Poesia completa de Alberto Caeiro

Poesia completa de Alberto Caeiro Fernando Pessoa


Compartilhe


Poesia completa de Alberto Caeiro





De todos os heterônimos criados por Fernando Pessoa, Alberto Caeiro talvez seja o que corresponda a um esforço de arquitetura mais bem-sucedido. Reunida neste livro, sua poesia divide-se em três partes: O guardador de rebanhos, O pastor amoroso e Poemas inconjuntos.

Esta reunião da poesia de Alberto Caeiro, o guardador de rebanhos, integra a coleção de obras de Fernando Pessoa publicada pela Companhia das Letras, sempre com texto estabelecido por grandes especialistas. Aqui o trabalho de edição crítica ficou a cargo de Fernando Cabral Martins e Richard Zenith, autores também dos dois ensaios que integram o livro. Para Martins, de todos os heterônimos criados por Fernando Pessoa, Caeiro talvez seja o que corresponda a um esforço de arquitetura mais bem-sucedido. Uma das três partes de sua obra, O pastor amoroso, "mostra-o em tudo contrário ao que se deseja e se projeta nas outras duas", enquanto O guardador de rebanhos e os Poemas inconjuntos contêm poemas "em que a personagem surge sob iluminações imprevistas, revelando aspectos que contradizem o seu ideal de Si-Mesmo e lhe conferem verossimilhança ficcional". Em Caeiro há uma ciência espontânea, um misticismo materialista e uma simplicidade complexa - atributos paradoxais que servem para intensificar e tornar crível a sua extraordinária singularidade.

Nos textos de Fernando Pessoa manteve-se a grafia vigente em Portugal.

Literatura Estrangeira / Poemas, poesias

Edições (8)

ver mais
Poesia completa de Alberto Caeiro
Poesia de Alberto Caeiro
Fernando Pessoa - Poesia Completa de Alberto Caeiro
POEMAS DE ALBERTO CAEIRO

Similares

(31) ver mais
tesserato
Navegar é preciso
Poesia completa de Ricardo Reis
Poesia Completa de Álvaro de Campos

Resenhas para Poesia completa de Alberto Caeiro (31)

ver mais
A poesia das sensações
on 16/10/21


Caeiro é meu heterônimo favorito, gosto dessa busca por "ver" o real como ele se apresenta, na sua simplicidade, sem idealizações. Uma espécie de poeta-filósofo, que extrai seu pensamento do contato direito com as coisas e com a natureza. Creio no mundo como num malmequer Porque o vejo. Mas não penso nele Porque pensar é não compreender... O mundo não se faz para pensarmos nele (Pensar é estar doente dos olhos) Mas para olharmos para ele e estarmos de acordo... Eu não tenh... leia mais

Estatísticas

Desejam121
Trocam4
Avaliações 4.4 / 1.084
5
ranking 59
59%
4
ranking 29
29%
3
ranking 10
10%
2
ranking 2
2%
1
ranking 0
0%

32%

68%

Everton
cadastrou em:
04/12/2008 21:27:53
Jenifer
editou em:
25/02/2021 23:23:12

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR