Os Miseráveis (Vol.2)

Os Miseráveis (Vol.2) Victor Hugo




Resenhas - Os miseráveis - 3 volumes


8 encontrados | exibindo 1 a 8


Dilei 30/05/2012

Cadeia para sempre?
Os Miseráveis, um dos romances mais amados de Victor Hugo, é como o "Notre Dame" de Paris, não só um clássico do mundo literário, mas também deu origem ao mais bem sucedido musical de todos os tempos. Com uma surpreendente combinação de ação, compaixão, sofrimento, fúria, perdão e amor, esta poderosa série televisiva relata a saga de um homem que lutou contra o sistema judicial da sua época, que condenava todos aqueles que tiveram a infelicidade de nascer pobres.Jean Valjean, depois de ter passado quase vinte anos na cadeia por roubar pão, emerge da sua condição de prisioneiro com fome de viver e disposto a levar uma vida honesta. Contudo o Inspetor Javert está convencido que um criminoso será sempre um criminoso, e que Valjean pertence a cadeia... Para sempre.
comentários(0)comente



Lalita 12/05/2010

O espelho social de Victor Hugo
Escrito pelo renomado autor francês Victor Hugo, Os Miseráveis é uma obra reconhecida e aclamada pelo publico desde 1862, sua primeira publicação. Nada mais que um espelho da sociedade, o livro é caracterizado pelos seus conflitos e pela intensidade de mostrar até que ponto o ser humano chega do amor ao ódio e vice - versa.
O livro retrata a estória de um homem humilde, Jean Valjean, que para matar a fome, rouba um pão e é preso, condenado há 19 anos. Ao sair, depara-se com um mundo preconceituoso que não o aceito, por ser um ex-grilheta. Entretanto, ao longo do caminho ele se hospeda na casa de um bispo, o qual ele rouba e é recapturado.
Porém, ao ser levado de volta, o bispo nega aos guardas que ele tenha roubado algo, a partir dessa ação, a vida de Jean Valjean muda, ele vê que apesar de tanto preconceito vale a pena ser bom, pois o único homem que tinha razões pra acusá-lo o defende.
Jean Valjean a partir desse momento muda de vida e tenta fazer benfeitorias a toda à sociedade sem esperar nada em troca, mesmo sabendo que muitas das pessoas que ele beneficia desejam e planejam seu mau.
O livro realmente faz um analise da sociedade, caracterizada por seus personagens fortes, sua narrativa social em que o mito e a fantasia formam uma trama complexa, descrevendo a injustiça social da França do século XIX,a mesma que se aplica aos dias de hoje mostrando uma sociedade cada vez mais desigual e corrupta.
comentários(0)comente



Dirce 01/04/2010

É possível escolher ser protagonista ou vítima?
Garimpando em um sebo da minha cidade, deparei-me com 3 volumes da obra Os Miseráveis com uma bela encadernação ,muito bem conservados e a sensação que tive foi que me sussurravam de forma irresistível : nos leve. Pois é, então... e acabaram permanecendo por um bom tempo na “geladeira” a espera da minha boa vontade em me aventurar nesse romance. Eu disse romance? Que qualificação inadequada! Os Miseráveis me pareceu muito mais um livro de Sociologia onde Paris do século XIX parece figurar como protagonista mor. Um livro no qual Vitor Hugo, para denunciar a injustiça social reinante, cria os personagens : Jean Valjean, Bispo Myriel, Fantine, Javert, Cosette , Thénardier, Éponine, Gavroche Marius, e outros menos relevantes.
Durante a leitura naõ pude deixar de me lembrar de uma frase do Sartre ( ele, again) que diz mais ou menos assim: - “Não importa o que a vida fez com você, e sim, o que você faz com aquilo que a vida fez com você” e que eu troquei nos “miúdos” : como você vai conduzir sua vida, como vítima ou protagonista?
Mas será? Será que a Fantine, a pequena Cosette, Éponine, Gavroche e demais crianças de Vitor Hugo e as nossas Fantine, nossas pequenas Cosette ,nossas Éponine, nossos Gavroches e demais crianças do nosso Brasil , um país que formado de vários brasis, teriam condições de conduzirem suas vidas como protagonista?
Jean Valjean encontrou uma “ boa alma” e, entendo, que as duras penas conseguiu. Cosette também teve seu anjo guardião, mas e todos os demais que não tiveram a mesma sorte? A eles não lhes foi dado escolhas e só lhes restou a triste realidade: não tinham meios de se conduzirem como protagonista.
A pequena Cosette, o menino Gavroche e seus dois irmãos me tocaram de forma pungente – retratam os filhos dos Thénardier que nos deparamos nos semáforos e nos noticiários diários e, essa triste constatação, me levou a não só sofrer por eles, mas também sofrer com eles.
Ainda que se “pese” alguns relatos um tanto quanto prolixos, não pude deixar de considerar Os Miseráveis uma obra magistral, porém, tive que pagar um preço: terminei a leitura com a sensação incômoda de fazer parte dos grupos de miseráveis que permitem que haja mais vítimas do que protagonistas.
comentários(0)comente

cid 16/04/2010minha estante
Dirce querida, maravilhosa a sua resenha. Um verdadeiro tratado sociológico. E como Victor HUgo é atual, nesse nosso mundo onde a miséria ainda impera. Um abraço

Cid




Mateus 02/03/2010

Os Miseráveis é a leitura essencial para todas as pessoas de todo o mundo. Posso dizer, sem pestanejar, que esse livro é um dos mais belos e mais maravilhosos de todos os tempos. Victor Hugo é um dos melhores escritores que já existiu. Seu jeito de escrever é sensacional, nos prende, nos faz sonhar, nos faz fazer parte do livro. As desgraças dos personagens nos comovem tanto que me sentia mal o livro inteiro, vendo que meus problemas não eram nada comparados aos deles.
Talvez muitos titubeiem ao ver tamanha obra, mas eu digo: vale a pena. Cada página é única. Como em todo livro realmente grande, Os Miseráveis tem suas partes chatas. Algumas com relatos de Paris no século XIX eram totalemtene desnecessárias à leitura, confesso que até pulei um capítulo (que não fez realmente diferença nenhuma), mas insisto para que não desistam de lê-lo.
Jean Valjean, Cossete, Chantine, os casais Thénardier, o inspetor Javert, todos os personagens desse livro, por mais hipócritas e perversos que alguns sejam, são todos sensacionais. Quando deitava após ler um pouco, sentia meus sonhos embalados por esses personagens. Eram meus amigos, meus companheiros. Quando acabei de ler, ao deitar a noite, senti como se algo estivesse faltando em mim. Sim, meus amigos não estavam mais lá.
Enfim, valeu a pena ler 1488 páginas? Valeu! Valeu a pena ter lido Os Miseráveis? Valeu! Quem lê esse livro, nunca mais esquece, pode ter certeza. É um livro para se lembrar durante toda a vida. Incrível e belíssimo.
Gláucia 22/08/2010minha estante
Qual capítulo vc pulou? Por acaso foi a descrição doa esgotos de Paris?


Mateus 22/08/2010minha estante
Não lembro qual foi o capítulo que eu pulei, acho que foi um que começa a falar da política da França. Mas esse capítulo dos esgotos de Paris quase pulei também, só não fiz isso pq sou muito persistente!


Milena Karla - Mika 25/03/2012minha estante
Caraca!! Nunca encontrei um livro com tantas páginas que não fosse A Bíblia, mas bem que eu gostaria. Tenho Os Miseráveis aqui em casa,mas nunca me interessei por medo de me sentir triste e tal, mas graças a sua resenha resolvi lê-lo!


Mateus 18/04/2012minha estante
A tristeza é predominante durante o livro todo, Mika, disso não há dúvidas. Mas pode apostar que se você ler vai se emocionar muito e se apaixonar por essa grande obra assim como eu.


Milena Karla - Mika 15/06/2012minha estante
Eu já li Mateus. E você tinha toda a razão! Me apaixonei assim como você.

Realmente, a tristeza predomina, mas eu fiquei feliz por Cosette quando Jean a adotou. Me emocionei bastante e acabei de ler tem algumas horas, então ainda estou com o efeito do fim do Livro em mim. Nunca esquecerei esse Livro. E assim como você eu li e fui dormir e não deu outra: sonhei com os personagens também! Sonhei com Jean Valjean, eu estava falando algo com ele, e Javert e Cosette estavam por perto... haha, foi uma ótima leitura.
Obrigada por me incentivar a ler esse Livro(:




Renata G. 13/09/2009

Maravilhoso!
Adorei o livro, muito emocionante, principalmente no final.. Faz realmente refletirmos sobre a vida e a regência da tal "providência" sobre ela. Demorou mas valeu a pena!
comentários(0)comente



Jumpin J. Flash 19/08/2009

Impressionante!
Ninguém pode passar pela vida sem ler Os Miseráveis. Não conhecer a história de Jean Valjean, de Cosette, do bispo de Digne, de Javert e dos temíveis Thenardier é não conhecer nada de literatura. Esse livro é garantia de emoção e inspiração para o Bem. Imperdível!!
Gláucia 22/07/2010minha estante
É difícil fazer resenha deste livro, pois ele é perfeito, em cada palavra, cada personagem. Não dá para descrever. Obrigatório mas com muito prazer.


Lívia 02/06/2014minha estante
Interessante! Vou adicionar a minha lista.




Abel Sidney 05/07/2009

Muitas versões em livro, filme e série de TV
Li esta obra em três versões: a infanto-juvenil; a mais encorpada,anos depois e a completa, em 7 (sete) volumes, sob empréstimo.

Assisti ainda a 2 (duas) versões cinematográficas (sei que existem mais) e uma série na TV.

Um clássico como este, que consegue ser um panorama de época e ao mesmo tempo transcende suas "datações", merece ser degustado em sua versão "a mais integral possível".

Na época em foi lançado os editores propuseram ao autor que este eliminasse "os excessos filosóficos" e deixasse apenas "a ação" do romance... Ele, sabiamente, recusou-se. Caso tivesse cedido à tentação de ganhar mais leitores por este expediente a obra deixaria de ter o vulto que conquistou.

Os Miseráveis é obra, pois, de ação e reflexão, de meditação acerca da natureza humana, além de oferecer um vasto painel da miséria e grandeza de homens, mulheres e crianças que desfilam em suas páginas, personagens sempre atualizados, pois que eternos.

É possível, pois, encontrarmos por aí muitos Jean Valjean, muitos Thenardie, muitas Cosette, Fantine...

Enfim, é livro para se levar para qualquer "ilha deserta", em qualquer época.
comentários(0)comente

Assis Editora 16/11/2010minha estante
Os Miseráveis é um livro muito interessante. Daqueles que, após lê-lo, custamos parar de pensar nele. É uma boa literatura.




8 encontrados | exibindo 1 a 8