Simuum

Simuum André S. Silva


Compartilhe


Simuum


O Rapto do Sol




"SIMUUM - O Conto do Sol" retorna nesta segunda edição com novo título, nova capa e texto completamente revisado.

Esta odisséia de amor e aventura ocorre em Zhaya, uma terra assombrada pelo legado de uma guerra que dividiu os homens, muitas gerações atrás.

De tempos em tempos, Nokembe, o Feiticeiro, último sobrevivente desta Era, surge com seu rosto nas nuvens sobre uma das cidades de Zhaya e ali escolhe uma jovem para lhe servir de tributo. Um sacrifício de medo e sangue em troca de paz para todos os povos.

Muito tempo se passou desde a última vez que Nokembe pousou no pequeno vilarejo de Badangwa para cobrar seu preço. Okan e Maferi, hoje noivos, eram apenas crianças travessas. Tudo parecia estar em paz, quando vozes na tempestade avisam que o Feiticeiro está voltando - e está sedento pela vida de Maferi.

Porém, desta vez há um que decide enfrentá-lo.

Quando seu amor por Maferi leva Okan a desafiar o poder de Nokembe, a ira do Feiticeiro é despertada, desencadeando uma força que ameaçará não só a vida do casal, mas de toda Zhaya. Pois naquela noite, Nokembe aprisiona o Sol em seus domínios no oeste, condenando o mundo a uma existência sob luz ou trevas eternas, paralisando assim o próprio tempo com seu veneno.

Acreditando ser o único capaz de destruir o Feiticeiro, Okan viaja do leste para o oeste, da noite profunda a manhã radiante, cruzando savanas, desertos, e cidades perdidas. Nesta jornada, onde quase nada é o que aparenta ser, muitos perigos o aguardam até que Okan alcance o refúgio de Nokembe, confrontando-o em um final explosivo – e surpreendente.

Romance / Fábula / Fantasia

Edições (1)

ver mais
Simuum

Similares


Resenhas para Simuum (3)

ver mais
Uma aventura fantástica original e eletrizante!
on 8/4/15


Toda a terra de Zhaya era há anos e anos atormentada por uma terrível ameaça: o feiticeiro Nokembe, que desde os tempos remotos se alimenta do medo dos habitantes de seus domínios. Para que os povos possam viver em paz ele faz uma barganha nem um pouco altruísta: que uma das jovens das aldeias seja entregue a ele numa espécie de sacrifício, a cada vez que ele aparecesse e entoasse seu nome. Obviamente, os povos ficavam desolados com a perda de garotas tão amadas, o que apenas contribuí... leia mais

Estatísticas

Desejam5
Trocam
Informações não disponíveis
Avaliações 5.0 / 5
5
ranking 100
100%
4
ranking 0
0%
3
ranking 0
0%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

30%

70%

andressilva
cadastrou em:
04/03/2013 23:22:11
andressilva
editou em:
21/01/2015 09:41:28