Partido-Alto: Samba de Bamba

Partido-Alto: Samba de Bamba Nei Lopes


Compartilhe


Partido-Alto: Samba de Bamba





Doze anos depois da edição de O negro no Rio de Janeiro e sua tradição musical, Nei Lopes retorna a idéia inicial daquela monografia e a transforma efetivamente num texto sobre a tradição carioca do samba improvisado e cantado em desafio. Partido-alto, samba de bamba procura ampliar o foco sobre o partido-alto, com um olhar mais acurado sobre a aclimatação dos calangos mineiro e fluminense nos morros cariocas após a Revolução de 1930; bem como a relação entre o êxodo rural em direção a esses redutos, o emprego dessa mão-de-obra no Cais do Porto do Rio e a difusão, a partir daí, do samba calangueado, em forma de partido-alto. Tudo isso, temperado com saborosas entrevistas feitas com bambas no estilo: Martinho da Vila, Clementina de Jesus, Anescarzinho do Salgueiro entre outros. O termo ?pagode?, cujo auge mercadológico verificou-se em 1986, teve como mola mestra a ampla exposição e revalorização do partido-alto, modalidade de samba, até então, de pouquíssima visibilidade. As rodas de samba de ?fundos de quintal? revelaram ou confirmaram o talento de muitos bons versadores, cultores da velha arte, como a dupla que reunia Zeca Pagodinho e o menos afortunado Deni de Lima, sobrinho de Osório de Lima, legendário compositor do Império Serrano, parceiro de Mano Décio da Viola no clássico "Obssessão". Além de observar as relações entre o partido-alto e o samba como um todo, Nei Lopes inclui nesse importante documento da história musical carioca, uma Cartografia da Zona Portuária; fundamental para entendermos a origem dessa tradição no Rio de Janeiro

Edições (1)

ver mais
Partido-Alto: Samba de Bamba

Similares

(18) ver mais
Logunedé: Santo menino que velho respeita
Novo Dicionário Banto do Brasil
O Racismo
Nei Lopes

Resenhas para Partido-Alto: Samba de Bamba (0)

ver mais
História erudita do Samba
on 31/1/21


Não poderia ter começo melhor: "Quase Prefácio de Hermínio Bello de Carvalho. Só pra ficar em alguns nomes que desfilam neste livro em toda as suas majestades: 1. Pixinguinha; 2. Tia Ciata (Hilária Batista de Almeida); 3. João da Baiana; 4. Donga (Ernesto dos Santos); 5. Bucy Moreira, neto de Tia Ciata; 6. Aniceto do Império; 7. Clementina de Jesus; 8. Natal da Portela (Natalino José do Nascimento); 9. João Gradim; 10. João da Gente; 11. Antenor Gargalhada; 12. Heitor... leia mais

Estatísticas

Desejam11
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.5 / 14
5
ranking 71
71%
4
ranking 14
14%
3
ranking 7
7%
2
ranking 7
7%
1
ranking 0
0%

40%

60%

Crau
cadastrou em:
21/09/2009 17:20:40

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR