OS TABUS DA LIDERANÇA

OS TABUS DA LIDERANÇA Anthony F. Smith


Compartilhe


OS TABUS DA LIDERANÇA


os dez segredos dos lideres e aquilo que eles pensam




A posição mais ambicionada em grandes corporações geralmente exige decisões dolorosas sobre as quais os líderes jamais falam. Refletir sobre esses aspectos-tabus, que não são objeto de discussão por quem está no topo da empresa, pode ajudar tanto as corporações como quem está à frente delas, acredita Anthony F. Smith, um conceituado especialista em desenvolvimento, autor de Os tabus da liderança – Os dez segredos sobre os líderes e aquilo que eles realmente pensam, que a Rocco manda para as livrarias no fim de julho.

Mais do que um manual sobre liderança, o livro dá uma visão a respeito dos dilemas enfrentados por dirigentes, como centralização, insegurança, arrogância, jogos políticos, competitividade, duplicidade, manipulação, egoísmo e favoritismo. Atitudes consideradas politicamente incorretas freqüentemente são habituais nesses executivos, que sofrem pressões constantes por resultados, além de, muitas vezes, terem problemas em conciliar a carreira com a vida familiar. Todos esses líderes relutam em admitir as dificuldades que precisam encarar no mundo dos negócios, por temer perder o poder, ferir a auto-estima ou mesmo colocar em risco seu emprego. Para Anthony F. Smith a compreensão desses fatores – considerados tabus pelos próprios executivos – pode contribuir na criação de uma cultura de abertura, confiança e melhor desempenho em suas organizações.


As regras não são rígidas quando se chega ao topo no universo corporativo, diz Anthony F. Smith, embora alguns casos se repitam. Carisma, por exemplo, é um atributo importante para o líder, que precisa cultivar uma boa imagem pessoal – mesmo no caso de nerds confessos, como os gênios da indústria da informática Steven Jobs e Bill Gates, que trouxeram ao mundo dos negócios uma nova imagem de liderança, aparentemente menos rígida em relação a formas de se trajar ou horários de trabalho, mas, na realidade, centrada no empenho profissional e na criatividade. Já o nepotismo é algo a ser evitado, pois dá uma faceta anacrônica, de empresa familiar às corporações modernas. Promover amigos ou filhos, que nem sempre têm talento para a direção, é um dos perigos que os CEOs correm, diz Smith. Já preparar sua sucessão é um cuidado que o líder atual deve ter, pelo bem da empresa, como fez Jack Welch ao passar o comando da GE para Jeffrey Immelt, em 2001.

As reflexões de Anthony F. Smith nem sempre seguem os preceitos tradicionais de análise sobre o mundo corporativo. Ao discorrer sobre o equilíbrio entre vida pessoal e carreira, o autor aponta o prazer como uma das principais diferenças de um líder para os demais funcionários. Segundo Smith, "o líder não sente que está trabalhando demais. Ele sente como se estivesse se divertindo. Há uma emoção de caçada em lutar pelo sucesso. Um profundo senso de engajamento provém de se ter sempre a mente no trabalho". Assim, quem está na liderança só vai perceber que trabalha em excesso porque a família reclama sua presença. Já os outros empregados esperam uma compensação financeira pelas horas extras trabalhadas. Para Anthony F. Smith, a dedicação dos executivos ao trabalho é positiva, se eles se sentem felizes trabalhando para melhorar o desempenho da empresa e garantir o emprego de seus subordinados. No entanto, ele lembra que é preciso estar atento à sobrecarga de atividades profissionais, que podem acarretar conseqüências para a saúde, como depressão, tabagismo, alcoolismo e problemas coronarianos.

Edições (1)

ver mais
OS TABUS DA LIDERANÇA

Similares


Resenhas para OS TABUS DA LIDERANÇA (2)

ver mais
Os tabus da liderança
on 31/1/14


Quando nós lemos livros sobre liderança, a "fórmula" para ser um grande líder é a mesma: - incentivar a equipe; - ouvir o que as pessoas têm a dizer; - motivar seus seguidores; Entre vários outros. Mas ai nós percebemos que esta "fórmula" mostra como o líder deve agir em relação aos seus comandados. (Não sei se 'comandados' é a palavra politicamente correta, me desculpem se não é). Mas ai sempre fica uma questão: E o líder? Sim, o líder. Ele é um ser humano como qualquer outro... leia mais

Estatísticas

Desejam
Informações não disponíveis
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 3.5 / 4
5
ranking 25
25%
4
ranking 25
25%
3
ranking 25
25%
2
ranking 25
25%
1
ranking 0
0%

63%

38%

Lucas
cadastrou em:
06/10/2013 10:54:24