A outra filha

A outra filha Annie Ernaux


Compartilhe


A outra filha





No final da primeira década dos anos 2000, Annie Ernaux recebeu um convite para participar da coleção francesa Les Affranchis, que pede a escritores que façam a carta que nunca foi escrita. É este chamado do presente que a ajudará a abordar um trauma da infância e dará à luz este, que talvez seja seu livro em diálogo mais direto com a psicanálise.

Aos dez anos, no verão de 1950, Ernaux escuta uma conversa da mãe com uma cliente e descobre que antes dela, seus pais tiveram outra filha, morta aos seis anos de difteria. A mãe relata à confidente que nunca contaram nada a Annie para não entristecê-la e emenda: “ela era mais boazinha do que aquela ali”.

A irmã mais velha jamais voltou a ser mencionada, exceto quando tias ou amigos deixavam escapar alguma lembrança. Desde aquele dia na infância, Ernaux também oculta seu conhecimento: “Tenho a impressão de que o silêncio nos convinha, a eles e a mim”. Mas as palavras de sua mãe calaram fundo na criança, e mais tarde na mulher, cuja obra é marcada pelo pensamento crítico e pela renúncia de uma moralidade limitadora de sua liberdade.

É então nesta pseudocarta endereçada à irmã — à menina boazinha e espécie de santa — que a autora destrincha suas memórias e os significados que essa ausência sempre presente teve em sua vida, sua identidade e sua relação com os pais. Ernaux escreve frases breves e cortantes para lidar com a sombra de alguém que nunca conheceu e com a dor da comparação implícita. “Você é a própria impossibilidade do erro e do castigo”, diz à irmã. E vai além, conectando a morte dela com o próprio princípio de sua existência: “eu vim ao mundo porque você morreu e eu te substituí”.

Em seu esforço para dar contornos a um fato impreciso de sua história, Ernaux hesita entre interpretar a morte da irmã como a gênese de seu destino de escritora ou como um mero dado biográfico. Sem resolver essa ambivalência, ela testa os limites da linguagem e, como de costume, reflete a respeito da própria escrita: “Você está fora da linguagem dos sentimentos e das emoções. Você é a antilinguagem.”

Num jogo de espelhos, A outra filha evoca duplos como pulsões de morte e vida, sonho e realidade, revelações e tabus. Entretanto, a própria autora adverte que as matérias do inconsciente também têm a ver com a História e rejeita interpretações que não tenham em conta seu contexto. Para a vencedora do Nobel, atrelar memória, história privada e social é o único modo de escrever a vida.

Biografia, Autobiografia, Memórias / Literatura Estrangeira

Edições (2)

ver mais
A outra filha
L

Similares

(9) ver mais
O Lugar
El acontecimiento
Os anos
A vergonha

Resenhas para A outra filha (59)

ver mais
Impactante do começo ao fim
on 13/10/23


Quarto livro da autora que leio, sem dúvidas o melhor até aqui. O estilo dela, que costuma impressionar pela crueza e sinceridade, aqui chega a causar espanto. Ao falar da irmã morta, Annie consegue evocar todo o silêncio, a estranheza e o assombro que caracterizam sua ausência. Prende o leitor o tempo inteiro, uma incômoda hipnose como eu nunca antes tinha visto - realmente uma escritora especial. A cada livro seu que leio, mais me sinto próximo dela. Temos um pensamento muito pareci... leia mais

Estatísticas

Desejam47
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 4.2 / 394
5
ranking 50
50%
4
ranking 38
38%
3
ranking 11
11%
2
ranking 1
1%
1
ranking 0
0%

15%

85%

Jenifer
cadastrou em:
03/08/2023 21:28:28
Jenifer
editou em:
05/08/2023 17:21:02

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR