A Intrusa

A Intrusa Júlia Lopes de Almeida


Compartilhe


A Intrusa





Um clássico nacional à moda europeia! A história de uma jovem governanta chamada Alice Galba.
O século XIX caminhava para o fim, o Rio de Janeiro vivia o auge da cultura cosmopolita, a Belle Époque, marcada por profundas transformações culturais que se traduziam em novos modos de pensar e de viver o cotidiano. Em meio à aristocracia carioca, um rico advogado – viúvo, mas ainda jovem e atraente – era perseguido por mães casamenteiras que desejavam ter um genro abastado e influente. Porém, ele se esquivava resoluto, pois prometera à esposa, no leito de morte, manter sua viuvez. O casamento com a filha de um barão resultou em um fruto: uma garotinha mimada e sem modos, criada pelos avós maternos, cuja avó baronesa fazia-lhe todas as vontades. Infeliz pela má educação da menina, ludibriado por um escravo que usava as suas roupas, fumava os seus charutos, bebia fartamente da adega e ainda inflacionava as contas da casa, ele decide contratar uma governanta. Desconsiderando todas as críticas feitas pelos amigos e pela sogra ciumenta, ele pede ajuda ao padre Assunção, seu amigo de infância, e publica um anúncio num jornal à procura de uma governanta. Atendendo ao anúncio, aparece Alice Galba, que aceita a estranha condição: que o patrão jamais a visse. Quando ele entrava pelo portão, ela se escondia. Dela ele apenas sentia o perfume e sua boa influência no lar e na educação da filha. Suas roupas agora estavam impecáveis, a mesa sempre bem posta e arranjada com esmero, a comida saborosa e os móveis reformados, de forma que começou a desejar ardentemente voltar para sua (agora agradável) moradia. Vez ou outra encontrava um livro aberto, esquecido sobre uma poltrona e, com o passar dos meses, passou a notar a doce presença da alma da moça pelos cômodos do casarão. Alma cujo rosto ele já ansiava ver!

Romance / Literatura Brasileira

Edições (4)

ver mais
A Intrusa
A intrusa
A Intrusa
A Intrusa

Similares

(4) ver mais
A Sucessora
Ânsia eterna
A Intrusa
Amor e Orgulho

Resenhas para A Intrusa (29)

ver mais
"Na vida, como nos folhetins, os romances fazem-se por si"
on 6/5/20


Júlia Lopes de Almeida foi vítima de uma injustiça histórica cometida pela Academia Brasileira de Letras. Apesar de ter colaborado para fundação da ABL, ela não pôde figurar entre os imortais pelo simples fato de ser mulher. Assim, a cadeira de número 3, que deveria pertencer à Júlia, foi concedida ao seu marido Filinto de Almeida. O seu romance A Intrusa foi publicado em formato de folhetim no Jornal do Comércio e a primeira edição do livro lançada em 1908. Na história, que se pas... leia mais

Estatísticas

Desejam81
Trocam3
Avaliações 4.0 / 173
5
ranking 35
35%
4
ranking 39
39%
3
ranking 22
22%
2
ranking 3
3%
1
ranking 1
1%

11%

89%

Aninha
cadastrou em:
29/04/2016 12:35:36