Cada homem é uma raça

Cada homem é uma raça Mia Couto


Compartilhe


Cada homem é uma raça





Mia Couto é um escritor sobretudo generoso. Neste livro que reúne onze contos, publicado originalmente em 1990, ele prova isso mais uma vez. Os indivíduos são sempre objeto de fascínio e a descrição de suas vidas jamais traz qualquer julgamento. Com sua escrita poética inconfundível, que resulta num português com a melodia das línguas africanas, ele apresenta um rico universo de vivências de figuras moçambicanas. Se no conto “A Rosa Caramela” acompanhamos os dissabores de uma mulher corcunda que enlouqueceu depois de ter sido abandonada ao pé do altar, em “A princesa russa” a situação é de uma estrangeira que se vê num país desconhecido e com um marido hostil, e se alia a um de seus empregados nativos para sobreviver. “A lenda da noiva e do forasteiro” e “O embondeiro que sonhava pássaros” são exemplos dos contos mágicos e exuberantes de Mia, ao passo que “O apocalipse privado do tio Geguê” e “Os mastros de Paralém” têm um cunho político mais claro.

Contos

Edições (6)

ver mais
Cada Homem É Uma Raça
Cada homem é uma raça
Cada homem é uma raça
Cada homem é uma raça

Similares

(25) ver mais
islandeses
Antes de nascer o mundo
O Fio das Missangas
Um Rio Chamado Tempo, Uma Casa Chamada Terra

Resenhas para Cada homem é uma raça (10)

ver mais
comunicar coisas novas
on 28/3/14


Este é um dos primeiros livros do Mia, gostei demais do conto O embrodeiro que criava pássaros (embrodeiro é uma árvore) e do conto da viúva que troca a lápide do túmulo do marido parz que a amante chore no túmulo errado! .... Entre 'parentes aparentes', homem sobremisso, servindo'-se dos sossegos da vida e iluminando-se de enquantos, neste livro já se revela o talento desse africano maravilhoso que, no dizer de Saramago 'está a criar um português sutilmente diferente, capaz de com... leia mais

Estatísticas

Desejam112
Trocam1
Avaliações 4.2 / 258
5
ranking 42
42%
4
ranking 38
38%
3
ranking 18
18%
2
ranking 2
2%
1
ranking 0
0%

28%

72%