O Ladrão de Destinos

O Ladrão de Destinos Nanuka Andrade




Resenhas - O Ladrão de Destinos


8 encontrados | exibindo 1 a 8


Lucas 05/06/2016

"Um encontro pode ser coisa do acaso, mas um reencontro... ah, isso só pode ser obra do destino."
Há alguns dias eu iniciei a leitura de O Ladrão de Destinos e por diversas vezes eu me peguei refletindo sobre alguns pontos que me foi apresentado nessa história, e hoje, quando finalmente cheguei à última página, vim aqui contar para vocês o que achei dessa obra escrita pelo autor nacional Nanuka Andrade.

O Ladrão de Destinos é um livro jovem adulto que conta a história de Mayumi, uma garota que sofre de sonambulismo, e todas as vezes que se encontra nessa situação, coisas estranhas acontecem. Mayumi tem o espírito livre, ou seja, sempre que está dormindo, seu espírito sai do próprio corpo e vaga por um lugar desconhecido. Intrigada com a situação, a garota busca respostas para o que vem lhe acontecendo, até que o inesperado acontece: Mayumi morre.

Ao morrer, Mayumi vai parar naquele lugar em que sempre visitava em seus momentos de sonambulismo, porém dessa vez, sem a oportunidade de voltar para junto de sua família. O pior é que, ao morrer, a garota levou consigo o destino do irmãozinho que estava prestes a nascer. Inicia-se então uma grande aventura para devolver o destino da criança antes que seja tarde demais.

O que mais me chamou atenção nessa história foi o universo criado por Nanuka Andrade. O mundo dos mortos (será que posso chamá-lo assim?), é extremamente parecido com o mundo real, pois foi criado a partir da consciência e lembrança dos que ali estão. A explicação dada a todas as situações são muito convincentes, o que torna a leitura ainda mais intrigante.

Para ler a resenha completa, acesse o blog Nunca Desnorteados.

site: http://nuncadesnorteados.blogspot.com.br/2016/04/resenha-o-ladrao-de-destinos.html
comentários(0)comente



Mari Scotti 11/05/2016

Resenha no Blog Coração de Papel
A primeira coisa que me chamou a atenção foi a trama acontecer no bairro da Liberdade em São Paulo. Por ser uma fantasia, eu esperava um mundo diferente e fui gratamente surpreendida ao me deparar com ruas que eu já conhecia. Foi impossível não me lembrar das lanternas do livro Para continuar do Felipe Colbert! Apesar de as duas obras se passarem na mesma região, são completamente diferentes, no entanto, eu consigo ver os personagens se aventurando um pelo espaço do outro, afinal, em Para continuar a trama também envolve, de certa maneira, destinos.

Mayumi é uma garota de doze anos, mestiça de japoneses e chineses. Logo que a conhecemos descobrimos que um de seus maiores problemas é ser sonâmbula. No colégio ela sofre bullying por isso e em casa os pais não levam a sério esse problema, ignorando avisos para conversar com as freiras e responsáveis por sua filha no colégio. Quem a acolhe e orienta é um senhor chinês, dono de uma das inúmeras lojinhas do bairro: Sr. Lao.
Confesso que não compreendi bem o motivo de a escola achar tão horripilante ela ser sonâmbula e nem o motivo de uma garota de doze anos dormir na escola... se eu dormisse na escola levaria é uma boa de uma suspensão, isso sim! Mas isso são detalhes e como não conheço a cultura chinesa e menos ainda a japonesa, não posso opinar. Vai que os colégios são diferentes, né?
Matilda é uma das alunas no colégio e também uma das valentonas. Ela persegue Mayumi por ela ser sonâmbula e é responsável pelo início da aventura da nossa protagonista.
Os pais de Mayumi parecem tentar estar presentes na vida da filha e até mesmo auxiliá-la em suas dificuldades, mas a Sra. Chao está nos estágios finais de uma gestação e as atenções estão totalmente voltadas para o futuro bebê Chao. A mais velha tem muito ciúmes do menino e este também é um ponto crucial para a aventura dela se tornar ainda mais intensa e, de certa forma, apavorante.
O sonambulismo de Mayumi possui ligação direta com um dom que poucos possuem, o de se desligar do corpo enquanto dorme e viajar por um mundo de espíritos livres, mortos ou dormentes, como é o caso dela.
O Sr. Lao é quem a incentiva a tentar manter seu corpo inerte quando se desprende dele, pois ela costumava acordar em lugares inusitados em seus momentos de sonambulismo. Aos poucos ela percebe quando está dormindo e consegue manter seu corpo imóvel, enquanto descobre sobre o mundo dos sonhos ou dos mortos.
Explorar nem sempre é bom, e o Sr. Lao a alerta sobre isto também, para que ela não se perca em suas aventuras e não se envolva com pessoas ruins.
Algo inesperado acontece e Mayumi se vê exatamente onde não deveria, onde o Sr. Lao a alertou para não ir e, sendo uma criança, desconhecendo tudo sobre o mundo dos sonhos, ela pode ser usada para fazer o mal a quem ela ama ou irá amar, pois possui um tipo de poder que pessoas inescrupulosas desejam ter.



Leia a resenha completa em: http://mariscotti.blogspot.com.br/2016/05/resenha-o-ladrao-de-destinos.html

site: http://mariscotti.blogspot.com.br/2016/05/resenha-o-ladrao-de-destinos.html
comentários(0)comente



MiCandeloro 21/04/2016

Original e cheio de aventuras!
Mayumi é uma garota de 12 anos que tem uma característica muito peculiar: ela é sonâmbula e, por conta disso, sofre bullying no colégio de freiras no qual estuda. Matilde, uma de suas colegas, desaprova as suas perambuladas pela instituição enquanto dorme, pois acha que esse comportamento de Mayumi pode colocar a segurança do local em risco e, em razão disso, não hesita em machucar a menina, dando tabefes, puxando seus cabelos e jogado-a em latas de lixo, além de incitar outras estudantes a fazer o mesmo.

A jovem nunca contou sobre a perseguição que sofre aos pais. Eles não a entendem e não levam a sério o seu sonambulismo. Ademais, a Sra. Chen está grávida e, segundo Mayumi, a mãe só tem olhos para o pequeno e perfeito bebê Chen que está prestes a nascer. O único que está por dentro de todos os fatos e a quem Mayumi busca por socorro quando precisa é o Sr. Lao, dono de uma lojinha de antiguidades que fica próxima da escola.

Sr. Lao sempre pareceu saber das coisas, e aconselha Mayumi a controlar o seu corpo para que não a siga quando seu espírito se liberta no sono. Ao conseguir, Mayumi decide explorar o mundo dos sonhos, mesmo sabendo não ser uma atitude prudente a se tomar. Lá, ela conhece Flecha e aprende que a Orla é um local que abriga as pessoas que não estão nem-cá-nem-lá e onde mortos e dormentes e socializam.

Ao comer um bolo envenenado por Matilde, Mayumi está certa de ter morrido, já que presencia seu corpo inerte, caído na sala da diretoria, com a mãe ao lado numa expressão muito triste. Na tentativa de acalmá-la, acaba por atravessar o ventre da Sra. Chen e, descuidadamente, rouba o destino do irmão.

Ao voltar à Orla, precisará de ajuda dos amigos recém-feitos para devolver aquele destino, mas antes, descobrirá que aquele lugar esconde muitos segredos, perigos e malfeitores.

Será que Mayumi conseguirá cumprir o seu objetivo?

Querem saber o que vai acontecer? Então leiam!

***

O ladrão de destinos me conquistou completamente por causa da capa. Nem me dei ao trabalho de ler a sinopse, já que amo livros infantojuvenis e, por conta disso, me surpreendi por se tratar de uma obra nacional. Ademais, me espantei ao saber que todas as ilustrações divas contidas no exemplar foram feitas pelo autor! Uau, que talento.

Narrado em terceira pessoa, a história se destaca por tamanha originalidade. Não sei dizer até que ponto todos os elementos ali citados foram criados por Nanuka ou retirados da cultura oriental, já que o texto possui diversas referências à mitologia chinesa, a qual desconheço, mas de qualquer forma, bato palmas para a ambientação dos cenários e desenvolvimento da trama feita pelo autor.

Adorei a forma com a qual ele trabalhou a ideia do que seria o limbo, muito confundido com o lugar para onde vamos quando dormimos; explorando quem seriam os seus habitantes e como se daria a reencarnação das almas penadas em busca de redenção.

Por mais que eu tenha achado a leitura fluida e a escrita de Andrade impecável, tive muita dificuldade de me situar no enredo em diversos momentos, compreender alguns conceitos apresentados gradativamente e me afeiçoar aos personagens, o que prejudicou a minha análise do livro. A única que mais chamou a minha atenção foi a própria protagonista, que teve um salto de amadurecimento louvável no decorrer das páginas.

Para quem busca por uma obra de fantasia, cheia de ação, que discute o valor da amizade e da família, bem como questiona o quanto estamos atrelados aos nossos destinos, leiam O ladrão de destinos!

site: http://www.recantodami.com
comentários(0)comente



Karina.Motta 26/01/2016

Uma incrível viagem ao submundo dos sonhos!
A leitura deste livro foi uma grata surpresa, desde o ano passado tenho lido alguns autores nacionais contemporâneos que escrevem para adolescentes e me deliciado com histórias repletas de ação e aventura, em mundos criados com tanta verdade que participar da história é praticamente parte da leitura.
Além de escrever, Nanuka também é o ilustrador e seus desenhos são impressionantes, todo capítulo é iniciado por uma ilustração, deixando você ainda mais envolvido pelo enredo fantástico criado pelo autor.
A história é ambientada no famoso bairro da Liberdade em São Paulo e também na chamada “Velha Orla”, local onde Mayumi vai sempre que seu espirito solta-se do corpo.
Neste mundo sombrio encontrá-se com personagens carismáticos e assustadores como Flecha, Córmaco, Moscaridos e um tigre misterioso.
Aventure-se e descubra os motivos que levam um grupo de mortos a roubarem destinos!
comentários(0)comente



Cia do Leitor 19/02/2015

O Ladrão de Destinos
É chegado o momento de falar de um livro que me surpreendeu em 2014, o abri pensando que encontraria uma aventura Infanto-Juvenil e encontrei um tesouro para todas as idades.

Resenha:

Uma Linda história, uma fascinante aventura, um livro brilhante!
Estou inspirada e apaixonada pela obra.

Quem disse que no Brasil não temos ótimos escritores? Quem no momento de insanidade proliferou tal calúnia? Sou a prova viva (graças a Deus) que temos tesouros escondidos nesse mar literário. És que finalizei uma obra digna de aplausos, uma história de exímia sensibilidade que me cativou, vindo de um autor talentoso que sabiamente nos arrasta para uma trama criativa e reflexiva. Usando como alicerce o fascinante mundo oriental, suas culturas e hábitos.

Mayumi Chen, uma menina de 12 anos que mora no Bairro da Liberdade em São Paulo com seus pais, o casal chines Sr. e Sra. Chen e está prestes a ganhar um irmãozinho. É a partir daí que começa seu drama, como filha única sente-se insegura com a chegada de mais um membro na família que lhe tirará as atenções antes somente dela.

Mas, não era só isso que tirava o sono de Mayumi, ela sofria de sonambulismo, não era uma sonambula qualquer, definitivamente não. Dormia em qualquer lugar, bastava estar relaxada ou entediada para acontecer. Como nas diversas vezes em sua escola que durante a aula achava-se de aventurar em seus sonhos, e quando acordava estava sempre em posições e lugares constrangedores com uma plateia ora rindo das inusitadas peripécias, ora estavam assustados e preocupados com os riscos que ela corria.

Estudava em um colégio religioso e a todo momento era mandada para a sala da Madre para ouvir o sermão por ter dormido na sala de aula, por ter tido diante dos alunos mais uma crise de sonambulismo, atrapalhando a aula pois a turma ficava na completa algazarra. Consequentemente tornou-se alvo de implicâncias e isolamento.

As coisas pioraram quando Mayumi passa a ter sonhos estranhos e cada vez mais reais. Sonhou com um fusca vermelho estacionado em frente a sua casa e de dentro do carro encontrava o motorista que mal consegue identificar acenando e a chama.
Preocupada, ela desabafava e dividia suas aventuras do outro lado de sua consciência com o velho chines, Sr. Pengyou, que a compreendia e advertia dos perigos que estava prestes a viver. O Bom senhor também a salvava das investidas de Matilde, a aluna troncuda que implicava diariamente com sua condição de sonambula.

Mas, foi em um sonho induzido que Mayumi entra em uma aventura que mudaria o destino de todos que ela amava. Em sua crise de sonambulismo deparou-se vagando pelo plano entre o mundo material e o espiritual, mais conhecido por limbo ou Orla. E foi lá que fez novos amigos, meninos fascinantes e misteriosos. Com a ajuda de Flecha e Córmaco, Mayuri tentará libertar os destinos de crianças aprisionadas, inclusive de seu futuro irmãozinho.

Impressões:

Vamos la...*Suspirando*
Eu terminei o livro O Ladrão de destinos tão emocionada com o desfecho que só percebi o quão me afetou quando me deparei suspirando e lacrimejando.

Estava ansiosa para ler esta obra, já conhecia o belo trabalho de ilustrador e a escrita impecável de Nanuka Andrade desde sue primeiro livro Camundo, o desenho e a sombra. Mas, em O ladrão de destinos ele se superou, mesclou a sabedoria chinesa com as emoções de seu próprio coração e criou algo tão belo, tão original e tão mágico que fascinou!

Sim, é sempre fascinante histórias em que o tema é o "outro lado da vida", só que Nanuka foi mais além, ele abordou o que possivelmente acontece com o sonambulo enquanto dorme, não o que vimos, mas o que eles veem e vivem. A inclusão com o chamado fio que nos une o espírito à matéria. As explicações e a forma que foi abordada vários assuntos ligados ao mundo espiritual, reencarnação e destino. Tudo em uma aventura romântica e com uma boa dose de mistério, só fez o livro ficar mais incrível!

Eu questionei logo no inicio, fiquei indignada com a atitude dos adultos que exigiam que Mayumi se controlasse para não dormir, sair andando e se aventurando durante o sono. Mayumi não tinha culpa de ser sonambula, como controlar algo que fazia dormindo, ela estava inconsciente!! Foi injusto vê-la sendo repreendida por algo que estava fora de seu controle. que está fora do controle de qualquer um!

Os personagens são carismáticos, a protagonista vai amadurecendo na sua sabedoria e aprendizado, de alguma forma também vamos com ela aprendendo algumas coisas e juntas vamos nos emocionando. Os outros personagens, tomam rumos já predestinados pelo autor, mas que nos surpreende, o antagonista embora tenha sido criado para termos repulsa ou antipatia, chega um ponto da história que até nos comovemos e sentimos compaixão por ele, mas tudo no seu devido tempo.

A narrativa é deliciosa, bem fluida, rica no seu vocabulário, detalhes e descrições, tudo nos fascina e nos prende. Os capítulos se iniciam com ilustrações lindas do autor, tanto capricho, tanto zelo que dá gosto. A diagramação está perfeita e o conjunto da obra impecável!
Fica aqui a indicação, emocione-se também por essa historia brilhante!

Parabéns Nanuka por sua grande obra-prima!

site: http://ciadoleitor.blogspot.com.br/2015/02/resenha-o-ladrao-de-destinos-de-nanuka.html
comentários(0)comente



W Nascimento 27/10/2013

Original e encantador
Reunindo qualidade gráfica e literária, “O ladrão de destinos” se apresenta como um prato cheio para os fãs do gênero fantasia e para os amantes da literatura infanto juvenil. Além da originalidade do roteiro, sua história chama a atenção por incorporar elementos que muito lembram os antigos filmes da Disney, tanto no que diz respeito às ilustrações, quanto ao próprio enredamento da estória e constituição dos personagens. Detalhe esse que possui a capacidade de agradar tanto ao público jovem como adulto.
Ambientado na cidade de São Paulo, Mayumi Chen, jovem estudante de ascendência oriental, descobre-se portadora de uma habilidade especial: ela consegue vagar pelos dois planos que separam o que seria o mundo material do espiritual, ou o mundo dos despertos e dos adormecidos. Além desta capacidade única, por acidente, revela-se também para Mayumi um dom um tanto quanto perigoso. Ela tem o potencial para ser uma ladra de destinos.
Roubando por acidente o destino de seu irmão, que ainda se encontra na barriga de sua mãe, Mayumi tem que se colocar em uma aventura para reaver e devolver o brilho retirado do pequeno Chen. Conhecendo assim personagens misteriosos e fascinantes, atravessando planos fantásticos, e descobrindo segredos místicos, Mayumi, descobre em si não apenas uma ladra de destinos, mas também uma pessoa muito mais forte e destemida do que jamais se imaginou.
Nanuka traz para o cenário de “O ladrão de destinos” a influência da cultura oriental, elemento este bastante acrescentador para nossas livrarias atuais, saturadas da presença europeia e americana. E Mayumi é uma personagem fortemente impactada pela novidade do mundo em que se descobre e suas questões em muito apresentam nossas próprias indagações a respeito de questões primordiais: “quem nos somos?”, “para onde iremos?” e, acima de tudo, “o que fazemos aqui?”.
Nesse sentido, recomendo a leitura de “O ladrão de destinos”, pela sua originalidade, leveza e conteúdo, que nos enleva com uma história prazerosa, mas nos põe a questionar sobre assuntos que dizem respeito a todos. Afinal, qual seria o nosso destino neste mundo no qual vivemos, onde muitos possuem respostas, mas poucos se perguntam?
comentários(0)comente



fabriciovalerio 01/09/2013

Um universo como nunca vi igual!
Desde que Nanuka Andrade anunciou que seu livro "O Ladrão de Destinos" seria publicado pela editora Subtítulo, eu fiquei ansioso pra que fosse logo lançado. Pois bem antes de seu lançamento, tive a honra de acompanhar as primeiras ideias do escritor e toda a evolução das ilustrações da personagem principal, feitas pelo autor, que também é o ilustrador do livro. A sinopse já conhecia e me deixou fascinado desde que a vi pela primeira vez, pois adoro histórias que envolvam espíritos ou o plano espiritual. E tinha certeza que leria uma incrível aventura, já que Nanuka é um talentoso escritor, tem um vocabulário rico e grande imaginação.
A história portanto superou todas as minhas expectativas com tantos episódios extraordinários, cada um mais surpreendente que o outro. Fui teletransportado junto com a protagonista Mayumi para um universo mágico nunca antes imaginado, onde mortos e pessoas que estão sonhando convivem juntos. E nesse lugar imaterial, conhecido por Orla, tudo é sombrio e esverdeado, com névoas e seres translúcidos, em que muitos deles não sabem ao certo se estão desencarnados ou apenas vagando por ali enquanto dormem. Lá muita coisa parece com a terra, pois a mente coletiva recria várias coisas terrenas.
Com o dom do desdobramento astral, a personagem principal Mayumi, que é uma garota sonâmbula, consegue sair de seu corpo e mergulhar nesse mundo sobrenatural. E nele vive fantásticas aventuras no decorrer de sua alucinante busca ao destino roubado do irmãozinho.
No desenrolar da trama, muita coisa é revelada e fatos curiosos e inimagináveis acontecem, como uma espetacular chuva de espíritos cadentes e até mesmo destinos roubados que são moldados tornando-se esferas cintilantes.
A impressão que se dá é que tudo parece um grande sonho delirante e, como nos sonhos, coisas sem sentido acontecem a todo instante. A menina Mayumi me lembrou muito a Alice do País das Maravilhas, descobrindo uma dimensão extraordinária com criaturas e lógicas absurdas. E nessa dimensão onde o tempo e tudo parece ser uma ilusão, Mayumi conhece os espíritos de meninos que vivem submissos a um espectro nas ruínas de um grande barco encalhado, que me remeteu aos garotos perdidos da Terra do Nunca.
No decorrer de sua jornada, Mayumi presencia muitos enigmas serem desvendados e passa a compreender muita coisa do plano espiritual.
"O Ladrão de Destinos" é sem dúvida um grande livro que aborda o mundo espiritual, a reencarnação e o destino de uma maneira muito inteligente, criativa e original através de uma fantástica e inusitada aventura infanto-juvenil que te surpreenderá do começo ao fim.
comentários(0)comente



vollzin 20/08/2013

Resenha do livro “O Ladrão de Destinos”, de Nanuka Andrade
Mayumi vem enfrentando alguns problemas. A garota tem, por ser sonâmbula (e não a chame disso, ela não vai gostar!), tido problemas na escola, sendo perseguida por meninas que fazem bullying com ela por causa de seu problema. Além de acordar durante a noite longe de sua cama, ela tem presenciado coisas misteriosas quando levanta de seu sono. O velho Lao Pengyou, chinês dono de uma lojinha do bairro da Liberdade, além de proteger Mayumi de ser atacada por Matilde, sua ‘inimiga’ da escola, tem-na ajudado a enfrentar seu sonambulismo.

Lao tem tentado mostrar para a garota uma forma de ‘domar’ seu espírito e assim poder desbravar o mundo dos sonhos, sem que seu corpo a persiga. O velho chinês é misterioso e não agrada muito a mãe de Mayumi, a Sra. Chen — que está esperando um novo bebê, o que causa o ciúme da menina.

Mayumi consegue, enfim, deixar o seu corpo a dormir para trás e ir para A Orla, o mundo dos espíritos e dos dormentes. Na sua rápida estadia lá, ela conhece Flecha, um garoto que faz entrega de sanduíches e captura o misterioso...

(continua em Vollzin.com)

site: http://www.vollzin.com/2013/07/resenha-do-livro-o-ladrao-de-destinos-de-nanuka-andrade-com-promocao/
comentários(0)comente



8 encontrados | exibindo 1 a 8