Treblinka

Treblinka Jean François Steiner



Resenhas - Treblinka


11 encontrados | exibindo 1 a 11


Jean Bernard 15/03/2021

Revolta!!!
O Campo de Extermínio de Treblinka é uma das maiores aberrações já vistas. Um lugar onde os judeus eram levados para morrer. Apegados fortemente a sobrevivência, uma revolta se constrói. Uma revolta pela memória dos horrores ali cometidos.
Um livro sobre uma revolta, que revolta. Um livro narrado com detalhes que embrulham o estômago. Um livro que nos alerta: Nunca Esquecer.
Laura 15/03/2021minha estante
Muito interessante, Jean! Já vou colocar na minha lista de futuras leituras!


Jean Bernard 16/03/2021minha estante
Aproveita que tem o livro bem barato na estante virtual. É forte, mas importantíssimo.


Laura 16/03/2021minha estante
Obrigada pela dica, já estou indo lá agora! Sempre li muito sobre esse período, acho importantíssimo!




César Augusto 26/06/2020

Um relato emocionante
Em pouco mais de um ano de atividade a partir de julho de 1942, o campo de extermínio nazista de Treblinka, na Polônia, teve de 800 a 900 mil seres humanos assassinados nas suas câmaras de gás, a maioria esmagadora de judeus deportados dos guetos na execução da Solução Final. Quando o campo estava prestes a ser liquidado, ocasião em que os prisioneiros foram obrigados a exumar e incinerar os milhares de cadáveres das vítimas, um grupo iniciou uma revolta que deixou algumas centenas de sobreviventes que lograram escapar para as florestas, mas dos quais apenas 40 chegariam vivos ao final da guerra. É essa história que Steiner nos conta com base em entrevistas e pesquisas, trazendo a nosso conhecimento o funcionamento cotidiano de Treblinka, o desafio de sobreviver naquele inferno, os horrores testemunhados, a carnificina diária e a fantasia bizarra de um mundo novo que o comando do campo tentou criar, representado pelo falso relógio que marcava eternamente 15 horas na entrada do lugar. Steiner também nos revela toda a complexidade maligna dos "técnicos" da Solução Final em ludibriar e manipular suas vítimas nos guetos - o de Vilna é tomado como ilustração -, o uso dessa "fórmula" em Treblinka e como surgiram os primeiros lampejos da revolta, organizada aos poucos, assimilada por um comitê e adiada por várias ocasiões, até finalmente eclodir. O romance de não ficção traz, por meio dos orquestradores da revolta, fatos que rebatem a antiga crença de que os judeus se deixaram massacrar passivamente durante as perseguições nazistas.
comentários(0)comente



Orochi Fábio 17/07/2019

Treblinka
Detalhada crônica de humilhações, perversidade e esperanças cruéis...
comentários(0)comente



Ana Clara 10/06/2017

Treblinka
O livro mais triste que já li. Logo no primeiro capítulo tem a descrição de uma cena que me deixou com o estômago embrulhado.
Embora, não seja o intuito do autor,eu não pude deixar de notar a diferença desse livro com outros relatos que eu já li sobre o holocausto. Ao contrário dos outros livros, o povo judeu aqui não é em sua totalidade passivo.
Eles arquitetaram planos, montaram estratégias para se defender. Embora eles não tenham esperança alguma de saírem vivos, eles querem deixar um legado moral de que os judeus não foram levados facilmente.

Esse livro, além de contar sobre o sofrimento judeu nesse período, vai contar também sobre uma revolta que aconteceu nesse campo de extermínio chamado Treblinka. O plano deles com essa revolta era que ao menos uma pessoa saísse com vida para contar para o resto do mundo o tudo o que havia acontecido ali.
Os judeus de Treblinka queriam preservar a sua honra e a sua moral para que as gerações futuras se orgulhassem e não sentissem vergonha.

Também mostra muito o sentimento irracional e visceral que os alemães tinham pelos judeus.
Vou deixar um trecho aqui:
“- Se ao menos nos odiassem poderíamos tentar trocar ideias com eles; se tivessem qualquer coisa de específico a nos censurar, poderíamos tentar provar-lhes que se enganam mas eles não têm mais ódio por nós do que nós o temos por uma aranha, e nosso único defeito aos olhos deles é existir. Estamos todos mortos, Genns, você, eu, seu filho e o meu. Tudo não passa de uma questão de cronologia. Entretanto, resta-nos algo a salvar: nossa honra.”

Quanto mais os judeus lutavam, mais cruéis eram as formas de tortura e várias vezes houve momentos de exaustão e passividade. Esse livro me fez enxergar como o povo judeu é forte e não perdem a esperança com facilidade. Como eles aproveitaram as oportunidades mesmo quando os alemães se deleitavam humilhando-os de todas as formas: zombando de sua religião, rindo do espetáculo criado certa vez... mesmo nessas horas, os judeus percebiam o plano do inimigo e tentavam virar o jogo a seu favor.

Acontece que, a revolta em si demora a acontecer, só no último capítulo que ela realmente entra em ação. Mais ou menos da metade do livro até o final você fica numa aflição sem tamanho porque os judeus passam por várias provações e pressões até conseguirem.

Eu demorei quase oito meses para concluir essa leitura porque eu precisava de tempo para digerir cada página e cada capitulo. Agradeço a paciência da minha amiga, Alice que foi quem me emprestou o livro.

Não é uma leitura fácil, mas a narrativa é muito boa. Eu tinha vontade de anotar cada frase. O autor tem uma inteligência, o modo como ele usa as palavras e seu modo sarcástico de encarar alguns fatos realmente deixam a leitura muito interessante. Embora eu já me interesse por esse tema há um tempo, eu nunca tinha visto um ponto de vista como esse.

Com certeza esse livro vai ficar marcado em mim por um bom tempo e as cenas tão bem detalhadas vão estar na minha memória.
É um relato de um filho que buscou os arquivos e depoimentos dos sobreviventes. Pensar que tudo isso aconteceu mesmo é o mais difícil de conceber.
comentários(0)comente



raissa.pinto.9 31/07/2015

" É preciso viver para poder contar"
"Se você acha que sabe o que aconteceu num campo de concentração, confronte-se lendo Treblinka.
Se você tem alguma vaga ideia, mas é curioso sobre o assunto este é o seu livro.
Se você quer vislumbrar em algumas páginas até onde vai a loucura e maldade humanas este também é o seu livro.
Acabei há poucas horas e ainda estou digerindo o que eu li. Não, na verdade estou incrédula com o que eu descobri; nunca poderei digerir e/ou aceitar o que foi atentado contra os judeus. Treblinka é a materialização de que quando quisermos ser maus podemos fazê-lo muito bem. Independente da nacionalidade dos algozes, você se confronta com a ignorância, a prepotência e a crueldade humanas. "Timbrou em agradecer aos alemães pela maneira como tratavam os judeus : " É verdade que alguns se queixam um pouco", disse, "mas estes esquecem-se de que cada povo deve pensar inicialmente em si. O que os alemães fazem é no interesse da Alemanha. Quem poderá afirmar que outro povo, quiçá o nosso povo mesmo, colocado nas mesmas circunstâncias, não teria agido da mesma maneira?....""
Helder 15/04/2016minha estante
Apesar de chocante o livro é bem falso!
Esse livro é conhecido por ter sido romanceado pelo autor.
Ele escreveu junto com um romancista da época e não haviam as 40 vitimas que deram o testemunho a ele.
A história é chocante? Sim é, mas está longe do verídico.
Vejam: http://vho.org/tr/2001/3/tr07steiner.html


raissa.pinto.9 08/12/2016minha estante
Obrigada, Helder pelo comentário. Eu realmente não sabia e depois que li a matéria do seu link e pesquisei mais, vi que realmente é uma obra de ficção!! Absurdo alguém escrever uma fantasia e querer ganhar como se fosse uma história verídica. Enfim, obrigada pelo esclarecimento!


Diana Brasilis 18/01/2021minha estante
Helder, você vem aqui compartilhar um link de um site revisionista de caráter nazista? Tome vergonha na sua cara! O livro sendo ficção ou não em forma de romance, é baseado em diálogos do autor com testemunhas oculares que sobreviveram à rebelião de Treblinka.




ÃLINHO 23/01/2013

IMPRESIONANTE
Custa-me acreditar que o povo alemão, deixou-se acreditar em um louco e cometeu essa barbarie comtra os judeus. Fique horrorizado.
comentários(0)comente



Carlos Aires 25/03/2012

Simplesmente tocante !
Em um época onde as razões para se continuar a viver eram mínimas e a esperança de salvação quase uma lenda, um grupo de prisioneiros judeus se unem para fugir de um dos mais cruéis campos de concentração: Treblinka. Onde o simples ar que se respira tem cheiro de morte.

Um livro fascinante, onde se mostra que até em lugares onde não se vê mais saída, pessoas que anseiam por liberdade lutam por aquilo que é seu por direito. Há momentos em que você perde o fôlego e vibra com seus sucessos e, que chega até a fechar o livro por alguns momentos para refletir o quanto eles sofreram sob o domínio do Terceiro Reich.

Uma obra direta e que não esconde fatos. Forte em todas as partes. Recomendo.
comentários(0)comente



andrebranun 16/09/2010

Onde perdi minha inocência...
Sabe aquele livro que, certa hora, dá vontade de atirar contra a parede de raiva? Não? Pois comigo teve essa vontade... Li com tenros nove aninhos de idade e o reli outras vezes mais tarde. Foi com ele que descobri que as nuvens não eram de algodão...
Obra seminal para quem quer saber a fundo todo o horror do holocausto. Esqueçam qualquer filme ou série: leiam este livro. Ponto.
comentários(0)comente



San... 11/07/2010

E novamente esse tema: o nazismo. Os livros são dolorosos, mas é bom que saibamos do assunto. De um lado, serve como alerta, prevenindo-nos contra a intolerância, contra o racismo e o fanatismo. De outro, obras como esta é que nos fazem valorizar a liberdade, a apoiarmos as lutas pela igualdade entre os povos. E porque, através das experiências do passado podemos evitar grandes e inenarráveis erros, recomendo a leitura.

comentários(0)comente



marcilivros 20/12/2009

Máquinas de matar
É exatamente porque o livro mostra-nos como homens transformam-se em máquinas de matar que o considero ótimo; pode-se refletir acerca do modo como o ser-humano pára de pensar e passa a agir como autômato, como máquina de extermínio e de como este mesmo sujeito, coletivamente, pode juntar forças e perceber-se novamente como alguém que pode lutar, ainda que seja para morrer, mas que o fará dignamente. Já li muitas obras acerca do holocausto, mas nunca uma tão forte em seu relato, cru e real. Impressionante.
comentários(0)comente



11 encontrados | exibindo 1 a 11