Salammbô

Salammbô Gustave Flaubert


Compartilhe


Salammbô





Uma aventura épica que alia exotismo a reconstrução histórica, sensualidade a violência, universo mítico a paixões impossíveis, escrita por um dos grandes nomes da literatura francesa.

A primeira cena desse romance é um banquete nos jardins da casa do general cartaginês Amílcar Barca, para celebrar o aniversário da batalha de Monte Érice. É ali, durante o festim, que o mercenário líbio Mâthos avista Salammbô, filha do general e sacerdotisa de Tanit, a deusa da Lua e protetora de Cartago. Salammbô não sairá da memória do soldado, que no entanto será um dos líderes da revolta dos mercenários contra Amílcar, depois que este reconhece não ter recursos para pagar o soldo devido aos estrangeiros que lutaram sob seu comando contra os romanos.

Obcecado pela ideia de voltar a encontrá-la, Mâthos decide roubar um véu sagrado dos aposentos de Salammbô, na companhia de Espêndio, seu braço direito. A disputa pela posse do objeto sagrado e pelo coração de sua dona vão se misturar aos embates em campo de batalha.

Salammbô foi o romance que Gustave Flaubert (1821-1880) escreveu imediatamente depois do abalo estético e moral provocado por Madame Bovary (1856). Do retrato realista de uma mulher insatisfeita na província francesa no século XIX, o escritor saltou para uma aventura épica ambientada no norte da África no século III a.C., durante as primeiras guerras púnicas, em que se confrontaram romanos e cartagineses.

Flaubert afirmou ter, durante cinco anos, lido e anotado mais de 200 livros de história para escrever o romance. Além disso, passou dois meses em viagem pela Tunísia – onde fica Cartago, o epicentro do enredo de Salammbô. Ao ser lançado, em 1862, o romance provocou o esperado desconcerto, originou alguma polêmica com historiadores e conquistou leitores que talvez nem conhecessem Madame Bovary. Como escreve no posfácio desta edição o professor de literatura Samuel Titan Jr., o próprio Flaubert contribuiu para a posição de Salammbô como uma “peça à parte de sua obra”. Ele queria mudar radicalmente de assunto depois do estrondo de Bovary, que o levou à Justiça sob acusação de imoralidade.

O escritor dizia amar a história “loucamente”, e em Salammbô ficam evidentes o gosto e a dedicação com que descreve batalhas, paisagens, animais, indumentária, comidas, utensílios, hábitos e ritos pagãos, com vasta riqueza vocabular – reproduzida na nova tradução feita por Ivone Benedetti. Entre suas leituras, Flaubert tomou como base factual o relato do historiador grego Políbio, escrito no século I a.C., inserindo no enredo personagens e episódios fictícios. Amílcar é presença notória nos livros de história, mas a própria Salammbô nunca existiu. Já Aníbal, o filho verdadeiro de Amílcar e tão célebre quanto ele, participa da trama quando ainda criança, num episódio comovente. Flaubert reveste de cores fortes o material histórico, e o romance todo transpira um exotismo que evoca a Salomé bíblica e os contos das Mil e uma noites.

SOBRE A EDIÇÃO
O projeto gráfico de Salammbô explora visualmente a tensão do romance entre o mítico, o imaginário e o histórico. Numa referência à presença de uma divindade lunar na trama, o volume contém imagens dos fenômenos naturais relacionados ao satélite da Terra, produzidas pelos cientistas James Nasmyth e James Carpenter no século XIX.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (11)

ver mais
Salammbô
Salammbô
Salambô
Salambô

Similares

(49) ver mais
Taís de Atenas
Afrodite
Dáfnis e Cloé
Poemas em Prosa e Salomé

Resenhas para Salammbô (2)

ver mais
A Cartago de Flaubert
on 29/1/09


Por volta de 1857, Gustave Flaubert começou a planejar o romance Cartago. Viajou até a África, visitando as ruínas da cidade, leu em torno de 100 volumes para embeber-se no tema - obras de História, Arte Militar, Patologia, Religião e outras. Em suas cartas, registrou o sofrimento que era dedicar-se à realização desse livro. "Que tema miserável! Eu passo alternadamente da ênfase mais extravagante à convenção mais acadêmica" escreveu ele ao escritor Ernest Feydeau em fins de 1857. Em 29... leia mais

Estatísticas

Desejam24
Trocam1
Avaliações 4.0 / 46
5
ranking 41
41%
4
ranking 30
30%
3
ranking 17
17%
2
ranking 9
9%
1
ranking 2
2%

47%

53%

Cardoso
cadastrou em:
21/07/2021 15:46:06
Cardoso
editou em:
21/07/2021 15:46:36

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR