Na dobra do dia

Na dobra do dia Marcelo Moutinho


Compartilhe


Na dobra do dia





Uma janela na Praça Tiradentes, as reminiscências trazidas pelo casario do subúrbio, o anônimo que maneja uma pipa invisível, todos os dias, na esquina da Rua Mem de Sá. O Rio de Janeiro é cenário primordial para Na dobra do dia, primeiro livro de crônicas de Marcelo Moutinho, autor cuja delicadeza e zelo com a palavra desenham um estilo próprio, já evidente em três elogiados volumes de contos.

Ao adotar o universo carioca como ponto de partida para sua lente de cronista, retoma um traço um tanto esquecido nos relatos atuais do gênero. Fazendo jus à tradição de João do Rio e Paulo Mendes Campos, Machado de Assis e Rubem Braga, Moutinho persegue as miudezas, as marcas ao rés do chão, a matéria ordinária dos dias — não apenas banal, mas traiçoeira. Cria relatos de lirismo ligeiro e de assombro, mas também registros atentos de costumes e personagens, fissuras na ordem do mundo, ironias ocultas no vaivém de encontros e desencontros, diapasões do cotidiano.

Não à toa, Na dobra do dia é dividido em duas partes — “Pequenos amores da armadilha terrestre” e “As ruas pensam”, frases retiradas de Paulo Mendes Campos e João do Rio, respectivamente. Quando não são as pulsações das ruas, é o espaço doméstico, com suas ciladas, que invade os textos. Os mistérios da casa vazia, o amor desmantelado, a nostalgia no chiado de um long-play. Ecos da memória — a algaravia dos carnavais da infância, a traição na escolha do time de futebol. Às vezes, as crônicas trazem também notícias de alhures. Como a chuva que cai sobre o México, invisível e desconcertante, pondo “um enfeite qualquer na tristeza”. Ou as semelhanças entre quem foi menino durante a ditadura militar, no Brasil e em outros países da América Latina.

Como no texto que dá título ao livro, Moutinho investe no espaço fugidio, na “hora imprecisa”, no instante em que “a cidade é borda”. Traço inequívoco de sua literatura, a melancolia dá o tom dos relatos. Mas também um humor fino e surpreendente, forjado na descontração dos bares e na perspicácia dos sambas antigos, a nos lembrar que chope de verdade é com colarinho e que, sim, há botequins que encerram um universo inteiro. São páginas onde a leveza é só disfarce, a revelar: é nas cenas inusitadas, fiapos quase invisíveis na trama da cidade, que pulsa a matéria densa da literatura.

Crônicas

Edições (1)

ver mais
Na dobra do dia

Similares


Resenhas para Na dobra do dia (1)

ver mais
on 8/8/16


As saudades de Marcelo Moutinho são também as minhas saudades. Basta revelar isto para que o leitor perceba o quanto estou encantada com a leitura de Na dobra do dia (Rocco, 232 páginas). Este livro de crônicas é um relicário de lembranças preciosas demais para que permaneçam apenas na cabeça. O leitor é o depositário de recordações da meninice, da adolescência e do homem que escreve. Desdobrando segredos, o autor confidencia sentimentos. Madureira, bairro da infância, está presente... leia mais

Estatísticas

Desejam2
Trocam1
Avaliações 3.7 / 10
5
ranking 30
30%
4
ranking 20
20%
3
ranking 40
40%
2
ranking 10
10%
1
ranking 0
0%

56%

44%

Manuella
cadastrou em:
06/04/2015 08:56:39