Um feminismo decolonial

Um feminismo decolonial Françoise Vergès


Compartilhe


Um feminismo decolonial





"Eu quis destacar neste livro fatos simples, concretos e tangíveis que iluminam a estrutura profundamente marcada pelo gênero, racializada e estratificada que permite à sociedade burguesa funcionar há séculos. Longe de ser um discurso feminista abstrato, esses fatos são visíveis a quem deseja vê-los. A cada dia, em cada cidade, milhares de mulheres negras, racializadas, abrem a cidade. Elas limpam os espaços que o patriarcado e o capitalismo neoliberal precisam para funcionar. Elas desempenham um trabalho perigoso, mal pago e considerado não qualificado, inalam e utilizam produtos químicos tóxicos e empurram ou transportam cargas pesadas, sendo tudo isso prejudicial a sua saúde."
Françoise Vergès

Este livro é um convite para se reconectar com o poder utópico do feminismo, com um imaginário capaz de provocar uma transformação drástica da sociedade. Francesa criada na ilha da Reunião, Françoise Vergès lança mão de uma terminologia nova para descortinar a realidade das mulheres “racializadas”, empregadas domésticas e faxineiras provenientes dos países do “Sul global”, que limpam o mundo. Ela reivindica “um feminismo decolonial”, aberto a questionamentos, análises e mudanças, mas radicalmente antirracista, anticapitalista e anti-imperialista.

À diferença do termo “descolonização”, que diz respeito aos processos históricos que sucederam o fim da relação colonial oficial, decolonial, um neologismo já consolidado no debate francês, se refere à necessidade de denunciar e tornar visível o que permanece vigente, porém negado, da estrutura colonial nas sociedades pós-coloniais. Assim, um feminismo decolonial, antipatriarcal e anticapitalista, é aquele que leva em conta as consequências da colonização nas relações atuais para repensar o feminismo por dentro, obrigando-o a entrecruzar além de questões de gênero e raça, já bem mapeadas pelo feminismo negro, a variável da desigualdade social ligada ao capitalismo.

A descrição crua e verdadeira de fatos cotidianos atinge em cheio o que Vergès chama de feminismo “civilizatório”, aquele defendido por mulheres “brancas e burguesas” europeias que tipicamente reivindicaram desde os anos 1960 direitos iguais em relação aos homens de sua própria classe, as classes média e alta privilegiada. Para a autora, o feminismo deve ser necessariamente multidimensional, incluindo em sua reflexão raça, sexualidade e classe. A leitura deste texto é uma pancada de lucidez que faz perceptíveis as evidências que nos negamos a ver da opressão normalizada que sofrem milhões de mulheres em todo o mundo.

Não-ficção / Política / Sociologia

Edições (1)

ver mais
Um feminismo decolonial

Similares

(2) ver mais
Revolution Today
A invenção das mulheres

Resenhas para Um feminismo decolonial (13)

ver mais
Por um feminismo decolonial

A história do feminismo geralmente é contata conforme a experiência das mulheres europeias de forma universal. Entretanto, esse feminismo não questiona o privilégio que dá as mulheres brancas, ele protege práticas de exploração que perpetuam por séculos em favor de seus países. Além disso, reforça histórias individuais, apesar das violências do machismo serem estruturais, inseparáveis de estruturas raciais de poder e de dominação. Esse feminismo branco, em concomitância com uma série d... leia mais

Estatísticas

Desejam70
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.5 / 97
5
ranking 69
69%
4
ranking 25
25%
3
ranking 6
6%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

9%

91%

lbarrosjr
cadastrou em:
08/04/2020 08:35:07
Jenifer
editou em:
17/06/2021 19:25:35

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR