1876

1876 Gore Vidal


Compartilhe


1876





"1876" de Gore Vidal '-' A corrupção política é um fato da vida. Desde a antiguidade até os dias atuais ela já deu muito pano para manga. Nos Estados Unidos, quando se fala em corrupção logo nos lembramos do caso Watergate. No entanto, cem anos antes, a venda de votos de parlamentares e os descalabros governamentais já surpreendiam os americanos. Esse é o tema do romance 1876, do escritor Gore Vidal. O livro é o terceiro volume da trilogia histórica iniciada por "Burr' e "Lincoln" em que Vidal consegue combinar de forma brilhante o talento de romancista com a análise crítica da política americana.

"1876" explora os escândalos da administração do presidente Grant e ambiente tumultuado que marcou a eleição presidencial americana no ano do centenário da sua independência. Nele, Vidal retorna ao jornalista Charlie Schermerhorn Schulyer, personagem do livro Burr. Schulyer chega a Nova York, após 35 anos na Europa, para cobrir os eventos e aproveita para tentar restaurar sua posses e arranjar um bom casamento para sua filha Emma. Com muita ambição e charme, Charlie e sua filha penetram no centro do poder político e social no momento em que os ideais da jovem república começam a arrefecer e a idéia de um império vêm à tona.

Schulyer recebe a missão de manchar o governo de Grant e assim garantir a ascensão de seu aliado político, o Governador Tilden. Em troca, Tilden promoveria o retorno de Schulyer à Europa na condição de ministro em Paris. A primeira vista nada poderia ser mais fácil. Eles só não contavam com o preço do voto de cada parlamentar.

1876 atingiu o topo da lista de best-sellers do New York Times em 1977.

Aventura / Drama / Ficção / História / Literatura Estrangeira / Política / Romance / Suspense e Mistério

Edições (3)

ver mais
1876
1876
1876

Similares

(12) ver mais
Lincoln
A ERA DOURADA
Império
Burr

Resenhas para 1876 (2)

ver mais
on 12/12/10


A obra apresenta um panorama da sociedade norte-americana ao final do século XIX, apresentando-se de forma clara o contraste entre uma elite ridiculamente opulenta e gananciosa e uma massa de excluídos, em meio a uma corrupção extremamente disseminada (em relação a isso, pode-se mencionar, exemplificativamente, a designação atribuída pelo narrador aos lobistas, a de “patrões” dos congressistas). Apesar do narrador, Schuyler, ser ligado a essa elite e pretender, mediante o apoio ao ca... leia mais

Estatísticas

Desejam2
Trocam2
Avaliações 3.7 / 12
5
ranking 17
17%
4
ranking 42
42%
3
ranking 33
33%
2
ranking 8
8%
1
ranking 0
0%

63%

37%

Vivi
cadastrou em:
29/08/2009 12:56:44
orffeus
editou em:
22/03/2020 13:44:35