Conselhos Amorosos de Emily Brontë

Conselhos Amorosos de Emily Brontë Emily Brontë




Resenhas - Conselhos Amorosos de Emily Brontë


13 encontrados | exibindo 1 a 13


Camila 22/06/2020

Enfadonho
Com esse livro aconteceu o que eu sempre temo que aconteça com qualquer leitura: achar que o livro será ruim e de fato ser (pelo menos na minha visão).

Primeiramente, o título não tem nada a ver com o livro. Não tem absolutamente nenhum conselho amoroso de Emily Brontë. Ela é apenas uma ídola da protagonista, mas nem aparece tanto assim. E sinto que quando aparece, é meio desconexa a relação com o restante da história.

Em segundo lugar, não gostei muito do modo como a narrativa se desenrolava. Muitas ações e descrições desnecessárias. ?Peguei a xícara de chá, coloquei leite e um torrão de açúcar. Me levantei, dei alguns passos em direção à porta. Toquei a maçaneta, girei em sentido horário e empurrei? (mais ou menos assim). Quem aguenta? Fora que a história em si parecia se arrastar até o fim.

Como é narrado em primeira pessoa, também me senti cansada de tanto pessimismo da narradora. Tudo bem que ela passou por maus bocados, mas ela só se lamentava, não se animava com nada, não sentia vontade de viver... se o livro fosse sobre alguém com depressão, faria muito mais sentido, mas pelo menos o leitor já se prepararia pra isso e o livro cumpriria com seu propósito.

Fora que, pra um livro que chama ?Conselhos amorosos de Emily Brontë?, acontece musta tragédia pra uma pessoa só lidar, o que, sinceramente, acabou dando a sensação de forçação de barra. A autora poderia ter escolhido uma tragédia ou duas pra construir a narrativa sobre e desenvolver bem as questões, mas ao invés disso jogou vários acontecimentos ruins, um atrás do outro.

Enfim, talvez fosse porque já não sou muito chegada em livros do gênero, mas não recomendaria essa leitura.
comentários(0)comente



Evelyn Ruani 25/04/2020

"Não importa o quanto a gente não goste da verdade, precisamos encará-la".

Quem me conhece deve imaginar porque eu escolhi ler esse livro!! Eu sou apaixonada pelo Morro dos Ventos Uivantes e qualquer livro que faça qualquer menção ao livro ou sua autora Emily Brönte chama minha atenção. Infelizmente esse não foi um caso feliz de livro escolhido pelo título ou pela capa.

Não, o livro não é de todo ruim. A autora teve grandes ideias e trata de assuntos bastante importantes e necessários como a perda de alguém da família, homossexualismo, primeiro relacionamento amoroso, gravidez na adolescência, porém não se aprofundou nestes assuntos, tratando tudo com muita superficialidade, de forma que fica difícil construir uma relação com os personagens e ter alguma emoção mais séria com os acontecimentos.

Além disso, apesar do título do livro, a autora Emily Brönte e sua obra são pouco citadas no livro. A premissa é de que Fiona, a protagonista, teria como modelo de vida e inspiração a autora do fantástico Morro dos Ventos Uivantes, mas afora ela tentar imitar o dia a dia da autora ainda na fase juvenil, uma visita da Escola a casa dos irmãos Brönte e uma leve relação feita de uma exposição da protagonista com a vida de Emily, essa premissa é pobremente explorada e Emily não chega nem a ser uma personagem secundária na história, como o título faz acreditar.

Ainda assim, tratando-se de um livro que trata da passagem da adolescência para a vida adulta e comparando-se a outras obras deste estilo, a autora abordou temas importantes e mostrou um cotidiano muito real e a vida como ela é, o que é muito positivo.
comentários(0)comente



sentilivros 27/03/2020

Acabei de ler o livro... Gostei mais do que esperava e não sei como falar sobre ele. Conta a história de amadurecimento de uma garota que passou por infortúnios que a marcaram profundamente. Tendo a alma de uma artista e fã de Emily Brontë, tenta sempre considerar, ver e investigar sobre ela.
O livro é simples e complexo ao mesmo tempo. Na vdd eu queria mais.
Gostei muito mesmo. Recomendo!!!
comentários(0)comente



Renata CCS 27/07/2016

E por onde andará Emily?
.
CONSELHOS AMOROSOS DE EMILY BRONTË é uma história tipicamente cotidiana sobre a passagem da adolescência para a vida adulta, com todas as aflições, incertezas e emoções que a transição provoca.

A protagonista é Fiona, irmã do meio de uma família simples da Escócia, amante de arte e fã de Emily Brontë. Muito introspectiva, com poucos amigos e com uma relação um tanto problemática com a família, Fiona somente consegue expressar seus sentimentos através de seus trabalhos de arte.

Fiona perde a mãe ainda na juventude, torna-se responsável pela família, já que pouco podia contar com o pai alcoólatra. Sua irmã mais nova engravida aos 15 anos, e para complicar ainda mais, a protagonista faz uma escolha amorosa completamente equivocada que a deixa angustiada e depressiva.

Acho que a autora, Anne Donavan, errou a mão ao tentar construir uma história explorando vários temas sérios ao mesmo tempo, como: gravidez na adolescência, alcoolismo, aborto, homossexualismo, entre outros. Assuntos importantes, sem dúvida, mas tratados de uma maneira muito superficial, não tendo se dedicado efetivamente a nenhum deles.

Emily Brontë, apesar de fazer parte do título do livro, não chega nem a ser uma coadjuvante na história. A escrita de Brontë é citada como uma espécie de modelo ou padrão a ser seguido por Fiona, e, de certa forma, a ajuda em suas inspirações e a conforta em algumas situações, mas exerce pouca influência na trama. Fiona até conta alguns fatos sobre sua escritora predileta, mas, em sua maioria, totalmente isolados do contexto. E não espere encontrar os tais conselhos amorosos, pois não aparecem como nada de concreto. Sem dúvida, a escolha do título para o português (o original é “Being Emily”) o deixou apelativo e totalmente deslocado na história.

Ironicamente, foi o título que me chamou a atenção. Queria saber que conselhos amorosos nos daria a autora de “O Morro dos Ventos Uivantes”, uma obra tão sombria que conseguiu chocar toda a sociedade vitoriana da época. Talvez esteja aí o meu desapontamento com a história. A verdade é que eu tinha outras expectativas em relação ao livro, impressões totalmente equivocadas.

Mas o livro tem lá os seus méritos, pois foge das temáticas tradicionais de literatura para jovens, trazendo as dificuldades impostas pela vida e retratando, mesmo que superficialmente, temas que cercam o universo dos jovens do século XXI.

Deve ser apenas um bom livro nas mãos da leitora errada.
Jiullia 13/01/2018minha estante
Também não curti muito, e não vi sentido no título usado pela autora. Um livro bom nas mãos de duas pessoas erradas...


Evelyn Ruani 25/04/2020minha estante
Senti exatamente a mesma coisa!!!




Tracy Anny 06/10/2014

QUINTA-FEIRA, 17 DE OUTUBRO DE 2013
Esse é um livro que promete ser de um jeito e no final das contas é totalmente diferente. Quando vi o título, achei que se tratasse de uma mesclagem de romance com autoajuda. Li O Morro dos Ventos Uivantes e como é um livro complexo em diversas partes, achei que Os Conselhos Amorosos de Emily Brontë se tratasse de algo nesse sentido. Mas devo dizer que esse livro me surpreendeu de uma maneira linda. De conselhos, conselhos mesmo, eu ainda estou procurando, porém a história é simples e muito cativante. É uma leitura leve sobre a transformação de menina em mulher.
"Se você está com tempo livre, dando sopa, há várias coisas para fazer nessa casa.
Normalmente eu me safaria a essa altura, mas desde que descobri a Emily, apenas sorrio e digo: "Ok, mamãe".
Pág. 6

Nesse livro, você conhece Fiona, uma criança que adora o livro de Emily Brontë e sabe tudo sobre sua vida. Uma garota que não chama a atenção, nem tem nada de especial ou grandioso em si. Ela é uma menina simples, que tem uma rotina tranquila com sua família, até que um acontecimento muda sua vida e a de todos ao seu redor.

Conselhos Amorosos de Emily Brontë, de Anne Donovan (Essência, 352 páginas, R$ 39,90), não é sobre fantasia ou algo inalcançável. Ele conta uma história que poderia ser real e com tantos detalhes e de uma maneira tão singela que emociona. E à medida que várias coisas vão acontecendo, não dá pra dizer que ela seja boba ou burra por fazer determinadas ações, porque a gente se põe no lugar dela e vê que acabaria fazendo as mesmas coisas.
Eu sabia que era bobagem minha esperar que ele fosse o mesmo velho Patrick, mas tudo havia mudado tanto, como se eu estivesse constantemente no mar, balançando e me movimentando de um lado para o outro sem ter qualquer chão concreto aos meus pés.
Pág. 170

Eu amei o livro e mesmo que ele só cite a Emily em alguns pontos, vale muito a pena ler e se deliciar com essa história. Só posso dizer que você vai se emocionar muito.

Beijinhos :)


site: http://www.meninadabahia.com.br/2013/10/conselhos-amorosos-de-emily-bronte-anne.html
comentários(0)comente



Psychobooks 21/07/2014

Classificado com 3.5 estrelas

Não se deixem enganar pelo título ruim: ele não faz justiça nenhuma ao livro.

- Enredo e Desenvolvimento do enredo

Em Conselhos Amorosos de Emily Brontë vemos o crescimento e amadurecimento de Fiona, que, entre a adolescência e a vida adulta, precisa lidar com diversos acontecimentos que a deixam confusa e sem saber como agir. Grande fã da obra de Emily Brontë, ela por vezes busca apoio e orientação nas palavras de sua escritora preferida.
O que temos ao longo do livro é um apanhado de situações pelas quais Fiona passou entre o final do ensino médio e o início da faculdade, acompanhando sempre seus pensamentos e sentimentos a respeito de suas experiências. Este é, acima de tudo, um livro de autodescoberta.

- Narrativa

A narrativa é feita em primeira pessoa, do ponto de vista de Fiona. A escrita é leve e dinâmica e flui bem, e o tamanho reduzido dos capítulos contribui para um ótimo ritmo de leitura.
Personagens

Para mim, os personagens são o ponto forte do livro: as irmãs gêmeas de Fiona, Rona e Mona, seu irmão mais velho, Patrick, seu pai, sua mãe, sua tia Janice, Jaswinder, um de seus amigos, e Amrik, seu irmão, são os que mais vemos ao longo da narrativa. Eles possuem características bastante diferentes uns dos outros, dando à obra uma riqueza incrível, e são surpreendentemente humanos - nada no comportamento deles parece forçado ou fora da realidade. Eles são tão bem-escritos e desenvolvidos que é possível sentir empatia por todos eles, em maior ou menor escala. Definitivamente, um dos melhores conjuntos de personagens que já li.

- Conclusão

Apesar de os personagens terem me agradado tanto, não consegui dar uma nota muito alta para o livro. Não me senti entediada durante a leitura e gostei de fazê-la, mas me senti um pouco enganada: o péssimo título e a sinopse dão a entender que teremos uma overdose de Emily Brontë e não é isso o que acontece. Fiona a admira e por vezes busca apoio e orientação em suas palavras, o que, acredito, todos fazemos com nossos autores preferidos, e só - tanto é que a presença de Emily Brontë na vida de Fiona é pontual (e no final achei que foi até um pouco forçada).

Outra coisa que não desceu muito para mim foi o final, que pareceu demais com o final de uma novela: o livro chega numa parte em que não há muita definição, há um corte, uma indicação "quatro anos depois" e a definição da narrativa. Acho que esse é tipo de livro para o qual um final aberto cairia como uma luva, e eu tendo a não gostar de cortes na narrativa, quando não podemos acompanhar o desenvolvimento dos personagens e só vemos seu "fim".

De qualquer forma, vale a pena a leitura principalmente pelos personagens, que são maravilhosos. Talvez, se eu não tivesse lido a sinopse, não teria esse sentimento de enganação que experimentei. Além disso, penso que a tradução do título merecia um cuidado maior, pois não reflete em nada o que é o livro. O título original, Being Emily (Sendo Emily, em tradução livre), já achei ruim, e a tradução só conseguiu piorá-lo.

"Legal significa que você vai no fluxo, sem incomodar ninguém, você não é nada de uma forma especial que possibilite alguém apontar para você, você é legal. Ninguém em "O morro dos ventos uivantes" é legal. Bom, mau, louco, sim, mas não legal."
Página 69


site: www.psychobooks.com.br
comentários(0)comente



Paulinha 07/02/2013

A vida é simplesmente do jeito que é
Simplesmente adorei o texto. A escrita, os diálogos, o enredo ... As referencias com as obras de Brontë que eu amo! Passei a amar tanto os personagens, que até quando eles tomam chá eu fazia também para mim. Acredite eles tomam muito chá neste livro.

Fiona é inteligente, meiga e capaz. Tem uma família excêntrica, mas que juntos se torna perfeita. Ela perde a mãe e muda de escola, lá ela conhece o Jas. Quem diria o destino junta mas também separa. Ele é sique, mas apaixonado por Shelley - poeta e escritor.

Eles são perfeitos juntos. Ambos tem um parente morto. Irmão que mora longe. Sonhos de um futuro concreto.

Ah, uma leitura ótima para um termino de semana.
comentários(0)comente



Vanessa Vieira 31/12/2012

Conselhos Amorosos de Emily Brontë_Anne Donovan
O livro Conselhos Amorosos de Emily Brontë, de Anne Donovan, nos conta a história de Fiona. Fiona é fã incontestável de Emily Brontë e busca inspiração na vida da autora de O Morro dos Ventos Uivantes. Vinda de uma família simples em Glasgow, Escócia, ela possui três irmãos, Patrick e as gêmeas Mona e Rona. Sua mãe acaba falecendo durante um parto, juntamente com a criança, e desde então seu pai se entrega às bebidas, permanecendo em um estado deplorável, absorto apenas em seus próprios pensamentos. Seu irmão mais velho, Patrick, decide se mudar para Londres, buscando otimizar a sua carreira profissional, e Fiona fica responsável pelo cuidado das irmãs mais novas, o que não é nada fácil, já que as garotas são bastante irritantes e mimadas.

Fiona sente como se o mundo estivesse desabando sobre suas costas e passa por momentos angustiantes. Os seus dons artísticos e sua forte inspiração por Emily Brontë servem como paliativos para a toda pressão que ela está sentindo, e a ajudam a superar uma série de acontecimentos, incluindo os seus primeiros casos amorosos. E, aos poucos, ela vai amadurecendo e se transformando em uma forte e firme mulher.

Conselhos Amorosos de Emily Brontë nos traz uma história envolvente e tipicamente cotidiana, com um ritmo bem fluído e gostoso. Narrado em primeira pessoa pela Fiona, acompanhamos sua passagem da infância para a vida adulta, com todos os seus anseios, incertezas e surpresas. A escritora Emily Brontë se torna um modelo, um exemplo a ser seguido pela garota, e isso acaba ajudando no seu despertar, sendo até mesmo uma válvula de escape de onde ela tira suas inspirações e desanuvia a mente dos seus problemas e chateações.

Fiona vem de uma família simples da Escócia, sem muitos luxos e ostentações. A sua passagem da adolescência para a vida adulta é narrada de uma forma tão gostosa e próxima ao real que só contribui para o desenrolar da trama. Acompanhamos suas primeiras decepções, tanto no âmbito amoroso quanto pessoal, e até mesmo um aborto. Ela é uma personagem forte e guerreira, e por tudo que enfrenta e os seus modos de se desviar dos obstáculos, incrivelmente humana.

"No século XXI, não vivemos assim, com amores grandiosos, paixões vastas como o oceano e puras como estrelas. Somos hesitantes e condicionais; todas as cláusulas de encerramento estão escritas desde o momento em que colocamos os olhos em alguém. Não acreditamos que há uma só pessoa para nós - experimentamos com nossos parceiros assim como encomendamos produtos na internet, sabendo que temos trinta dias para devolvê-los. Ninguém espera se casar sem antes morar com o parceiro, ou pelo menos sem antes dormir com ele, e se não funcionar há sempre o amigável, civilizado divórcio. Na nossa época, reconhecemos a verdade da natureza humana; a sociedade tem espaço para ela."
Gostei muito do livro de Anne Donovan, mas esperava encontrar um pouco mais sobre a Emily Brontë. Não que a história em si tenha me desagradado, longe disso, porém pelo título deduzi que conheceria um pouco mais a respeito dessa autora, o que não foi de todo verdade. Fiona nos narra alguns fatos sobre a Brontë mas em sua maioria isolados do contexto do livro, já que o mesmo gira em torno do seu amadurecimento e despertar para a feminilidade. Em suma, o livro é sobre uma garota fã da escritora, mas não temos muitas explicações e informações sobre a mesma em si, apenas no que concerne ao ponto de vista de Fiona.

Também gostei bastante da capa do livro, repleta de pétalas de rosa, que condiz bastante com a suavidade e profundidade do enredo. Quanto a diagramação, a única coisa que me incomodou um pouco foi a escrita do irmão de Fiona, que aparecia ao longo da história alternadamente entre "Patrick" e "Patric", mas creio que o correto seja a primeira opção. No mais, Anne Donovan nos brinda com um livro sutil e de escrita encantadora, que eu não deixo de recomendar.

http://www.newsnessa.com/2012/12/resenha-conselhos-amorosos-de-emily.html
Maria Luísa 28/02/2013minha estante
Interessei-me pelo livro.




Vânia 29/06/2012

Pra refletir: seus erros são seus e de mais ninguém.
Ao terminar a leitura fiquei me perguntando por quê este livro me cativou.
Não, não pense mal do livro. Ele é deliciosamente escrito, de uma forma que tudo parece fluir naturalmente.
A história de Fiona é uma história comum. Seus percalços a descobrir a si mesma através das muitas tragédias que vão ocorrendo em sua vida; a forma com que ela precisa amadurecer rapidamente a partir da morte da mãe e sua responsabilidade em cuidar de duas irmãs, as gêmeas, mais novas; a descoberta da paixão; as burradas que todo mundo comete...
Sua paixão pela família Brontë, em especial a escritora Emily, do Morro dos Ventos Uivantes, é o fio condutor de tudo. Ela encontra similaridades em sua vida e a da escritora; inspira-se para tomar as decisões que mais a aproximam de sua musa inspiradora. Mas, ao mesmo tempo, tudo ocorre de maneira tão diferente... Como não permitir o mesmo final trágico de Cathy e Heathcliff?
O livro é dividido em 3 partes, separados em diferença de tempo de 4 anos. Começa com a personagem em sua época que seria o ensino fundamental, parte para o útimo ano do ensino médio e faculdade e depois, sua fase adulta.

O porquê das pétalas de rosa você encontra lá pela pág 191.

Não é um livro de questões filosóficas profundas, ou de romance caliente, ou de tragédias gregas. É um livro que te faz pensar. Principalmente por dizer que assim como Fiona, eu e você somos fadados a ter problemas, medos, decepções, dissabores, segredos, mas que vale a pena cada momento porque você faz o seu caminho. E sempre há alguém do seu lado, como é próprio de ser...
comentários(0)comente



Fernanda 15/04/2012

Fui uma das vencedoras da promoção feita pela editora Planeta, no blog do selo essência, e tive a felicidade de receber a prova final do livro Conselhos Amorosos de Emily Bronte. A emoção de ler este livro antes do lançamento, foi quase proporcional ao sentimento relativo a história.

Quem já leu o livro de Emily Bronte sabe o termo conselheira não cabe à ela. Seu livro é repleto de confunção, erros, loucura, mas acima de tudo, é feito de uma emoção sem limites.
E a vida de Fiona é quase um reflexo moderno da história de sua ídola.
Com uma vida simples, mas muito contubarda em Glasgow, na Escócia, desde que sua mãe morreu, Fiona é a base de sua família. Com seu pai devastado pela tragédia, ela tenta controlar suas irmãs gêmeas sem limites, Rona e Mona, cuidar da casa e estudar. Patric, seu irmão mais velho, e o mais amigo, mora em Londres, então ela realmente se sente um tanto perdida.
Seu namorado, Jas, é uma ótima companhia. Ele é realmente diferente de tudo que ela poderia esperar. Eles tem em muito em comum, mas o que chama mais atenção é a paixão por escritores e o talento para arte. A relação entre eles é um porto no meio da tempestade de sua vida.
Infelizmente, Fiona é uma pessoa confusa. Sua vida realmente não é fácil, mas como um bom ser humano comum, ela consegue piorar. Certas atitudes mudam o rumo vida de Fiona permanentemente, e ela terá que conviver com o peso de suas escolhas. Ela passa sua vida inteira à procura de algo, e o leitor atrás de uma solução, mas de e para quê?
A leitura flui de forma leve, constratando com as barreiras que Fiona tem que encarar no decorrer da vida.

Com a narrativa em primeira pessoa e uma leitura simples, personagens bem estuturados e uma leitura agridoce, .Fiona nos apresenta sua vida desde a infância até a vida adulta sempre um um quê de dor que deixa o leitor angustiado. Mergulhamos em suas emoções, compartilhamos de seus erros, somos levados a observar a vida de uma mulher que não consegue se encontrar.

O livro respira uma emoção latente deliciosa e real. Sem falar que aborda de assuntos atuais à sentimentos existentes desde os tempos de Emily Brontë.
A autora, Anne Donavam, nos presenteia com um livro emocionante; por vezes, até fazendo paralelos com a vida e a história de Emily Brontë e sua família.
Erros, acertos, muitas dúvidas e algumas respostas... Fiona seria apenas mais uma mulher com problemas no mundo, não fosse por seu ponto de vista inteligente e suas emoções à flor da pele.

O livro Conselhos Amorosos de Emily Brontë não nos ensina a viver, nem amar... mas com certeza nos faz sentir.
comentários(0)comente



Books Friends & News 14/04/2012

Interessante
http://3.bp.blogspot.com/-yIBVeHffbY0/T30DcLUABYI/AAAAAAAADPM/sx1CSaeMxC0/s1600/RESENHA+CONSELHOS+AMOROSOS+DE+EMILY+BRONT%C3%8B.jpg

Esse é um dos livros que não tinha intenção de comprar, tinha visto no blog da editora Essência, até por não ser muito fã da Emily Brontë, apesar de O Morro dos Ventos Uivantes eu já li mais de uma vez, além de assistir os filmes de 1940 com o Lawrence Olivier e o de 1992 com Ralph Fiennes, acho o livro excelente, quem ainda não leu, recomendo e muito o livro.

Mas Conselhos Amorosos de Emily Brontë, é da autora Anne Donovan, a personagem principal do livro, Fiona, é uma grande fã da autora Emily Brontë, e que influencia em algumas decisões da sua vida, desde pessoais até profissionais.

Fiona, é a segunda filha de uma família de 3 irmãos, Mona e Rona, as gêmeas e Patrick o irmão mais velho, vivem em Glasgow, na Escócia, já no inicio Fiona nos mostra a presença de Brontë no seu cotidiano, ela compara o seu dia a dia a Brontë, já que Fiona não se limita apenas a obra, mas também na vida familiar da escritora com a dela.

Através dessa adoração pela autora, Jas o colega de classe de Fiona, que é apaixonado por Shelley se aproxima de Fiona, e começam um relacionamento, até essa parte do livro a vida de Fiona é comum, o primeiro namorado, a rotina familiar...

Porém após descobrir com ajuda de Jas um talento particular para artes, ela começa a ter outra perspectiva na vida, já que sempre se achou comum, vimos Fiona mais segura de si, porém com morte da mãe, Fiona se desestrutura um pouco e isso influencia sua vida amorosa, familiar e por um distanciamento de Brontë.

Não sei se a autora quis mostrar a insegurança e a mudança de vida de Fiona, as escolhas erradas, o desapego da família, uma visa amorosa vazia, gerou um afastamento de Brontë, até momentos da comparação tornam mais sarcásticos e depressivos, já li algumas resenhas, e não vi ninguém comentar essa situação, talvez seja apenas um ponto de vista próprio.

O livro é interessante por isso, quase sempre você tem raiva, ou fica indignada com as atitudes erradas da personagem, porém no caso de Fiona, você a entende todos os passos errados, e admira a força de superação da personagem, ela levanta vários questionamentos, e além da consciência dos seus erros, realmente muito interessante como a autora colocou a personagem cheia de problemas e como eles foram solucionados e superados.

Fiona é o narrador de todo o livro, então você tem se vê como Fiona o tempo todo, e em nenhum momento sentimos falta da visão dos outros personagens, acho que foi por isso que realmente admirei Fiona, e também vi como uma pessoa quase real, que errou, ou erraram com ela, e perdoo e foi perdoada, mostrando generosa em algumas situações, e mesmo se não fosse talvez não poderíamos classificar de ter tido atitudes egoístas.

Sinceramente é um livro despretensioso, às vezes algumas divagações da personagem um pouco cansativas, mas o desenvolvimento dos personagens, e o talento da autora juntar momentos da obra e da vida da autora Emily Brontë com momentos da vida da personagem, foram bem equilibrados, e transformar uma personagem fictícia em humana.

Para conferir a resenha completa com citações ilustrativas acessem -->>> http://www.guardiadameianoite.com.br/2012/04/resenha-conselhos-amorosos-de-emily.html

comentários(0)comente



naniedias 29/02/2012

Conselhos Amorosos de Emily Brontë, de Anne Donovan
Fiona é simplesmente a filha do meio. Com um irmão mais velho que parece ter alguma coisa diferente e duas irmãs, gêmeas, pouco mais novas, sua vida em família é sempre turbulenta. Mas ela não sabia o quanto sentiria falta até perder sua mãe. Aí sim as coisas ficariam complicadas.
Com o irmão trabalhando em Londres e o pai entregue às bebidas, ela terá que arcar com várias responsabilidades em casa. E ainda tem a faculdade - ela fica entre Letras, o que sempre sonhou, e artes, algo que cada vez mais mexe com ela - e o namorado.
Sempre pensando em sua escritora favorita - Emily Brontë - ela terá que lidar com as reviravoltas da vida.

O que eu achei do livro:
Cuidado! Esse título é completamente enganoso! Se você está pensando em ler esse livro porque acha que irá encontrar conselhos maravilhosos para se dar bem na sua vida amorosa: você está pensando no livro errado. Por outro lado, se você não quer ler esse livro porque acha que ele será algo como um livro de auto-ajuda, então, você também está errado.
Eu ganhei esse livro (na verdade eu li a prova, o livro só será enviado depois) em um concurso cultural do blog Essência. Quando vi falando sobre o livro, achei que encontraria realmente conselhos amorosos (a frase que usei na promoção até falava disso) e até fiquei pensando como poderiam vir de Emily Brontë - já que Cathy e Heathcliff, seus famosos protagonistas, têm um dos amores mais complicados que já li. Mas eu me enganhei, se tem uma coisa que não encontrei no livro foi justamente isso. Aliás, o melhor conselho é não fazer algumas das coisas que Fiona fez.
Conselhos Amorosos de Emily Brontë é um delicioso romance, que nos leva a conhecer Fiona e acompanhar um momento difícil na vida dessa adolescente, que de repente se vê tendo que tomar várias decisões importantes.
O título em inglês - Being Emily (algo como Sendo Emily em tradução livre) - é melhor do que o título nacional, mas também não achei que ele combinasse muito com a história. O leitor não tem ideia do que encontrará na leitura desse livro.
Com uma escrita simples, Anne Donovan cativa o leitor pela enxurrada de sentimentos que transborda das páginas de seu livro. Como não odiar Fiona? É, isso mesmo, odiar. A menina faz tudo errado - dá vontade de entrar na história e dar um puxão de orelhas nela. Em alguns momentos ela me lembrou a protagonista de O Céu Está em Todo Lugar: Fiona também perdeu alguém importante em sua vida - e esse foi o estopim para que ela se perdesse e começasse a fazer algumas coisas de maneira completamente errada. Mas apesar disso, do ódio, não tem como não se apaixonar por Fiona. Contraditório? Talvez, mas assim são os sentimentos verdadeiros. E assim se tornou a minha relação com Fiona.
Também adorei a forma como a autora cria os persoangens secundários. Em vários momentos eu quis ter um pouquinho mais deles em cena, de tão bem construídos. Jas é um personagem muito interessante, que gostei muito de acompanhar durante a leitura desse livro.
A autora conseguiu passar uma verdade na história que conta, que é quase como se pudéssemos acreditar que o que Fiona narra fosse baseadas em fatos reais. Como se a própria Fiona existisse e eu pudesse chamá-la para tomar um café da tarde aqui em casa amanhã.
Conselhos Amorosos de Emily Brontë é um romance delicioso, recheado de sentimentos, indicado para todas as românticas de plantão.

Nota: 8
Dificuldade de Leitura: 6

Leia mais resenhas em http://naniedias.blogspot.com
Martha 29/02/2012minha estante
Nanie, também achei que o título não combinou com o livro! De qualquer forma, a estória poderia se desenrolar sem a mensão de Emily Bronte, que no caso, acredito não modificar o enredo.


naniedias 29/02/2012minha estante
Martha eu até considero bacana a inserção da Emily Brontë no contexto e a fixação de Fiona por ela. Mas no título realmente não tem muito a ver, né?!




13 encontrados | exibindo 1 a 13