Desonra

Desonra J. M. Coetzee


Compartilhe


Desonra





Aos 52 anos, divorciado duas vezes, o professor David Lurie é um homem solitário, conformado, erudito e irônico. Não se incomoda com o desinteresse dos alunos por suas aulas de poesia. Cogita escrever uma ópera sobre Lord Byron, mas sempre adia o projeto. Acredita ter "resolvido muito bem o problema de sexo": nas tardes de quinta-feira, visita uma prostituta com idade para ser sua filha, paga o devido e tem direito ao oásis de uma hora e meia num cotidiano de aridez existencial.

Sua vida, racionalizada de maneira burocrática, soçobra quando a prostituta o dispensa e, mesmo sabendo que é um erro, Lurie tem um caso com uma de suas jovens alunas. Acusado de abuso, e desprezando os códigos politicamente corretos do ambiente universitário, Lurie cai em desgraça. Torna-se um réprobo e se refugia na fazenda da sua filha, a única pessoa com a qual tem um vínculo afetivo. Toma então contato com a realidade da África do Sul pós-apartheid, país onde é "um risco possuir coisas: um carro, um par de sapatos, um maço de cigarros".

É uma realidade brutal, feita de vingança, banditismo, submissão. Brutalidade contra a qual a cultura ocidental é inútil: "Ele fala italiano, fala francês, mas italiano e francês de nada lhe valem na África negra", diz o narrador quando três negros tentam queimar Lurie vivo.

J.M. Coetzee constrói em Desonra personagens de carne e osso e, por meio deles, tece relações entre classes, entre homens e mulheres, entre pais e filhos, negros e brancos, entre seres humanos e animais, entre uma longa história de exploração e um presente de ressentimento explosivo.

Escrito com fluidez exemplar, o romance enfrenta problemas intratáveis da atualidade de um país subdesenvolvido. Situado na terra de ninguém onde se misturam civilização e barbárie - região bem conhecida pelo leitor brasileiro - Desonra é uma resposta artística profunda à ferocidade avassaladora da realidade.

Línguas Estrangeiras

Edições (5)

ver mais
Desonra
Desonra
Desonra
Desonra

Similares

(30) ver mais
O Mistério de Edwin Drood
Em Busca do Tempo Perdido
O seminarista
O caminho estreito para os confins do norte

Resenhas para Desonra (117)

ver mais
J.M. Coetzee - Desonra

Editora Companhia das Letras - 246 páginas - Publicação 2007 - Tradução de José Rubens Siqueira. John Maxwell Coetzee é um dos mais conceituados autores contemporâneos em língua inglesa, nascido em 1940 na África do Sul e ganhador do Nobel de literatura de 2003, único escritor a ser premiado por duas vezes com o Booker Prize, primeiramente em 1984 com "Vida e Época de Michael K" e depois em 1999 com "Desonra", ambos os romances retratando a dura realidade social na África do Sul pós-a... leia mais

Vídeos Desonra (11)

ver mais
AS MANIFESTAÇÕES DA LÍNGUA INGLESA NA OBRA DESONRA, DE COETZEE | MUNDOS IMPRESSOS

AS MANIFESTAÇÕES DA LÍNGUA INGLESA NA OBRA DE

Desonra - J. M. Coetzee

Desonra - J. M. Coetzee

Desonra - Coetzee

Desonra - Coetzee


Estatísticas

Desejam551
Trocam8
Avaliações 4.2 / 2.001
5
ranking 46
46%
4
ranking 37
37%
3
ranking 14
14%
2
ranking 2
2%
1
ranking 1
1%

36%

64%

Dali
editou em:
17/02/2019 19:57:14