Zuenir Ventura




Editar

Zuenir Ventura


Zuenir Carlos Ventura


4.7
55 avaliações

Gêneros | Nascimento: 01/06/1931 | Local: Brasil - Minas Gerais - Paraíba
Zuenir Carlos Ventura, filho de Antônio José Ventura e Herina de Araújo, nasceu em 1º de junho de 1931, em Além Paraíba (MG); quando adolescente trabalhou como contínuo no Banco Barra do Piraí, faxineiro do Bar Eldorado, balconista da Camisaria Friburgo, entre outros.

Em 1954 mudou-se para o Rio de Janeiro e entrou para a Faculdade Nacional de Filosofia, atual UFRJ, formando-se em 1958 em Letras Neolatinas.

No ano de 1955 exerceu o cargo de assistente do filólogo Celso Cunha na disciplina de Língua Portuguesa, na Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Em 1956 tornou-se redator de “A História em Notícia”, obra paradidática dirigida por Amaral Netto, que abordava os fatos históricos em linguagem jornalística.

No ano de 1957, indicado por um professor da faculdade, consegue uma vaga de arquivista na “Tribuna da Imprensa”.

Em 1959 ganha uma bolsa de estudos do governo francês para estudar no Centro de Formação de Jornalistas, em Paris e conjuntamente com os estudos trabalha como correspondente da “Tribuna”, fazendo coberturas históricas, como a passagem de Jango por Paris antes de se tornar Presidente e o encontro de cúpula entre Kennedy e Kruschev, em Viena.

Ao retornar ao Brasil conhece Mary Akiersztein, na redação da “Tribuna”, casa-se com ela e passa a trabalhar como editor internacional no “Correio da Manhã”, além de dar aula de Comunicação Verbal na Escola Superior de Desenho Industrial da qual é um dos criadores.

No ano de 1964 Mary, grávida e acompanhada pelo marido vai cobrir o Festival de Cannes, enviada pelo “JB”, viagem oportuna, uma vez que ambos estavam sendo procurados pela polícia como “subversivos”.

Em Cannes conhecem Glauber Rocha e nasce uma grande amizade. Quando retornam ao Brasil nasce Elisa, sua filha.

Em 1965 assume o cargo de chefe de reportagem da revista “O Cruzeiro”; em 1967 torna-se chefe da filial Rio da Revista “Visão”.

No ano de 1968 é preso e passa três meses em uma cela com pessoas influentes como Hélio Pellegrino, Ziraldo, Gerardo Mello Mourão e Osvaldo Peralva. Sua mulher e seu irmão também são presos no mesmo dia, porém por menos tempo.

Zuenir só sai da prisão devido a influência de Helio Pellegrini que impõe como condição para sua própria liberação a soltura do jornalista, que ocorreu em março de 1969. No mesmo ano lança para a Editora Abril uma sucessão de 12 reportagens intituladas “Os anos 60 – A década que mudou tudo” que mais tarde se transformou em um livro.

Em 1975 atua como colaborador no roteiro do documentário “Que país é esse?” de Leon Hirzsman; em 1977 assume o cargo de chefe da sucursal da Revista Veja, época em que se junta a dois outros jornalistas para investigar a morte de Cláudia Lessin Rodrigues, matéria que lhes confere o Prêmio Esso; em 1980 entrevista para a “Veja” o poeta Carlos

Drummond de Andrade, após um longo tempo de silêncio deste; Em 1981 assume o cargo de diretor da filial Rio de Janeiro da “Revista Isto É”.

Em 1968 se afasta por dez meses do jornal para escrever seu famoso livro: “1968 – O ano que não terminou”, best-seller que se torna mais tarde inspiração para a minissérie da Rede Globo, “Anos Rebeldes”.

Em 1989, como repórter especial do JB, vai para o Acre onde fica por mais de um mês investigando o crime do seringueiro Chico Mendes ocorrido em dezembro de 1988, quando retorna edita uma série de reportagens que lhe confere dois prêmios: o Esso de Jornalismo e o Wladimir Herzog de direitos humanos.

Em 1983 após as chacinas da Candelária e do Vigário Geral colabora para a criação do Viva Rio, uma organização não governamental dedicada a projetos sociais e campanhas anti-violência; em 1984, após nove meses freqüentando a favela de Vigário Geral, edita um livro contando sua experiência, “Cidade partida, um retrato das causas da violência no Rio” ganhando o Prêmio Jabuti de Reportagem.

Em 1988 é surpreendido com um câncer em fase inicial na bexiga, resolve então publicar o livro “Inveja – Mal secreto” no qual conta a sua luta e vitória contra a doença, entre outras coisas.

Em 2003, depois de 13 anos volta para o Acre para escrever a última parte de “Chico Mendes – Crime e castigo”, lançado pela Companhia das Letras.


Livros publicados por Zuenir Ventura (15) ver mais
    Sagrada Família
    Conversa sobre o tempo
    Granta em português #05
    1968: O Ano que Não Terminou
    1968: O Que Fizemos de Nós
    Oito ou nove ensaios sobre o Grupo Corpo


Estatísticas
Seguidores90
Leitores8.960
Avaliações 4.7 / 55
5
ranking 80
80%
4
ranking 14
14%
3
ranking 6
6%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

33%

67%

Lilia Carvalho
cadastrou em:
21/06/2010 18:29:21