Requiem Para O Navagador Solitário

Requiem Para O Navagador Solitário Luís Cardoso


Compartilhe


Requiem Para O Navagador Solitário





São duas as personagens que figuram com destaque no romance Requiem para o navegador solitário, de Luís Cardoso: o Timor-Leste, pequena ilha do Pacífico repleta de conflitos étnicos e políticos, e Catarina, uma jovem inocente que traz na mala, para além da roupa, um exemplar de A la Porsuite du Soleil, relato de viagem de circum-navegação do solitário Alain Gerbault. Contudo, na verdade, ela traz algo a mais: o sonho de viver uma grande história de amor.

De um lado, o Timor-Leste, dominado pelos portugueses em 1512, e que três dias após sua independência, em 1975, foi invadido pela Indonésia; de outro, Catarina, que se dedica bravamente à recuperação da fazenda Sacromonte enquanto aguarda, na varanda atapetada de buganvílias de sua casa, a chegada do navegador solitário. De um lado, um território que serviu “para deportados, um depósito de esquecidos, uma ilha-prisão cercada pelo mar infestado de tubarões e de piratas em busca de pérolas, pedras preciosas e de gatas, donde ninguém podia fugir”; de outro, a perdição de Catarina, que vai percebendo que “os que chegam do mar têm sempre quem espere por eles”, enquanto ela navega por terra, sem qualquer possibilidade de companhia, a não ser os gatos.

Além de esperar, Catarina tenta provar a si própria, com a recuperação da fazenda Sacromonte, que é capaz de contrariar os azares de sua vida ou os seus desacertos. Uma personagem que cresce à medida que seus dramas aumentam.

Com Requiem para o navegador solitário, o leitor tem a oportunidade de conhecer um pouco da história do Timor-Leste, país ligado ao Brasil em função da língua portuguesa, e também tem acesso à belíssima ficção de Luís Cardoso, o mais importante escritor timorense.

Literatura Estrangeira

Edições (1)

ver mais
Requiem Para O Navagador Solitário

Similares


Resenhas para Requiem Para O Navagador Solitário (1)

ver mais
5° encontro do clube de leitura.
on 25/3/13


Foi minha primeira experiência com o autor e com a literatura timorense. Gostei do ritmo da narrativa, da escrita. A edição é linda, gostosa de olhar. Uma bela história, que nos remete à solidão dos navegadores e, também, de quem os espera em terra. Achei que o autor poderia ter se aprofundado mais em tudo... na busca de Catarina, em seu sofrimento, na história do país, nas descrições dos sentimentos. Mas, imagino que a superficialidade tenha sido proposital, afinal, a narrativa é ba... leia mais

Estatísticas

Desejam1
Trocam1
Avaliações 3.3 / 18
5
ranking 22
22%
4
ranking 22
22%
3
ranking 39
39%
2
ranking 0
0%
1
ranking 17
17%

22%

78%

Daniel
editou em:
13/12/2016 20:43:36

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR