Poesia

Poesia Jorge Luis Borges


Compartilhe


Poesia





Um persistente equívoco pode levar o leitor de Borges a dar mais valor a seus contos e ensaios do que a seus poemas. Porém, no princípio, no meio e no fim de sua carreira, ele foi sobretudo poeta e assim se julgava. Durante os anos 1920, publicou três livros de versos cuja importância histórica e estética vai muito além da vanguarda ultraísta de que zombaria mais tarde.

A partir dos anos 1960, volta maduro à poesia, e escreve grandes poemas em que o pensamento se casa à emoção num sereno discurso rítmico, cuja complexidade se mantém com clareza, precisão e elegância clássicas. Nos sete últimos livros de poesia, escritos de 1969 até 1985, reunidos neste volume, uma sutil música de câmara confidencia os sentimentos mais íntimos na forma contida, límpida e exata das surpresas tranquilas.

O elogio da sombra que se parece à cegueira, o fascínio de ouro dos tigres, a luz inacessível da rosa profunda, a moeda de ferro feito um espelho mágico do eu e do mundo, o caos que é a cifra de uma secreta ordem, tudo são poemas conjurados como verdadeiros dons da escuridão, dos sonhos, das alvoradas. O poeta que sempre amou a filosofia e os labirintos da reflexão repassa o vivido e se prepara, com lucidez e calma, para a morte.

Literatura Estrangeira / Poemas, poesias

Edições (1)

ver mais
Poesia

Similares


Estatísticas

Desejam62
Trocam1
Avaliações 4.2 / 35
5
ranking 40
40%
4
ranking 43
43%
3
ranking 17
17%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

49%

51%

Mariane F.
cadastrou em:
08/03/2009 02:33:30
Alê | @alexandrejjr
editou em:
27/07/2020 17:56:38