Ulisses de Bagdá

Ulisses de Bagdá Eric-Emmanuel Schmitt


Compartilhe


Ulisses de Bagdá





Na loteria do nascimento, Saad Saad tirou um número ruim: nasceu no Iraque durante a ditadura de Saddam Hussein. Já veio ao mundo, portanto, destinado a recomeçar: deixar para trás o caos de Bagdá rumo à Europa, à liberdade, ao futuro. Acima e além dos caprichos do nascimento, Saad quer ter o direito de ter controle sobre a própria vida. Assim, parte em uma jornada ao mesmo tempo cômica, trágica e violenta com destino à Inglaterra.

Diferentemente de seu correspondente mítico, porém, esse Ulisses moderno não tem intenção de voltar para Bagdá-Ítaca, cenário de tanto sofrimento, onde, um por um, viu os que amava morrerem — primeiro durante a ditadura de Saddam, depois durante a ocupação americana. Mas como atravessar fronteiras sem um dinar no bolso? Como, tal qual o herói da Odisseia, enfrentar tempestades, sobreviver a naufrágios, escapar de traficantes de ópio, ignorar o canto de sereias transformadas em roqueiras, fugir da monstruosidade de um guarda ciclópico e resistir ao encantamento amoroso de uma Calipso siciliana?

Narrador cativante e compassivo, Eric-Emmanuel Schmitt oferece ao leitor a saga desse emigrante clandestino que atravessa países como um apátrida, um “sub-homem” que não existe oficialmente e que ninguém vê. Ignorado por uns, explorado por outros, Saad mantém a coragem graças ao espectro de um pai amado que ele não consegue esquecer e que, com comentários filosóficos e sensatos, ajuda o filho a não se perder, guiando-o até seu destino. Nesta epopeia moderna e comovente que celebra a liberdade, Schmitt também propõe um questionamento sobre a condição humana, afinal as fronteiras são o reduto da nossa identidade ou o último bastião das nossas ilusões?

Edições (1)

ver mais
Ulisses de Bagdá

Similares

(6) ver mais
O Sumô que não podia engordar
Milarepa
Milarepa
Oscar e a Senhora Rosa

Resenhas para Ulisses de Bagdá (1)

ver mais
Ficção da ficção...
on 30/4/13


Gostei de como o livro iniciou. Ritmo bom, acontecimentos realísticos. Conforme a trama vai passando, a obra vai perdendo o fôlego. Algumas características que o autor colocou para equiparar esta obra à Odisséia são forçadas demais, não há fluidez. Além disso, fico em dúvida quando vejo um francês escrevendo sobre a vida de um árabe iraquiano. Parece-me ficção demais, já que é uma condição de vida que um europeu jamais imaginaria viver... Apesar disso, gostei de várias citações, com... leia mais

Estatísticas

Desejam6
Trocam1
Avaliações 3.1 / 7
5
ranking 29
29%
4
ranking 0
0%
3
ranking 29
29%
2
ranking 43
43%
1
ranking 0
0%

26%

74%

Adriano
cadastrou em:
04/10/2011 22:23:51