Poesia Completa

Poesia Completa Orides Fontela


Compartilhe


Poesia Completa





Orides Fontela [1940-1998] foi uma das mais importantes poetas brasileiras da segunda metade do século XX. Da mesma geração de Paulo Leminski, Hilda Hilst, Roberto Piva e Adélia Prado, sua obra se destaca e se diferencia por um alto rigor unido a uma particular beleza áspera, que a tornam, contra a passagem do tempo, cada vez mais contemporânea. Isto é, cada vez mais fundamental para poesia e o tempo presentes.

A publicação pela Hedra de sua Poesia completa [organizada e apresentada pelo poeta e crítico literário Luis Dolhnikoff] reafirma e reforça esta condição.

A paulista Orides Fontela surgiu na cena literária da segunda metade do século XX descoberta pelo crítico e professor da USP Davi Arrigucci Jr., que em seguida apresentaria sua obra a Antonio Candido. Dessa descoberta resultaria seu primeiro livro, Transposição [1969], seguido de Helianto [1973], Alba [1983 – Prêmio Jabuti], Rosácea [1986] e Teia [premiado pela Associação Paulista de Críticos de Arte], compondo uma obra cada vez mais vigorosa, enquanto sua vida caminhava para um fim solitário em um sanatório para tuberculosos em Campos do Jordão.

Recentemente, seu biógrafo, Gustavo de Castro, redescobriu uma coleção de 22 poemas inéditos, a maioria ainda em manuscritos guardados entre os livros de sua biblioteca. A reunião de todos os seus livros publicados em vida, junto a essa importante coleção de inéditos, permitiu a organização de sua Poesia completa – que, ao lado de sua biografia, O enigma Orides, [um lançamento Itaú Cultural-Hedra], repõe a vida e a obra de Orides Fontela na corrente sanguínea da cultura brasileira contemporânea.

Poemas, poesias

Edições (1)

ver mais
Poesia Completa

Similares

(8) ver mais
Poesia reunida
O Enigma Orides
Sete Pragas Depois
A Rosa das Línguas

Resenhas para Poesia Completa (2)

ver mais
Gatos
on 14/10/16


"I Os gatos secretos saltam II Gatos no negro fluem: fosforecem arranham vidros destroçam espectros farejam todos os rumos. III No vácuo insone na meia-noite lúcida cuidado: gatos agindo. Numa hora secreta as águas dormem (rios detidos fontes inertes introvertido oceano) numa hora impossível cessa o fluxo e eis a estrela: amor cristalizado."... leia mais

Estatísticas

Desejam58
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.4 / 40
5
ranking 63
63%
4
ranking 28
28%
3
ranking 5
5%
2
ranking 5
5%
1
ranking 0
0%

38%

62%

Carla Porto
cadastrou em:
02/12/2015 21:11:50