Macunaíma

Macunaíma Mário de Andrade




Macunaíma


O herói sem nenhum caráter




A personagem-título, um herói sem nenhum caráter (anti-herói), é um índio que representa o povo brasileiro, mostrando a atração pela cidade grande de São Paulo e pela máquina. A frase característica da personagem é "Ai, que preguiça!". Como na língua indígena o som "aique" significa "preguiça", Macunaíma seria duplamente preguiçoso. A parte inicial da obra assim o caracteriza: "No fundo do mato-virgem nasceu Macunaíma, herói de nossa gente. Era preto retinto e filho do medo da noite."

A obra é considerada um indianismo moderno e é escrita sob a ótica cômica. Critica o Romantismo, utiliza os mitos indígenas, as lendas, provérbios do povo brasileiro e registra alguns aspectos do folclore do país até então pouco conhecidos (rapsódia). O livro possui estrutura inovadora, não seguindo uma ordem cronológica (i.e. atemporal) e espacial. É uma obra surrealista, onde se encontram aspectos ilógicos, fantasiosos e lendas. Adota como protagonista uma personagem fantasiosa e complexa, na qual se misturam os mais diversos traços de nossa formação cultural. A confluência racial em Macunaíma se evidencia desde o primeiro capítulo e é o próprio Rei Nagô, figura africana quem avisa que o herói é muito inteligente. Com uma critica maior à linguagem culta já vista no Brasil.

Não deixe de ler esta grande obra onde realidade e fantasia se misturam formando uma composição única.

Ficção / Romance / Literatura Brasileira

Edições (31)

ver mais
Macunaíma
Macunaíma
Macunaíma
Macunaíma

Similares

(25) ver mais
Meu Tio Atahualpa
A Rosa do Povo
Triste fim de Policarpo Quaresma
O Guarani

Resenhas para Macunaíma (92)

ver mais
Macunaíma (Mário de Andrade)
on 24/1/10


Quando li Macunaíma pela primeira vez, acho que estava nas mesmas condições de temperatura e pressão (hehe) que muita gente que leu Macunaíma pela primeira (e única) vez. Estudante perto do vestibular, com literatura brasileira enfiada goela abaixo e portanto um leve preconceito sobre algo que não me permitiam conhecer sozinha, no meu tempo. Conclusão? Achei um saco. Só parei de torcer o nariz para o nome de Mario de Andrade depois de conhecer a brilhante coletânea de crônicas chamada ... leia mais

Vídeos Macunaíma (3)

ver mais
Resenha - Macunaíma

Resenha - Macunaíma

Macunaíma - Mario de Andrade

Macunaíma - Mario de Andrade

Macunaíma (1969)

Macunaíma (1969)


Estatísticas

Desejam449
Trocam116
Avaliações 3.3 / 5.557
5
ranking 23
23%
4
ranking 24
24%
3
ranking 28
28%
2
ranking 15
15%
1
ranking 10
10%

32%

68%

Rafael
cadastrou em:
06/01/2009 22:30:40
Cris (Stella)
editou em:
02/06/2015 16:19:37