Pequenas catástrofes

Pablo Capistrano



Pequenas catástrofes





Guerra, música, misticismo, transgenia, Nietzsche, violência e substâncias psicotrópicas se misturam em uma narrativa rápida e surpreendente, que dão forma a 'Pequenas catástrofes', de Pablo Capistrano. Ariel, o narrador, leva uma vida normal até reencontrar Max Demian, seu melhor amigo dos tempos de colégio. Demian é um fotojornalista especializado em guerras. Ele acredita no ideal do homem puro, de uma raça nova e superior, discutido de formas diferentes por Hesíodo, Platão, Hitler e, agora, talvez possibilitado pela engenharia genética. Demian não sabe exatamente como surgirá essa nova raça, mas acredita que o facilitador para seu surgimento será o tetrapharmakon, uma droga híbrida capaz de provocar alteração genética, reconfigurar o DNA, produzir estranhas alterações na percepção, nos valores, na constituição física, na resistência a doenças, na capacidade de concentração e na criatividade de quem experimentá-la, produzindo poder e, talvez, telepatia e telecinesia. O tetrapharmakon fora desenvolvido pelo Projeto Zaratustra, criação de James Ramsey, um homem que dedicou sua vida à pesquisa de um método que pudesse viabilizar a utopia de Nietzsche. A missão de Demian é introduzir a droga no Brasil. Ariel narra como fora fisgado pelos enigmas filosóficos do tetrapharmakon, que fizeram com que ele aceitasse acompanhar Demian à Europa e se deixasse iniciar no estranho ritual do Projeto Zaratustra, depois do qual ele nunca mais conseguiria diferenciar realidade e alucinação.

Edições (2)

ver mais
Pequenas catástrofes
Pequenas catástrofes

Similares


Resenhas para Pequenas catástrofes (1)

ver mais
on 22/10/09


Surpreendente.... leia mais

Estatísticas para Pequenas catástrofes

Desejam1
Trocam1
Avaliações 3.7 / 22
5
ranking 14
14%
4
ranking 59
59%
3
ranking 9
9%
2
ranking 18
18%
1
ranking 0
0%

44%

56%

Dri Menezes
cadastrou em:
22/10/2009 21:52:46


logo skoob
"Se você não achar um livro lá, você pode cadastrá-lo. Isso é um diferencial, porque o acervo se torna ilimitado"

Gazeta do Povo