Steampunk

Steampunk Antonio Luiz M. C. Costa...




Steampunk


Histórias de um passado extraordinário




O movimento Steampunk nasceu entre as décadas de 1980 e 1990, nos EUA. A proposta é ambientar os grandes avanços tecnológicos e a degradação humana na Era Vitoriana (século XIX). A Revolução Industrial, as crises internacionais, o desenvolvimento de tecnologias como o vapor (steam em inglês) abriram possibilidades para a utilização de personagens reais e fictícios para recriar a História como obra de ficção.



Sobre a Obra:



Explicar o movimento literário Steampunk não é uma tarefa simples. Eu poderia dizer simplesmente que ele nasceu no final da década de 80, início da década de 90, nos Estados Unidos, que é subgênero do CyberPunk e que também se enquadra no subgênero literário conhecido como História Alternativa.

Isso, contudo, não ajuda muito. O que, afinal de contas, vem a ser o Cyberpunk?

Uma antítese das visões utópicas da Ficção Científica de meados do século XX, nas quais futuro é igual a evolução sócio-cultural. O Cyberpunk é um subgênero da ficção que trabalha a idéia de que, se nossa sociedade seguir seu curso atual, o futuro próximo será um lugar onde o capitalismo predatório impera ao lado alta tecnologia e o nível de vida geral é péssimo. Daí o nome cyber, da tecnologia avançada, do ciberespaço, onde muitas das estórias se ambientam, e punk, da visão negativa em relação ao desenvolvimento social, da degradação do indivíduo.

A idéia do Steampunk, portanto, foi pegar esse conceito de domínio tecnológico e degradação social e ambientar as estórias na Era Vitoriana (basicamente no século XIX), quando, com a Revolução Industrial, as crises internacionais e o desenvolvimento de tecnologias como o vapor, steam em inglês, o motor a explosão, a corrida pelo domínio dos céus e os primeiros passos no campo da eletricidade, abriu-se uma gama de possibilidades para trabalhar personagens reais e literários e retrabalhar a História, criando algo nunca visto.

Juntando esses elementos, temos o Steampunk.



Gianpaolo Celli, organizador







Orelhas da Obra:

O trabalho de organizar uma obra como essa é muito árduo. Sei o quanto Gianpaolo Celli recebeu de material, tendo que abrir mão de bons contos em favor da uniformidade da obra e do conjunto final. Como o Steampunk é um gênero narrativo muito bem definido, é difícil conseguir variações que ainda assim mantenham a linha necessária para agradar tanto aos leigos como aos puristas.

Gianpaolo Celli trouxe uma história clássica, com referências históricas reais misturadas com ação e intrigas, envolvendo sociedades secretas e o prelúdio do que se tornou a guerra Franco-Prussiana. Fábio Fernandes apresentou uma adaptação primorosa do complexo de Frankenstein, com uma visão fascinante de um futuro onde a sociedade divide seu espaço com a maquinidade. Antônio Luiz rompe as amarras do metal, trabalhando avanços em outra área de estudo, com ambições até mesmo maiores e mais perigosas: a medicina. Alexandre Lancaster cedeu uma narrativa com ares de ficção científica, onde a ciência aponta que somente pode ser vista com simpatia se for inofensiva, caso contrário, torna-se uma maldição. Roberto Causo transporta o leitor para uma viagem repleta de escaramuças pelas selvas de nosso país, mas não entre as árvores, mas acima delas, mostrando Santos Dummont de uma forma inusitada. Claudio Villa arremessa o leitor para o mar, singrando suas águas acima e abaixo, em busca de um tesouro que leva o leitor aos ares do terror lovecraftiano. Jacques Barcia nos dá um conto “estranho”, unindo o drama da guerra, máquinas quase humanas e seres inacreditáveis da mitologia em um caldo que realmente proporciona uma nova criação. Romeu Martins transporta o leitor para um ambiente de faroeste a brasileira, com o clima típico desse estilo de folhetim, mas com heróis e bandidos extremamente vaporosos. E Flávio Medeiros encerra as páginas da obra com chave de ouro, mostrando os clássicos dirigíveis e submergíveis em um drama de honra que certamente agrada muito aos apreciadores do gênero.

Posso dizer sem risco de errar que esta, além de ser a primeira obra brasileira do gênero, será durante muitas décadas a mais representativa e também a mais ampla apresentação do Steampunk no país.

Richard Diegues, escritor



Autores e obras:



Gianpaolo Celli – O Assalto ao Trem Pagador



Fábio Fernandes – Uma Breve História da Maquinidade



Antonio Luiz M. C. Costa – A Flor do Estrume



Alexandre Lancaster – A Música das Esferas



Roberto de Sousa Causo – O Plano de Robida: Un Voyage Extraordinaire



Claudio Villa – O Dobrão de Prata



Jacques Barcia – Uma Vida Possível Atrás das Barricadas



Romeu Martins – Cidade Phantástica



Flávio Medeiros – Por Um Fio




Edições (1)

ver mais
Steampunk

Similares

(14) ver mais
Vaporpunk
Dieselpunk
The Buntline Special
Bilac vê Estrelas

Resenhas para Steampunk (6)

ver mais
on 11/7/10


Vários contos excelentes. Outros muito bons. Também é louvável a iniciativa tanto da editora quanto dos autores em publicar um material nacional sobre Steampunk, abrindo o caminho do mercado para mais obras do mesmo estilo.... leia mais

Estatísticas

Desejam84
Trocam1
Avaliações 3.4 / 54
5
ranking 15
15%
4
ranking 35
35%
3
ranking 31
31%
2
ranking 11
11%
1
ranking 7
7%

59%

41%

Conde
cadastrou em:
30/08/2009 20:02:07