Uma confissão póstuma

Uma confissão póstuma Marcellus Emants


Compartilhe


Uma confissão póstuma





Narrado com alucinante franqueza – até então vista apenas uma única vez na Europa, em Memórias do subsolo, de Dostoiévski –, Uma confissão póstuma (1894) é um dos pilares da literatura em língua holandesa.

O frio narrador e protagonista, Willem Termeer, já na primeira página, anuncia que matou sua esposa e, para dar vazão à sua “infeliz existência”, resolve escrever suas confissões. Revisita a covardia na escola, a rejeição do pai e da mãe, os fracassos amorosos e sociais, a decepção com a esposa, e a obsessão em ser traído – o que gerará comparações com Dom Casmurro.

Extremamente tenso, dilacerante, impiedoso, de transtornada profundidade analítica, Uma confissão póstuma cada vez mais ganha traduções – entre elas ao inglês, feita por J. M. Coetzee, cuja introdução consta nesta edição – e repercussão fora da Holanda, mantendo Marcellus Emants, ao lado de Dostoiévski, entre os grandes da Europa.

Ficção / Literatura Estrangeira / Romance

Edições (1)

ver mais
Uma confissão póstuma

Similares

(2) ver mais
Memórias do Subsolo
Dom Casmurro

Estatísticas

Desejam8
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 0 / 0
5
ranking 0
0%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

40%

60%

Jenifer
cadastrou em:
27/06/2019 19:18:17