Pape Satàn Aleppe

Pape Satàn Aleppe Umberto Eco


Compartilhe


Pape Satàn Aleppe


Crônicas de Uma Sociedade Líquida




O último livro escrito por Umberto Eco. Crises ideológicas, econômicas e políticas, individualismo desenfreado e uma relação simbiótica com nossos celulares são alguns dos elementos que compõem o ambiente em que vivemos: o de uma sociedade líquida, onde nada parece fazer sentido ou ter sequer algum significado. Neste que é seu derradeiro livro, a fim de tornar mais fácil a compreensão de nossa sociedade desnorteada, Umberto Eco nos presenteia com uma coleção de ensaios sobre tudo: de Harry Potter ao 11 de Setembro, passando pelo Twitter, os templários e questões de caligrafia. “Pape Satàn, pape Satàn aleppe”, disse Plutão no Inferno de Dante, com espanto, tristeza, ameaça ou talvez ironia. O significado do verso, ainda um mistério para nós, líquido demais, é perfeito, portanto, para caracterizar a confusão de nosso tempo e intitular esta obra.

Contracapa:

"O silêncio está prestes a se tornar um bem caríssimo e, de fato, só está a disposição de pessoas abastadas que podem pagar mansões em meio ao verde ou de místicos da montanha com mochilas nas costas, que ficam tão inebriados pelos silêncios incontaminados das alturas que perdem a cabeça e acabam caindo em alguma fenda, de modo que não demora para que toda a área seja poluída pelo ronco dos helicópteros dos socorristas.

Ainda vamos chegar ao momento em que aqueles que não aguentam mais o baruho poderão comprar pacotes de silêncio, uma hora num quarto forrado como o de Proust ao preço de uma poltrona no Scala de Milão. Como réstia de esperança, pois infinitas são as astúcias da Razão, observo que - à exceção dos que usam o computador para baixar suas músicas barulhentíssimas - todos os outros poderão encontrar o silêncio justamente diante da tela luminosa, de dia e de noite: basta usar o controle e desligar o áudio."

Crônicas / Não-ficção

Edições (1)

ver mais
Pape Satàn Aleppe

Similares

(6) ver mais
O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Ser Um Idiota
Contra Um Mundo Melhor
A Era do Ressentimento
Nossa Cultura... Ou o Que Restou Dela

Resenhas para Pape Satàn Aleppe (4)

ver mais
on 11/8/17


Sou suspeita para falar sobre Eco, considerando minha paixão pública e declarada por tudo que esse homem escreveu. Seus romances, seus livros de semiótica e suas crônicas, tudo parece ter um sabor próprio, um humor que permeia desde os seus mais eruditos artigos até seus romances mais excêntricos. "Pape Satàn Aleppe" - cujo título vem de uma citação de "A Divina Comédia" e não tem qualquer significado prático - reúne crônicas publicadas em jornal nos últimos dez anos, sobre uma mir... leia mais

Estatísticas

Desejam43
Trocam2
Avaliações 4.1 / 28
5
ranking 39
39%
4
ranking 43
43%
3
ranking 14
14%
2
ranking 4
4%
1
ranking 0
0%

50%

50%

Srta. Oliver
cadastrou em:
30/05/2017 00:11:35
Marco
editou em:
12/04/2018 21:46:13