Diaruí

Diaruí Antônio Cândido da Silva


Compartilhe


Diaruí





O autor nos leva as corredeiras e cachoeiras do rio Madeira, no trecho que vai de Santo Antônio até Guajará-Mirim, fronteira com a Bolívia, para nos contar a história de Diaruí.
Discorre sobre o povo Karipuna que por causa de brigas entre as tribos, no início do século XIX, saíram da bacia do rio Tapajós em direção ao oeste, para habitar a bacia do rio Jaci Paraná. Nos leva ao contato desse povo com o homem branco no final do século XIX, que fizera com que eles se deslocassem no início do século seguinte, para as cabeceiras do rio Mutum Paraná.
Desses contatos, o mais importante foi quando, da construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré que trouxe no seu rastro, de maneira definitiva, a acelerada exploração dos seringais e a decadência desse povo, uma vez que o trajeto da construção atravessava, principalmente, os domínios das tribos Karipuna.
Nesse cenário, acontece a história de Diaruí, encontrado pelos engenheiros da construção da ferrovia, com a perna direita necrosada, abandonado no “caminho do progresso”.
Amor e ódio aparecem em determinados momentos com redobrado vigor, e a vingança é o ingrediente que dá vida a essa narrativa, onde a sede de riqueza faz as pessoas passarem, sem escrúpulos, sobre o sofrimento dos oprimidos cujos gritos de socorro são abafados pela pujança da floresta Amazônica.

Edições (1)

ver mais
Diaruí

Similares


Estatísticas

Desejam2
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 5.0 / 3
5
ranking 100
100%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

46%

54%

editoraschoba
cadastrou em:
02/02/2011 14:24:10