Calvin e Haroldo - As Tiras de Domingo 1985-1995

Calvin e Haroldo - As Tiras de Domingo 1985-1995



Resenhas - Calvin e Haroldo - As Tiras de Domingo 1985-1995


3 encontrados | exibindo 1 a 3


Rafaela 20/05/2015

Bill Watterson se dedicou por dez anos as tirinhas de Calvin e Haroldo. O livro As Tiras de Domingo faz parte da primeira exposição de originais das tiras dominicais de Calvin e Haroldo na Biblioteca de Pesquisa de Quadrinhos e Cartuns da Universidade Estadual de Ohio. No Brasil, o livro com as artes de Bill foi publicado pela Editora Conrad.

O primeiro ponto que chama a atenção do leitor é saber que as tiras reproduzidas foram escolhidas pelo próprio Watterson. Não deve ter sido um trabalho fácil optar por alguns quadrinhos entre tantos de uma década de trabalhos. É valioso observar cada desenho que o autor escolheu e entender através de suas explicações o contexto e o motivo de ele estar ali.

Logo no início do livro temos algumas páginas introdutivas escritas pelo próprio Bill Watterson, falando um pouco sobre como foi a experiência de rever seu trabalho para a exposição e sobre seus longos anos desenhando e escrevendo Calvin e Haroldo. O autor nos conta desde fatos simples como a difícil tarefa de colorir os quadros utilizando as cores corretas, até seus problemas comerciais com relação aos espaços que as tiras ocupavam nos jornais e a batalha para poder utilizar um novo tipo de formatação.

É importante lembrar que cada quadrinho está duplamente exibido no livro. Primeiramente na esquerda temos a tira em preto e branco e na direita a mesma em cores. Esse formato de reprodução é muito interessante pois proporciona ao leitor uma melhor percepção de um novo efeito e visual que as cores podem trazer ao desenho. Da mesma forma, na ilustração sem cores pode-se perceber o uso de corretivo e as mudanças que Bill fazia para adaptar as tirinhas (como pode-se perceber na fotografia abaixo).

As tiras do livro acompanham a ordem cronológica das publicações originais, iniciando-se no ano de 1985 até o ano do término, em 1995. Seguindo essa ordem e acompanhando alguns quadrinhos de cada ano, é possível perceber a evolução dos personagens e mudanças estéticas que foram sendo realizadas, tanto em relação aos traços como a pintura.

Algumas histórias presentes nas tiras são reflexos de alguns fatos vivenciados pelo autor, assim como críticas sociais a acontecimentos da época, como um ameaça de conflito armado entre as potências mundiais. O que ajuda o leitor a compreender a intenção e a forma de cada desenho são os comentários de Bill na parte inferior dos mesmos. Acredito que isso deixou a obra ainda mais convidativa, pois temos uma conexão entre a arte final e a intenção pensada inicialmente para cada quadro.

Eu nunca havia tido a oportunidade de conhecer o universo de Calvin e Haroldo, e acabei tendo uma agradável surpresa. Como as tirinhas representam uma história rápida, é difícil se apegar aos protagonistas. Porém, posso afirmar que gostei muito de algumas temáticas que o autor apresenta através das tirinhas, principalmente as críticas sociais.

A tira abaixo é uma das minhas favoritas do livro. Calvin nos mostra que não adianta nada um novo ano com novas promessas se não somos capazes de fazermos algo para mudar a situação em que estamos. Como o sempre esperto Haroldo observa, o problema é que esse futuro acaba virando presente o tempo todo.

Calvin e Haroldo: As Tiras de Domingo é um ótimo livro para os amantes dessa arte. Há quadrinhos para todos os gostos, desde algo mais reflexivo até situações engraçadas. Conhecendo um pouco mais sobre os bastidores da produção tudo se torna ainda mais interessante aos nossos olhos, sendo impossível não se identificar em algum momento com as histórias do menino e seu tigre.

site: http://eterna-leitora.blogspot.com.br/2015/05/resenha-calvin-e-haroldo-as-tiras-de.html
comentários(0)comente



Lira Escarlate 17/05/2015

Calvin e Haroldo em suas aventuras de Domingo.
“Todo mundo quer que a vida tenha sentido. A gente procura um sentido em tudo o que faz.”
Para muitos, o mais importante num jornal eram as tirinhas. Temos nomes de personagens que se destacaram neste setor, pois se tratava de uma comunicação direta, curta e sempre tinha um efeito de reflexão. Entre tantos nomes quero dar destaque para um que muito me fascina. Falo de Calvin, o jovem curioso que sempre andava acompanhado de seu tigre de pelúcia, Haroldo, que muito se fazia de consciência do jovem. “Calvin e Haroldo” é uma criação do cartunista Bill Watterson, foi publicado em muitos jornais, mas que transcendeu esta mídia e virou encadernados de livros graças à Editora Conrad.
Em 2013, a Conrad finalizou toda a coleção de 10 exemplares de Calvin e Haroldo. Contudo, ano passado ela voltou a nos presentear com uma edição de catálogo de exposição, onde encontramos as tirinhas dominicais que sempre eram coloridas.
‘As compilações de tiras de Calvin e Haroldo são ótimos livros para ter, mas a oportunidade de ver os originais e ler o que Bill Watterson pensa a respeito é um privilégio. Ele generosamente compartilhou não só sua arte, mas sua vida e seus pensamentos. Quando analisei o trabalho escolhido para a exposição, eu sabia que os visitantes chegariam aos risos e iriam embora às lágrimas’. (Do Prefácio de Lucy Shelton Caswell, professora e curadora da Biblioteca de Pesquisa de Quadrinhos e Cartuns da Universidade Estadual de Ohio, em junho de 2001).
Como Lucy Shelton comenta, o livro é um catálogo da exposição que não só contou com as tirinhas como também teve uma grande explicação do próprio Bill sobre seu processo de criação. Confesso que foi uma das coisas que mais me fascinou no livro: em cada página, era possível encontrar uma observação sobre aquela tira específica. Tivemos como entrar na cabeça do criador e não só entender como Calvin via o seu mundo, mas como Watterson via o dele.
Sinto-me na obrigação de dizer que este livro é uma obra indispensável para todos que desejam trabalhar com tirinhas e, claro, acredito que todo jornalista também deveria, no mínimo, ler. Aprendi muito sobre esta arte só nas cinco primeiras páginas, quando o criador nos explica como foi lutar para não ter suas ideias editadas, como era se adaptar aos espaços e o tempo de planejamento, como fazer roteiros complexos em tão pouco tempo e espaço.
Outro ponto muito forte na edição este livro é que temos acesso aos rascunhos. A cada tirinha colorida que lemos ao seu lado há a mesma na sua versão ainda a nanquim. O tamanho do encadernado é mais comprido que o convencional; entretanto, acho que enquadra melhor as estrelas do livro, as tirinhas, e não atrapalha em nada a leitura.
O que mais poderia falar sobre os dilemas maravilhosos que nos são mostrados? Sempre gostei de refletir sobre as poucas palavras e os desenhos de traços simples que encontramos nas tirinhas... Lembro de uma história de outra personagem famosa, Mafalda, que me fez pensar que a única maneira de refletir na frente da televisão é com ela desligada. Com Calvin tenho uma linguagem mais simples e até fantasiosa em alguns momentos, mas sem perder a crítica social. Claro que é possível encontrar uma tira que foi feita só para lembrar um pouco da nossa infância e de como o mundo parece tão diferente visto dos olhos de um garoto.
Sempre pensei que Haroldo era muito quieto, hoje o vejo como a consciência que só se manifesta quando é necessário e sempre vem trazer um ponto de vista que deve ser considerado. Exemplo de uma frase do Haroldo em umas das tirinhas: “Por que a gente vai brincar de guerra e não de paz?” Claro que a mensagem era para alfinetar o presidente Reagan, que ameaçava um conflito com a União Soviética. Contudo, acredito que ainda temos que refletir sobre isso. Afinal, o mundo seria um lugar melhor se brincássemos de paz e não de guerra.
Poderia escrever uma dissertação sobre as reflexões levantadas pelo jovem Calvin e seu amigo Haroldo, mas isso não é o caso. Quero só deixar esta dica maravilhosa para todos que amam ler, e claro, o fato de podermos ler não só os textos, mas também as imagens, torna este livro muito mais rico e interessante.
Agora pretendo fazer a coleção toda de Calvin e Haroldo, pois se já sabia o quanto eles são bons e divertidos, agora tenho certeza que preciso ler mais sobre esta dupla.


site: http://www.domaingeek.com.br/calvin-e-haroldo-em-suas-aventuras-de-domingo/
comentários(0)comente



Mustang 14/06/2019

Amo muito tudo isso!
"Guardo ótimas lembranças da leitura das tiras de domingo quando criança. Para mim, os quadrinhos dominicais eram a única razão para a existência dos jornais. Nos dias de semana, eu só lia as minhas tiras preferidas. Aos domingos, porém, lia todas elas, e mais de uma vez. Às tiras dominicais eram as mais atraentes em termos visuais, e foi por isso que, quando tive a chance de desenhar meus próprios quadrinhos, tentei fazer com que as tiras de domingo de Calvin e Haroldo fossem especiais." - Um trecho da fala de Bill Waterson no verão de 2001.

As tiras dessa dupla inseparável foram e ainda são muito importantes em minha vida, se me perguntarem hoje o que não deve faltar em minha estante, eu diria Calvin e Haroldo, é lógico! Guardo boas lembranças de quando as lia em jornal e que não as perdia nenhuma se quer, era sagrado ver as aventuras do garoto e seu tigre.

Essa HQ em especial foi lançada pela editora Conrad em 2001, que reuniu algumas tiras dos originais daquelas que saíam no domingo na qual Bill Waterson fez por 10 anos. Um trabalho magnífico que reúne alguns dos originais em preto e branco que eram mandados pra gráfica, junto com a sua versão colorida e as anotações logo abaixo, que explicam como foi elaborada cada tirinha.

Queria um trabalho mais cuidadoso com essas obras, que fosse uma coleção digna de fã, mas acho que é pedir demais e vou conservar as edições que peguei da Conrad. Pelo menos aqui eu posso ver sempre o trabalho esplendoroso do mestre Bill Paterson.

Nota: 5/5

site: https://www.instagram.com/p/Bwii6dfA_DC/?utm_source=ig_web_copy_link
comentários(0)comente



3 encontrados | exibindo 1 a 3