Paisagens da Metrópole da Morte

Paisagens da Metrópole da Morte Otto Dov Kulka


Compartilhe


Paisagens da Metrópole da Morte


Reflexões sobre a memória e a imaginação




Reputado historiador em temas como nazismo e holocausto, o israelense Otto Dov Kulka passou décadas em silêncio sobre um capítulo sombrio de sua infância. Nascido numa pequena cidade tcheca em 1933 — ano que os nazistas tomariam o poder na Alemanha —, Kulka seria enviado para Auschwitz em 1943. São as impressões daquele menino vivendo uma das experiências-limites do século XX, mescladas à reflexão do escritor maduro, que dão ao livro a sua poderosa carga dramática. Durante dez anos, entre 1991 e 2001, Kulka fez gravações de áudio de suas memórias, evocando passagens daquele sofrimento quase indizível, somente articuladas por ele tanto tempo depois. São cenas e fragmentos fortes, como o coro infantil entoando “Ode à alegria” a poucos metros dos infames crematórios, a presença de sua mãe no campo de concentração, as marchas da morte no inverno. Em meio a esses momentos a prosa de Kulka encontra a beleza e o arrebatamento poético, tornando a leitura do seu livro uma poderosa experiência literária.

É a potência poética do autor, aliás, que organiza e traz sentido a Paisagens da metrópole da morte, texto que por vezes evoca os livros de W. G. Sebald e Elias Canetti ou o documentário clássico de Claude Lanzmann, Shoah. Com sua sensibilidade e poder evocativo, Otto Dov Kulka faz de sua experiência nos campos da morte um triunfo da inteligência e da melhor literatura sobre um dos capítulos mais deletérios da história humana.

Edições (1)

ver mais
Paisagens da Metrópole da Morte

Similares


Resenhas para Paisagens da Metrópole da Morte (5)

ver mais
Reflexões sobre a Memória e a Imaginação
on 20/6/16


Kulka foi um dos poucos sobreviventes dos campos de concentração, dedicou-se ao estudo do nazismo e do Holocausto. Por diversas vezes ensaiou a morte nas câmaras de gás em Auschwitz. Perseguido por recordações e imagens específicas, pensamentos de que foi incapaz de se livrar. "Quase ausente – na verdade, completamente ausente – está outro elemento, tão conhecido com base nas recordações e testemunhos sobre a vida quotidiana nos campos de concentração. Refiro-me à violência, à crueldad... leia mais

Estatísticas

Desejam39
Trocam1
Avaliações 4.1 / 28
5
ranking 29
29%
4
ranking 54
54%
3
ranking 14
14%
2
ranking 4
4%
1
ranking 0
0%

32%

68%

Marcos
cadastrou em:
04/04/2014 21:34:06