Os Dragões de Titânia

Os Dragões de Titânia Renato Rodrigues




Resenhas - Os Dragões de Titânia


17 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2


Flavia 14/12/2012

Fantástico!!!
"Os Dragões de Titânia: A Batalha de Argos" traz a história de um grupo de personagens incomuns e corajosos que lutam contra as forças e a tirania do auto intitulado Barão de Argos, que resolveu mandar no lugar por conta própria, e que ainda conta com o apoio de um Bruxo das trevas, mandando armaduras fantasma para aterrorizar os moradores da região. E é contra esses inimigos que o grupo formado por Telus, o anão esquentadinho e brigão; Peter Paul; Galileia, a freira com o dom da cura; Khosta, o mago que adora apostas; Cronus, o elfo destemido; Alambique, um centurião que pelo apelido percebe-se seu gosto pela cana; Miranda, a maga; e Lerandra, a elfa corajosa.
Porém, durante a luta, Lerandra acaba sendo morta, e depois disso, o grupo precisa levar o corpo dela para a terra dos elfos de onde veio para que a mesma tenha um funeral digno.
Outros personagens se juntam ao grupo no decorrer da história: Sylvester, o guerreiro; Diane; Ed Mãos-Leve; e Shokozug, o guerreiro desconfiado. E é a partir dessa união, rumo a Alfheimr, que a aventura realmente começa, pois embarcamos num mundo fantástico com direito a dragões, armas mágicas, elfos malígnos, reviravoltas, muitos perigos e muita emoção.

O livro é narrado em terceira pessoa, e a impressão que dá é que o próprio autor está nos contando a história da forma mais descontraída e engraçada do mundo, e adorei como a narrativa flui bem e tem um ritmo rápido, em que os acontecimentos não tem enrolação.
Independente da situação em que os personagens se encontravam, toques de humor e sarcasmo estavam presentes pra que a história não ficasse pesada e confesso ter rido horrores com todas aquelas tiradas hilárias. A história se passa no ano de 1001, mas tem alguns termos bem atuais e por isso fiquei com uma sensação maior de que estava ouvindo a história sendo contada com bastante irreverência, como se estivesse sentada numa roda.

Só achei que o começo ficou um pouco confuso, principalmente para aqueles que se distraem ou perdem a concentração muito fácil (como eu), pois enquanto está rolando alguma coisa emocionante, de repente nos deparamos com algum acontecimento do passado, que explica um pouco mais sobre os personagens, ou como se conheceram, para depois voltar ao que estava acontecendo e retomar o raciocínio. Eu confesso que isso me incomodou um pouco, pois pra não me confundir, precisei ler ignorando essas partes para só ao fim do capítulo eu voltar nelas novamente, e assim entendi bem melhor, sem interrupções. Talvez se essas situações dos flashbacks fossem colocadas num capítulo a parte, com mais aprofundamento, ficaria mais fácil e mais bacana, pois por mais que a leitura seja fácil e envolvente, acho que um leitor mais desatento iria ficar bem perdido no início.

Mas enfim, no meio das páginas ainda podemos observar as ilustrações de alguns dos personagens, e como adoro ilustrações, fiquei encantada com tamanha perfeição. A capa é linda, mas os mais atentos irão desconfiar o rumo que a história leva ao olharem a parte de trás...
Enquanto os personagens partem nessa viagem, me senti viajando junto com eles, vivendo todos os perigos que eles viveram pois é impossível não se envolver. Outra coisa que percebi é que por mais "machões" que os personagens sejam, eles conservam valores e tem grande senso de justiça, e geralmente histórias antigas desse tipo, sempre nos apresentam personagens com características típicas, são machistas, ignorantes e donos da verdade, e em Dragões de Titânia não senti isso e gostei muito!
Super recomendo a leitura para todos aqueles que adoram uma boa história fantástica, cheia de ação, aventura, mistérios e muito humor! Estou super ansiosa pra começar a ler a continuação, "A Queda do César".
RenatoRodrigues 14/12/2012minha estante
Um resenha com leite condensado caramelizado com flocos crocantes coberto com o delicioso chocolate Nestlé! Obrigado, Flávia!




Diego Matos 09/01/2012

Bela Surpresa
Sabe quando você pega um livro e diz, a vou ler sem compromisso, afinal é da tematica que mais gosto, mas não vou criar grandes espectativas.
Bem, essa era a minha ideia quando comecei a ler o "Dragões de Titânia" e confesso que tive uma bela surpresa ao me aventurar por seu conteudo. Me deparie com uma narrativa viva e divertida. Com personagens hilarios por suas personalidades simples e marcantes. Me senti numa verdadeira mesa de RPG com as famosas dicussões de grupo e tiradas comicas que só aqueles que um dia rolaram um dado em uma seção de jogo podem detectar. O livro é muito prazeroso, sua narrativa é leve e satirica, não que faltem elementos dramaticos, mas o clima em torno do grupo de personagens nos deixa a vontade como se fossemos um dosm membros do grupo. Um otimo livro para quem gosta de fantasia e uma historia excelente para RPGistas que gostam de diversão em primeiro lugar. Renato valeu pelo excelente trabalho. Quando sai a continuação mesmo?
yla.cezar 10/01/2012minha estante
Diego, vc já me deixou com vontade de ler.


Dany 30/07/2013minha estante
~Eu li os dois Dragões com uma fome dragonica! Mal posso esperar pela continuação, no livro três, a Dama da Montanha! *.*




Lidiane 01/04/2012

Aventura
Os Dragões de Titânia, conta as aventuras de alguns amigos muito diferentes, de diferentes raças, com diferentes histórias e ideias, mas que se unem por uma causa em comum: O bem de Argos, a terra que é o centro desse primeiro livro, eu diria.
A história envolve vários seres: elfos, anões, dragões, guerreiros, centauros e humanos. Não falta variedade nesse livro.
A autor conta a história, como um contador de histórias, ou seja, ela é narrada em terceira pessoa, com muita irreverência e humor. O livro tem um ritmo rápido, as coisas estão sempre acontecendo e uma aventura ou batalha já liga a outra, acho que poderia ter sido um pouco mais lento em alguns pontos para conhecer alguns personagens que tiveram um passagem mais curta, mas pra quem gosta de história mais diretas, essa é assim.
Minha impressão é que esse primeiro livro, tem a missão de nos apresentar alguns personagens a forma como se unem, e pelo que lutam. Espero conhecer mais sobre seus destinos no próximo livro, onde pelo que tem no fim desse devem aparecer novos personagens.

Quanto a qualidade de edição o livro é ótimo, o livro tem uma boa impressão, excelentes ilustrações de Carolina Mylius, no meios do livro vem algumas páginas com os personagens principais, um por página em papel de boa qualidade, dando uma ideias de fotografia, é legal para conhecermos os rostos dos personagens.
Aprovado.

RenatoRodrigues 01/04/2012minha estante
Grato pelas belas palavras, Lidi! Tomara que não seja pegadinha de 1 de abril! :)

Estou no capítulo 9 do Volume II e espero que nossos amigos da Pensão da Adria possam recebê-la de volta em breve. Abraços!


Lidiane 05/04/2012minha estante
Espero que sim, vamos ver que outras aventuras nos esperam.
Não é nenhuma pegadinha não. :)




Karine Coelho 07/12/2011

Ave, Cronus!
E lá vamos nós para mais uma resenha de uma das aquisições da Bienal do Livro de 2011. Dessa vez, me aventurei num império grandioso chamado Titânia.

Eu estava desbravando ansiosa e deliciada os corredores do Riocentro quando, de repente, me deparei com uma fada. Uma fada? Sim. Uma bela fada que chamava a atenção, e que tirava fotos com várias pessoas, em sua maioria crianças e adolescentes. A mítica criatura estava acompanhada de um simpático elfo de chapéu pontudo. Eu reparei tudo isso no estande da editora Escala, mas acho que o que realmente me chamou a atenção foi um certo elfo loiro que me encarava do alto de uma estante, na capa de um livro. Um elfo belíssimo, muito bem desenhado, que encarou com tanta seriedade e profundidade, que eu tive que pegar um daqueles exemplares para ver qual era a daquele ser misterioso que me encarava. Folheei rapidamente o exemplar e descobri que aquela era uma história bem do jeitinho que eu gostava, com elfos, dragões e feiticeiros. E anões, claro. Mas uma outra coisinha, no centro do livro, foi decisiva para a minha decisão de levá-lo para casa: várias ilustrações luxuosas dos personagens da história! Imagens caprichadas, num papel diferente, enfim, lindo. Estava lá, boquiaberta quando o simpático elfo veio falar comigo, e descobri ali que ele era o autor daquele livro. Seu nome era Renato Rodrigues. Depois de uma breve conversa (onde descobri que a fada era sua esposa, e que também era escritora) tiramos algumas fotos e o meu exemplar foi devidamente autografado. E agora que já acabei de lê-lo, escrevo aqui minhas impressões.

Bom, não vou dizer que o a história é diferente e criativa porque estaria mentindo. A história, os personagens, são exatamene os mesmos de centenas de livros desse gênero. Mas é claro que não existem livros iguais, e esse tem suas diferenças. E a maior delas está no humor. O livro faz rir. Todo ele, nos momentos mais críticos, nos mais leves, toda hora é hora de dar boas gargalhadas. Porém (sempre tem um), é que, por vezes, esse humor é muito atualizado. Uma coisa que eu já tinha visto em um outro livro, inclusive já tinha feito essa mesma crítica que estou fazendo agora, é que há um excesso, ou mesmo uma presença constante de gírias e expressões atuais. Ás vezes, o livro parece uma sátira dos livros do gênero. Não sei se foi essa a intenção do autor, mas foi o que me pareceu em alguns momentos. Outra coisa que me incomodou foi o começo. A explicação da história em flashbacks me deixou muito confusa, eu fiquei o livro inteiro sem saber direito com todas aquelas pessoas se encontraram. Mas, fora isso, é uma bela história, com ação, mistérios (que inclusive ficaram por desvendar, o que dá um gostinho de quero mais irresistível), magia, aventura... Um prato cheio pra quem gosta de leitura leve, boas gargalhadas descompromissadas e histórias de fantasia. E personagens apaixonantes também, não posso me esquecer deles! E que venha a continuação dessa saga, com novos rumos e novas situações.
RenatoRodrigues 08/12/2011minha estante
Ulha, a primeira resenha do Skoob! Obrigado, Karine!




Natan 14/09/2012

Uma fantástica surpresa nacional
Vagando na Bienal do Livro SP 2012, trombei com esse livro na estante. "Literatura fantástica brasileira? Claro, por que não?"

Dragões de Titânia, para mim, está à altura de muitas estórias fantásticas por aí. Muita ação do começo ao fim do livro, algumas referências discretas, ou não, à cultura pop e piadas que me fizeram rir e pensar "puts, não acredito que ele fez essa piada".

É uma ótima aventura com cara de sessão de RPG, com direito a anões, elfos, humanos, centauros, magos e até dragões.

Recomendo fortemente uma viagem à Titânia, seja numa visita rápida à Pensão da Adria, na capital, ou numa viagem por todo o continente em busca de aventuras.

Ao autor, Renato, meus parabéns pela obra.
RenatoRodrigues 14/09/2012minha estante
Olá, Natan, obrigado pela chance e que bom que valeu a pena a viagem! A Pensão da Adria te aguarda para uma caneca de vinho no Volume II! Até lá!




Nath Vares 15/10/2012

Dragões de Titânia I
Comprei esse livro sem compromisso. Não podia imaginar que iria gostar tanto de Titânia e das pessoas que lá vivem. Um mundo novo e fantástico, personagens cativantes que me fizeram rir e chorar (literalmente). E que me deixaram durante com cara de boba durante algum tempo porque eu ficava lembrando de tudo o que vivi (sim, eu vivi).
Uma das coisas que mais gostei na leitura deste livro foi que o autor realmente conta uma história. Ele narra, comenta, brinca... E isso te dá a sensação de que ele está ali com você, te levando por terras que você antes não conhecia, ele te acompanha por todo o caminho (de fato eu me peguei uma ou duas vezes respondendo ao livro, ou melhor, ao Renato ;p).
Antes de começar a leitura eu advirto, aperte o cinto de segurança, porque você vai ser arremessado no meio de uma batalha logo de cara. Dragões de Titânia não começa devagar, ele já começa com todo gás, narrando uma batalha entre Telus e as forças revolucionárias que lutam contra a tirania do auto-intitulado Barão de Argos, e as armaduras fantasmas deste último. Mas apesar de você ser jogado no meio do tumulto, durante o primeiro capitulo, os flashbacks dos personagens nos permitem entender como afinal chegamos aquele ponto.
Telus é um anão, que vivia numa fazenda e que por acaso (ou não) conheceu um rapaz chamado Peter Paul. Juntos eles decidem partir numa aventura para recuperar um artefato roubado. No meio desta viagem eles conhecem algumas pessoas, entre elas Miranda, uma maga que lidera uma revolução contra o governo da pequena ilha de Argos. Telus e Peter Paul decidem se juntar a revolução, assim como Galileia, a freira para quem eles recuperaram aquele artefato roubado, Khosta, uma mago completamente paranóico (adorei ele), Alambique, um centurião que vive mais bêbado do que sóbrio, Cronus e Lerandra, dois elfos.
Nesta batalha onde começa a nossa história, Lerandra acaba morrendo (e antes que vocês me xinguem por fazer spoiler, fiquem sabendo que isso tudo acontece no primeiro capitulo, sendo assim eu não revelei nada tão dramático). E é justamente a morte de Lerandra que dá inicio a viagem de nossos amigos até a Terra de Alfmeir, a terra dos elfos, onde Lerandra é (ou era) princesa.
Essa viagem os levará à novas aventuras, a perigos que eles nem poderiam imaginar, e os leva a conhecer pessoas novas, estranhas e perigosas. Piratas, elfos malignos, feiticeiros perigos. Uma viagem que mudará a vida de todos.
A leitura é extremamente agradável e você lê e acaba se esquecendo do mundo (porque na verdade você está em uma viagem tão fantástica que nem mesmo quer voltar).
Um livro para ficar na memória, e no coração.
RenatoRodrigues 15/10/2012minha estante
Foi um prazer tê-la aqui em terras titanianas, volte sempre, Flora!!!




Astropati 26/12/2011

Aventura, risadas e lágrimas.
Isso realmente acontece. O destino junta um grupo de pessoas lá pelos motivos dele e nós somos nada menos do que fios de cores distintas prontos para fazer um desenho muito maior do que nossos olhos conseguem ver. É assim que Telus, Khosta, Galiléia, Cronus e outros tantos que se juntam à aventura vão caminhando pela história bem amarradinha de Renato Rodrigues.
A jornada ganha valor maior do que o objetivo final - que é, inicialmente manter a pele intacta sobre o corpo. As maquinações do Barão Ricardus vão ficando claras ao mesmo tempo que as relações de amizade se estreitam. É uma aventura de fantasia medieval, sim. É uma história com um pano de fundo de com espadas se chocando contra escudos, sim. Como tem acontecido frequentemente, os dragões abrem suas asas sob os céus para adicionar tempero - mas são os valores que nos fazem virar a página. A busca pelo eterno amor, tão presente em obras contemporâneas, fica ofuscada pela compreensão paulatina das responsabilidades e recompensas da amizade - essa que ninguém buscou, mas que aconteceu de maneira espontânea, muitas vezes no pior momento possível.
Sim, eu adoro o autor - me processem. Resenha imparcial é com editores. Eu sou é tiete!
comentários(0)comente



Cat 24/05/2012

Mais um favorito
Este é mais um livro que comprei no Salão do Livro de Guarulhos - Que eu quase não comprei.
Tinha 22 reais no meu bolso e com a dúvida: Compro outro livro ou guardo o dinheiro?
Já estava quase voltando para casa, quando decidi entrar no estande da Editora Escala. Olhei umas revistas, quando vi um livro que tinha um elfo na capa todo garboso. E como eu gosto de uma piada. Peguei o livro, mostrei para minha sobrinha e disse... "Olha! Legolas!".
Depois da piada, abri o livro e li a sinopse e como ele trazia duas coisas que adoro: Fantasia e Humor comprei.

O livro correspondeu a todas as minhas expectativas. Ele é recheado de aventuras, surpresas, dor, traição e é claro, humor.
Vamos a trama:

Os Dragões de Titânia se passa na Ilha de Argos, que foi dominada pelo tirano Ricardus I ou simplesmente Barão. Aliado a um velho bruxo, ele cria um exercito de armaduras mágicas, escraviza a população da ilha e Dragões.

Então um grupo muito incomum se junta para derrotar a tirânia do Barão. Cada membro deste grupo tem suas peculiaridades. Um anão pavio curto (Telus), uma maga gente boa (Miranda), Outro mago, louco por uma aposta, fujão e paranoico (Khosta), um elfo boa pinta (Cronus), Um rapaz, que a princípio só queria encontrar um tesouro (Peter Paul), um centurião que adora uma birita (Alambique), uma elfa macha (Lerandra) e uma freira cheia de atitude (Galileia).

O livro começa com um cerco contra o Barão, o Velho Bruxo e as armaduras fantasmas.
Para aqueles que são lerdos ou leem sem atenção podem ficar meio perdidos. Pois o autor faz uma narração hora no passado, hora no passado. Eu achei incrível. Adoro livros assim. Sei lá... Faz o leitor pensar. Coisa que eu sinto falta em alguns livros, que são mastigados e cuspidos.

Durante o cerco uma amiga do grupo acaba sendo morta. Com isso o grupo se divide em dois. Um grupo decidi levar o corpo da amiga para receber um enterro apropriado e o outro decidi procurar por ajuda para expulsar de vez o barão.

Durante a viagem, mais membros são adicionado ao grupo como: Um ex-pugilista tagarela e sem noção (Sylvester), uma noviça (Diane), um guerreiro bom de briga e desconfiado (Shokozug) e Ed maõs-leve, acho que o nome já diz tudo.
E é durante essa viagem que coisas estranhas começam a acontecer. Armas mágicas aparecem para ajudar o grupo, um livro, que muda de idioma conforme o dono, uma rainha misteriosa, que você não sabe se ela quer ajudar ou complicar ainda mais a vida de todos. Não sei porque , mas eu senti um toque de Star Wars.
Não achei que a história demorou para pegar no tranco. Afinal o livro é recheado de batalhas e mistérios. E como eu já disse no início, se o leitor for um pouco lerdo talvez não entenda a trama.

Em resumo: Adorei! Adorei!
Para alguns pode parecer que eu me repito nas minhas resenhas. Mas o que posso fazer? Só leio livros de autores nacionais muito bons. Ou eu tenho muita sorte, ou há uma nova safra de escritires maravilhosos. Agora vou esperar pelo volume dois.

http://catalinaterrassa.blogspot.com.br/2012/05/resenha-os-dragoes-de-titania-batalha.html
comentários(0)comente



Bianca S. Bonatto 09/05/2013

Cada vez eu me surpreendo mais e mais, simples assim!
Os Dragões de Titânia é, em poucas palavras, simplesmente fantástico - e de forma bem literal hahaha.
Eu comecei a lê-lo dentro do trem e cerca de uns quinze minutos depois - o tempo que levo da estação que subo até a estação perto do meu trabalho - eu já tinha lido umas trinta páginas e estava totalmente desligada do mundo à minha volta, totalmente compenetrada no mundo que estava sendo apresentado à mim, envolta pelos personagens singulares e sem conseguir parar de ler.

A forma da narrativa é descontraída, mas ao mesmo tempo consegue lhe passar a seriedade da história que se desenrola, sem se tornar algo massante ou até mesmo... chato. Você consegue visualizar cada situação perfeitamente, ouvir as vozes dos personagens e praticamente interagir com eles.
O Renato me surpreendeu completamente com a sua forma de narrar a história, confesso que não esperava algo assim. Parece que ele está ali do seu lado contando, apresentando seu próprio mundo e convidando você para fazer parte dele.
Essa é a sensação que se tem ao ler Os Dragões de Titânia!

Nas últimas páginas eu já estava sentindo saudade - mas ainda bem que tenho o segundo livro 8D.
Aí você está dentro do trem, com muitas pessoas á sua volta e pensa "O quê eu faço agora?". Você acabou de experimentar uma sensação única, olha para os lado e todo mundo seguindo com suas vidas, sem nenhuma noção do que se passou dentro de você naqueles últimos momentos finais. Fechar o livro parece que vai estar fechando o portal que ele abriu para aquele mundo particular, mas as sensações permanecem com você ao simples lembrar dos personagens. É como se eles sussurrassem ao pé do seu ouvido.

Realmente fui pega de surpresa, mas uma das melhores surpresas!
RenatoRodrigues 09/05/2013minha estante
Muito obrigado pelas palavras, foi um prazer viajar ao seu lado nesse trem da alegria, Bianca!Próxima estação, Feira do Livro de Porto Alegre! Beijos!




jacki 26/06/2013

Os Dragões de Titânia - A Batalha de Argos
No final do ano passado (2012), me deparei com uma pilha de livros num supermercado, na base da gôndola dizia: "Projeto Incentivo a Leitura" ... não resisti, parei. Na verdade, o que me atraiu num primeiro momento foi a capa, ... aliás, belíssima, inclusive vale dar créditos a ilustradora Carolyna Mylus.

Daí em diante, foi uma surpresa total.

O livro "Os Dragões de Titânia - A Batalha de Argos", é uma história leve, engraçada, com personagens cativantes. Tem de tudo, magia, lutas, criaturas para todos os gostos ... o autor Renato Rodrigues, consegue surpreender com sua forma de narrar. Como ele mesmo diz ao final do livro: " ... um contador de histórias." ... e é isso mesmo, tem-se a impressão de estar à beira de uma fogueira, ouvindo um contador, e dos bons!

Vale a pena, a diversão é garantida.

Jacki Schmidt
RenatoRodrigues 29/06/2013minha estante
É bom saber que eu faço sucesso no mercado... ou melhor, no Supermercado! Obrigado pela resenha espero poder conhecê-la em breve, Jacki! Nos vemos em Titânia!




Karol 20/03/2012

Uhhhhhhh hoje é sexta-feira 13!

Aquele dia que um monte de gente diz que dá azar, o dia do filme do Jason, o número cabalístico (hehe) que uma galera evita e que outra adora, aniversário da minha amiga Letícia eeeee dia de eu postar no blog! Eeeeeeeeeh! \o/

Não sei se eu já contei pra vocês, mas eu nasci numa sexta-feira 13. Sabiam? Deve ser por isso que eu sou esse amor de pessoa. E mais, não me considero uma pessoa azarada. Desde o início do ano já fui sorteada em dois blogs pra ganhar presentinhos. Um deles foi o hilário Caindo de Boca, que vai me dar uma agenda + umas canetas + baratos fofos pra eu tomar vergonha e escrever um diário esse ano. O outro foi o Desafio Literário. É, amigos, ganhei um livro – que eu não sei qual é – mas tô adorando assim mesmo! É bem aquela coisa, não apostem nada comigo por esses dias porque COM CERTEZA eu vou ganhar! ;-)

E o que isso tudo tem a ver com o livro de hoje? Absolutamente nada. Mas quis compartilhar tais informações com vocês.

Agora, sem mais delongas, vamos ao livro da vez: Dragões de Titânia, do Renato Rodrigues.


O livro de fantasia, coisa comum na nossa terrinha tupiniquim ultimamente, nos conta a história de um grupo de amigos de várias raças que luta para libertar a Ilha em que vivem das mãos de um barão tirano que escraviza seus habitantes e cobra altos impostos (para e respira). Uma vibe meio Eragon, entendem? Os personagens principais – do meu ponto de vista – são Telus, um anão rabugento; Khosta, um mago mercenário; e Miranda, uma feiticeira gente-boa, mas é meio confuso e ainda não sei exatamente quem é o protagonista. O livro começa no meio de uma batalha tensa onde uma amiga dos três morre e eles decidem que é necessário escoltar o corpo da moça de volta para sua terra natal, como uma última homenagem. Nisso, eles abandonam a Ilha e seguem seu caminho, rumo ao país da jovem morta.

O livro é bastante bem escrito e tem aquilo que está virando uma característica da geração “Raphael Draccon de escritores brasileiros”: narrador mala. Eu tenho um problema com isso e não me peçam pra explicar o motivo, pois eu também não entendo. Complicado. Mas aqui não é tão forte essa “malisse”. O livro, além disso, tem ilustrações lindas de todos os personagens importantes, que meio que impedem que o leitor crie sua própria imagem de como eles são. Não me decidi ainda se isso é bom ou ruim... Mas as ilustrações são lindas de verdade.

As batalhas são bem descritas e as personagens engraçadas. A narração é animada, mas o livro demora a engrenar. Falta alguma coisa... Talvez uma narração mais onisciente. As personagens são ótimas, mas me incomodava não saber o que lhes passava pela cabeça, ou não saber quem eles são de verdade. Eu até compreendo que alguns personagens devam ser misteriosos, para manterem o suspense, mas não acho isso muito legal quando se trata de protagonistas – ou de TODOS os personagens do livro. Eu gosto de me sentir na história, dentro da cabeça do protagonista e isso não acontecem em Dragões de Titânia.

Outra coisa da qual eu senti falta foi de romance... rs Podem me chamar de besta, mas adooooro aquele climazinho de quem pega quem no ar. Só que Dragões de Titânia é um livro de menino, então essa parte fica meio esquecida. Não que não exista nada de romance. Mas o que existe é fraco – e ébrio.

No todo, Dragões de Titânia é um bom livro. Demora pra animar, mas segue bem depois que engrena. Lembra um pouco a galera do RPG, O Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos, mas é diferente e não vicia. A série tem, pelo menos, mais um lançamento então, agora é aguardar. Veremos o que acontece com Telus e seus amigos.

Recomendado para meninos curtem fantasia, mas odeiam melação e meninas de coração partido, que não querem saber de romance.

=)

Ahh e a capa é linda, mas pode ser considerada "com spoiler" para leitores mais atentos.. =\
comentários(0)comente



Vanessa Meiser 11/01/2012

http://balaiodelivros.blogspot.com/
OS DRAGÕES DE TITÂNIA – A BATALHA DE ARGOS / RENATO RODRIGUES

Para comentar este livro, preciso dizer que a capa e a contra capa fazem todo o sentido na história, a princípio eu fiquei me perguntando o porquê de o Elfo bonito na capa ter uma cor e na contra capa ter outra cor, sendo que os dois são a mesma pessoa....mas lá no meio do livro acabei entendendo o motivo.
Aliás, a diagramação geral deste livro é deslumbrante, a capa como vocês podem ver é linda, dentro dele me deparei com ilustrações coloridas e muito bem feitas dos personagens principais da trama. Muito legal mesmo.
A história começa na Ilha de Argos, um pequeno pedaço de rocha dentro do Império de Titânia e se passa inicialmente no ano de 1001.
Em “Os Dragões de Titânia” temos heróis nada óbvios como, por exemplo, um anão mal humorado chamado Telus, um mago mais mal humorado ainda chamado Khosta e totalmente medroso que não pensa duas vezes antes de subir em árvores quando vê a coisa preta.
A turma toda é composta por Telus, Khosta, Galileia, Sylvester, Shokozug, Diane, Miranda, Alambique e Cronos.
O Elfo da capa é Cronos, um guerreiro destemido e obstinado a lutar pelo mesmo ideal de seus companheiros até que é surpreendido por um grande acontecimento que muda todo o curso da história pegando todos de surpresa, inclusive o leitor que fica ainda mais ávido por descobrir o motivo de tal mudança e se ela seguirá de determinada forma até o final do livro (lembrem que falei que a contra capa faz sentido na trama...).
O livro em minha opinião me deixou uma mensagem bem interessante, lá no longínquo ano de 1001, numa terra que talvez nem merecesse tanto esforço, este grupo de guerreiros se une para lutar contra um governo injusto e sujo enquanto que aqui hoje, 1011 anos de diferença, o que vemos por parte dos “guerreiros” contra governos igualmente (ou até mais) injustos? Xiiii viajei legal agora né, hiuahiua, mas é mais ou menos por aí mesmo, afinal é para isto que servem os livros, para nos proporcionar algum tipo de questionamento... Mesmo que a história seja de anões, magos, elfos, freiras, bêbados, armaduras fantasmas e muita magia negra.
Não posso deixar de falar no humor presente em cada página, eu dei muita risada durante a leitura, praticamente em cada frase uma ironia se faz presente, achei isto muito legal, o autor soube misturar fantasia com luta por idéias e acontecimentos cômicos em 247 páginas de muita diversão. Adorei!
Ah, antes que eu me esqueça, o livro terá continuação!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
RenatoRodrigues 27/05/2012minha estante
kkkk, essa é a primeira reboot-resenha até agora! Valeu mais uma vez, JR!




Portal Geeker 04/02/2019

Resenha: Os Dragões de Titânia - A Batalha de Argos
"Aquele livro que todos que amam jogar RPG deveriam ler! E aqueles que amam fantasia, magia, aventura, elfos, anões, dragões, o império romano e mitologia celta e nórdica também deveriam ler esse livro.

Esse livro é maravilhoso! Renato Rodrigues juntou muitos ingredientes diferentes resultando numa mistura que deu super certo. Uma grande aventura que faz os leitores experimentarem de tudo e no final ainda quererem mais.

A leitura é muito gostosa, divertida e fluida e gera aquela curiosidade saudável que faz a gente devorar o livro em pouquíssimo tempo.

A narração é em terceira pessoa e o narrador, muito bem humorado, fala diretamente com o leitor dando a sensação de estarmos lado a lado ao redor de uma fogueira numa noite de acampamento onde sempre tem alguém contando histórias de antepassados, lendas ou fábulas.

Os personagens são incríveis, muito bem desenvolvidos, com personalidades e força muito próprias. Suas crenças, raças, culturas, hábitos e formas de pensar e agir foram muito bem definidos. Todos eles são muito vivos e carismáticos. Visualizá-los fora dos livros é muito fácil e seria incrível se num futuro próximos eles ganhassem as telas, seja em desenho animado, série ou filme.

A história é tiro, porrada, bomba e bafo de dragão do começo ao fim. Quer dizer, tiro não, né? Porque na época em que se passa a  história as armas de fogo ainda não haviam sido inventadas. Mas você entendeu que eu sei. rs... É, adrenalina pura do começo ao fim. Muita ação, corre daqui, corre dali, flechadas daqui, flechadas dali, bolas de fogo e dardos de energia voando pra um lado e pro outro, tem até anão literalmente voando com um machado na mão... tipo uma mistura de Thor com Gimli, só que muito mais pra um Gimli grisalho. Tem dragões de muitas cores e baforadas diferentes. Luta em mata fechada, em planície, em caverna, em castelo, dentro de navio e, claro, dentro do coliseu também.

Por se passar em um mundo diferente da nossa realidade, o livro facilita nossa visualização desse novo mundo através de mapas  que englobam a localização de países e continentes citados na história, alguns com grande importância na trama. Possibilitando ao leitor consultá-los caso não consiga se situar na história em relação a onde fica o que.

A relação com os Jogos de RPG tá na estrutura da história. Um grupo em que cada indivíduo possui uma classe e raça e vai desempenhar funções de importância para a sobrevivência do grupo durante todo o percurso até cumprir as missões que forem aparecendo. Além das missões coletivas, têm as missões individuais. E ao longo da campanha os personagens vão amadurecendo, melhorando suas habilidades e descobrindo e desenvolvendo novas, conseguindo armas, comida, dinheiro, trajes, acessórios, etc. Há momentos em que estão todos juntos, há momentos que eles precisam se dividir e há momentos solos também. Personagens entram e saem ao longo de toda a história, tudo por um bom motivo e no tempo certo.

Os acontecimentos da história em si foram muito bem distribuídos e tudo foi muito bem conectado. Eu amei o livro, a história, os personagens, a leitura, tudo! Foi uma excelente aventura, me diverti bastante e mal posso esperar para ler o segundo livro! Que venha Os Dragões de Titânia - A Queda do César! Não, pera... ainda não tenho esse. Ai como é ruim ser leitora pobre, que desgraça! 😪  😪  😪  😪  😪  😪"

Leia outras de nossas resenhas em nosso blog:

site: https://portalgeekers.wordpress.com/
RenatoRodrigues 25/02/2019minha estante
Obrigado por se aventurar conosco, Jessika!!!!




Noronha 30/09/2015

Muita aventura e Referencias.
Bem, o que falar deste livro? Estava eu andando por uma feira de livros em um shopping aqui da minha região, quando vi esta linda capa e logo me chamou a atenção. Paguei apenas R$10,00 neste livro e mesmo tendo outros livros na frente em minha meta, resolvi lê-lo primeiro.
O livro conta a historia de um grupo de aventureiros que se conhecem por acaso e lutam para salvar sua ilha (Argos, achei uma referencia a historia de Furia de Titãs).

Pontos FORTES: A história é bem narrada sem muitas voltas. Os personagens são bem elaborados. As referencias são bem colocadas, como o personagem Sylvester que é uma referencia direta a Sylvester Stallone e o personagem é o puro Rocky Balboa, com seu treinador Mickey e a esposa Adria que faz um belo macarrão (Rocky 5). Além de trabalhar bem com as referencias o Autor não deixa você se perder na historia e nem você fica sem vontade de ler. As gravuras no meio do lviro dando uma ideia da aparencia dos personagens foi uma bela sacada.

Pontos FRACOS: Achei a linguagem abordada na história moderna de mais (dado que o livro se passa na era medieval). O livro que peguei tinha muitos erros de edição como, comida de letras, palavras erradas e comidas de palavras. A qualidade da capa é bem ruim, começou a descascar muito rapido, mesmo estando com uma capa.

Bem é isso...
comentários(0)comente



17 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2