Quase memória

Quase memória Carlos Heitor Cony


Compartilhe


Quase memória


Quase romance




O quase-romance de Carlos Heitor Cony transporta o leitor para um outro mundo, um mundo que acabou, nas palavras de seu autor. O mundo de seu pai, jornalista como ele, mas de um tempo perdido; do Rio capital federal, do compadrio despudorado, não da violência. Do dia a dia indulgente. Na elegia ao pai que é Quase Memória, o protagonista Ernesto Cony Filho é o corpo e o espírito da época. Sonha alto, dorme prometendo grandes feitos amanhã. E o que faz é atolar-se nos próprios sonhos, desfazer-se deles, criar outros e outros. É uma figura quixotesca, patética, no relato quase cruel do filho, mas por isso mesmo fascinante.

Ficção / Literatura Brasileira / Romance

Edições (8)

ver mais
Quase memória
Quase memória
Quase memória
Quase Memória

Similares

(7) ver mais
Um pai e duas filhas
Quase Memória
Quinze anos: a juventude como ela é
Memórias da Montanha

Resenhas para Quase memória (40)

ver mais
ORFÃOS
on 21/5/10


Resolvi fazer uma resenha um pouco diferente, sair um pouco do padrão chato das resenhas em geral (não todas), e contar a história do livro. Não a que se passa dentro dele, mas a história dele próprio. Antes de Quase Memória, a outra única criação de Cony que eu tinha lido era um conto chamado "O Crime e o Burguês". Li e reli, indiquei e "reindiquei" inúmeras vezes em um período de aproximadamente cinco anos. O conto, recheado de inteligência e um finíssimo bom humor, sempre foi um do... leia mais

Vídeos Quase memória (2)

ver mais
Resenha do Livro Quase Memória

Resenha do Livro Quase Memória

Quase memória, de Carlos Heitor Cony

Quase memória, de Carlos Heitor Cony


Estatísticas

Desejam156
Trocam44
Avaliações 4.0 / 1.065
5
ranking 36
36%
4
ranking 36
36%
3
ranking 20
20%
2
ranking 6
6%
1
ranking 2
2%

34%

66%

Marcos
cadastrou em:
16/10/2014 17:33:25