloca não só Franco, mas os leitores, em um turbilhão.



Vinícius começou a escrever O roteirista em 2005, após várias tentativas de dar início a um romance, mais ou menos como Alberto Franco. "Devo ter pelo menos uns 20 começos gravados em meu computador", diz. O jornalista descreve a história como uma "comédia acidental". De acordo com ele, se o livro for visto de maneira mais aprofundada, mostra a luta do protagonista em busca de uma identidade - nem que seja uma inventada por ele mesmo.

Literatura Brasileira

Edições (1)

ver mais
O roteirista - uma fábula vulgar

Similares

(1) ver mais
Fingidores

Resenhas para O roteirista - uma fábula vulgar (5)

ver mais
Breaking fool
on 22/1/16


Não sabia da existência deste livro até ler "Abandonado", livro que o mesmo autor lançou no ano passado. E quando soube que este romance também era narrado por Alberto Franco me senti na obrigação de ler. Pior para a minha irmã, que me tirou no amigo secreto do Natal e rodou a cidade inteira pra achar o livro! A sensação de reencontrar o Franco alguns anos mais jovem, ainda na faculdade, foi estranha. Ele idolatra os amigos idiotas do curso de cinema, que por sua vez o idolatram por... leia mais

Estatísticas

Desejam4
Trocam2
Avaliações 3.1 / 24
5
ranking 17
17%
4
ranking 17
17%
3
ranking 42
42%
2
ranking 13
13%
1
ranking 13
13%

34%

66%

Vivi
cadastrou em:
30/08/2009 15:03:59
Jim
editou em:
17/04/2019 20:22:05