Uma religião sem Deus

Uma religião sem Deus Jean-Marc Berthoud


Compartilhe


Uma religião sem Deus


Os direitos humanos e a palavra de Deus




No senso comum, prevalece a crença de que os chamados Direitos Humanos são um dos subprodutos da ação cristã no mundo, uma vez que esta é movida pelo amor a Deus e ao próximo, assim como pelo senso de dignidade inata ao homem, já que criado à imagem de Deus. De modo que, nas atuais circunstâncias, são praticamente inconcebíveis, mesmo no âmbito cristão, a negação ou a simples suspeita para com os ideais subjacentes tanto à Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (1789), publicada em meio à barbárie da Revolução Francesa, quanto à Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948), que veio à tona em meio aos destroços decorrentes da Segunda Guerra Mundial.

Ainda que ignoremos o fato de que a maioria dos Direitos Humanos ainda permanecem desconhecidos em grande parte do mundo hoje, e que algumas democracias liberais ocidentais violam alguns deles deliberadamente, a verdade é que, conforme a concepção de Berthoud, esses direitos partem de uma concepção antropológica falseada — uma abstração jurídica chamada Homem —, que ignora a função mesma de Direito, isto é, “a mensuração de proporções justas na partilha de bens exteriores” (Michel Villey). Portanto, não é à natureza genérica do homem que cabem direitos; antes, seres humanos individuais, quando em litígio, buscam, por meio do Direito, a justiça. É por isso que, nas palavras do autor, “a usurpação ideológica do direito pelos direitos humanos fez desaparecer, pelo direito, toda e qualquer proteção jurídica eficaz do cidadão”.

O leitor tem em mãos não apenas uma análise bíblica do pensamento antropocêntrico que embasa os direitos humanos e por isso mesmo dificulta sua aplicação, mas também um verdadeiro manifesto a favor da supremacia da lei de Deus, que é o caminho para a justiça perfeita.

Religião e Espiritualidade

Edições (1)

ver mais
Uma religião sem Deus

Similares


Resenhas para Uma religião sem Deus (0)

ver mais
on 20/4/21


O livro é específico e trata sobre a concepção antropológica falseada, que ignora a função de Direito, "a mensuração de proporções justas na partilha de bens exteriores"(Michel Villey). Berthoud expõe sua visão a cerca do conteúdo teórico e prático sobre a Declaração dos Direitos do homem e cidadão (1789) e à Declaração Universal dos Direitos Humanos(1948), e ainda faz a crítica sobre a ignorância que grande parte do mundo hoje, e também em algumas democracias liberais que violam algun... leia mais

Estatísticas

Desejam11
Trocam1
Avaliações 3.7 / 15
5
ranking 27
27%
4
ranking 60
60%
3
ranking 0
0%
2
ranking 7
7%
1
ranking 7
7%

58%

42%

Danilo Martini
cadastrou em:
25/06/2018 21:53:05