Soldados Rasos

Soldados Rasos Frederic Manning


Compartilhe


Soldados Rasos





Soldados Rasos, inédito no Brasil, foi publicado pela primeira vez na Inglaterra em 1929 e no ano seguinte, com cortes, livre de palavrões e demais expressões consideradas chocantes para a época. Ambas as versões foram assinadas por “Soldado 19022”, identificação militar recebida pelo escritor australiano Frederic Manning (1882-1935) durante sua participação na Primeira Guerra Mundial.

Conhecido nos círculos literários da Inglaterra, onde vivia, Manning alistou-se voluntariamente no exército britânico e lutou, ao lado de soldados de diversas nacionalidades, nas ofensivas franco-britânicas contra os alemães na região do vale dos rios Somme e Ancre, na França, durante o segundo semestre de 1916.

Seu livro é uma ficção baseada no cotidiano dos homens nas trincheiras e acampamentos, entre bombas e goles de rum, longas esperas e marchas. Manning dá voz aos soldados anônimos, com seus diferentes sotaques e gírias, revelando a percepção – ou incompreensão – que tinham do conflito. O sucesso do livro na Inglaterra fez com que autores e críticos fossem investigar a identidade do Soldado 19022.

Foi T.E. Lawrence, apreciador da escrita de Manning e que considerava a obra “o livro dos livros” sobre o exército britânico, quem a desvendou e forçou o autor a sair do anonimato. Cultuado por escritores como Ezra Pound, T.S. Eliot ou E.M. Forster, Soldados Rasos só foi relançado em sua versão completa na Inglaterra no final dos anos 1970. É essa a versão que foi traduzida pela primeira vez para o português.

Ernest Hemingway declarou certa vez que considerava o livro de Manning como o “mais belo e mais nobre” de todos os que já lera “sobre a guerra e os homens que a fizeram”. “Eu o releio a cada ano, para me lembrar de como as coisas realmente eram, para não ter nunca de mentir – a mim mesmo ou aos outros – sobre o que foi essa realidade”, disse.

Literatura Estrangeira / Não-ficção / Romance

Edições (1)

ver mais
Soldados Rasos

Similares

(5) ver mais
Ifigênia
Tempestades de aço
Nada de novo no front
Nada de novo no front

Resenhas para Soldados Rasos (3)

ver mais
Mais que um relato
on 2/8/15


Este é um livro que li de uma forma ruim. Deveria relê-lo. Esperava muito, desde a promoção da editora até a pesquisa em São Google. Mas a expectativa mata a obra. Nem tanto os comentários sobre a qualidade do texto, mas o proprio enredo. Mergulhei na leitura esperando um relato de batalhas e de muito sangue. O livro é a descrição da vida de um soldado raso, Bourne, em 1916 no nordeste da França. Proximo à metade do livro percebi que tinha outro texto à minha frente. Que correspondia ... leia mais

Estatísticas

Desejam156
Trocam1
Avaliações 4.4 / 29
5
ranking 62
62%
4
ranking 31
31%
3
ranking 3
3%
2
ranking 0
0%
1
ranking 3
3%

39%

61%

JeffersonCevada
cadastrou em:
06/04/2015 16:19:00