Canções

Canções Mario Quintana




PDF - Canções, sapato florido e a rua dos cataventos


Este volume reúne numa mesma edição os três primeiros livros do poeta Mario Quintana. Com a publicação de Canções, em 1946, seu nome emergiu em escala nacional, junto aos colegas da geração modernista, como representante de um lirismo singelo, intuitivo, tingido de suave tom elegíaco e banhado de sabor local — a rua, o arrabalde, a cidade de Porto Alegre.

Dois anos depois, em 1948, Quintana lançou Sapato florido, sua primeira compilação de aforismos, pequenas prosas, crônicas e minicontos. Com ela, afirmava no cenário editorial sua peculiar mistura de prosa e poesia, que se tornaria outra de suas marcas registradas como autor. No mesmo volume, foi ainda compilada a série completa dos sonetos modernistas que constituem seu livro de estreia, A rua dos cataventos, de 1940.

Encarnação chaplininana de algum jovem Goethe à beira do Guaíba esquecido, o poeta já de saída invoca a poesia como dança primaveril, no poema que abre o volume. Ao percorrer os versos de Canções, porém, o leitor descobre estar diante de intimidade mais complexa: o espírito dançante do lírico se deixa marcar por delicada melancolia, diante da morte como fato da vida.





Canções

O PDF do primeiro capítulo ainda não está disponível

O Skoob é a maior rede social para leitores do Brasil, temos como missão incentivar e compartilhar o hábito da leitura. Fornecemos, em parceira com as maiores editoras do país, os PDFs dos primeiros capítulos dos principais lançamentos editoriais.

Resenhas para Canções (4)

ver mais
"As únicas coisas eternas são as nuvens..."


Sou fã de Quintana desde muito pequena, quando assistia pela TV algumas reportagens com pedaços de poemas seus, ficava encantada. Naquela época não tinha condição alguma da minha mãe adquirir um livro dele para mim, mas sempre que possível, eu tentava escrever no caderno alguns pedaços das poesias que o repórter narrava na entrevista, que sempre ficavam incompletos. De lá para cá, sempre que posso tento ler algo dele, gosto muito do seu estilo literário, acho que Quintana foi um poe...