Hiroshima

Hiroshima John Hersey


Compartilhe


Hiroshima (Jornalismo Literário)





A reportagem clássica sobre a bomba atômica que devastou a cidade de Hiroshima em 1945: um retrato de seis sobreviventes escrito um ano depois da explosão. Quarenta anos mais tarde, o autor reencontrou os entrevistados e completou o trabalho. Hiroshima permitiu que o mundo tomasse consciência do catastrófico poder de destruição das armas nucleares.

A bomba atômica matou 100 mil pessoas na cidade japonesa de Hiroshima, em agosto de 1945. Naquele dia, depois de um clarão silencioso, uma torre de poeira e fragmentos de fissão se ergueu no céu de Hiroshima, deixando cair gotas imensas - do tamanho de bolas de gude - da pavorosa mistura.

Um ano depois, a reportagem de John Hersey reconstituía o dia da explosão a partir do depoimento de seis sobreviventes. O texto tomava a edição inteira da revista The New Yorker, uma das mais importantes publicações semanais dos Estados Unidos. O trabalho do repórter alcançou uma repercussão extraordinária. Sua investigação aliava o rigor da informação jornalística à qualidade de um texto literário. Nascia ali um gênero de jornalismo que estabelecia novos parâmetros para a maneira de relatar os fatos. A narrativa de Hersey dava rosto à catástrofe da bomba: o horror tinha nome, idade e sexo. Ao optar por um texto simples, sem enfatizar emoções, o autor deixou fluir o relato oral de quem realmente viveu a história.

Quarenta anos mais tarde, Hersey voltou a Hiroshima e escreveu o último capítulo da história dos hibakushas - as pessoas atingidas pelos efeitos da bomba. Hiroshima permitiu que o mundo avaliasse o inacreditável poder destrutivo das armas nucleares e a terrível implicação do seu uso.

História / História Geral / Não-ficção

Edições (5)

ver mais
Hiroshima
Hiroshima
Hiroshima
Hiroshima

Similares

(12) ver mais
A Vida Secreta da Guerra
Nada a invejar
Todos os Homens do Presidente
Vozes de Tchernóbil

Resenhas para Hiroshima (58)

ver mais
Hiroshima - resenha original do Caótico (www.caotico.com.br)
on 17/2/10


Chorei várias vezes enquanto lia Hiroshima. E olha, que naqueles primeiros anos do século XXI, eu ainda tentava posar de racional e nem era tão chorão quanto sou hoje. A soma de todos os Globo Repórter, das reportagens especiais nas datas redondas da explosão atômica e dos documentários da TV a cabo não dá nem a metade da qualidade narrativa, emoção e sensibilidade do texto de John Hersey. A primeira parte do livro foi publicada originalmente como reportagem na edição especial da revi... leia mais

Estatísticas

Desejam468
Trocam3
Avaliações 4.5 / 1.296
5
ranking 62
62%
4
ranking 30
30%
3
ranking 8
8%
2
ranking 0
0%
1
ranking 0
0%

29%

71%

Helena
cadastrou em:
08/01/2009 12:04:26
Alê | @alexandrejjr
editou em:
21/06/2021 00:52:51

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR