Crítica da Razão Prática

Crítica da Razão Prática Immanuel Kant




Resenhas - Crítica da razão prática


3 encontrados | exibindo 1 a 3


Lista de Livros 26/07/2017

Lista de livros: Crítica da Razão Prática – Immanuel Kant
Parte I:
“Ser consequente é a máxima obrigação do filósofo; entretanto, é o que menos se observa. As antigas escolas gregas nos apresentam muitos exemplos dessas virtudes, exemplos que não encontramos nesta época sincretística, na qual se constroem com princípios totalmente contraditórios sistemas conciliadores, destituídos de solidez e boa fé, porque se recomendam melhor a um público que se satisfaz com saber um pouco de tudo, sem saber afinal coisa alguma, pretendendo, contudo, tratar de todos os assuntos.”
*
“A quem convém o efeito convirá também a causa.”
*
“Age de tal modo que a máxima de tua vontade possa valer-te sempre como princípio de uma legislação universal. (...)
A regra prática é, portanto, incondicionada, sendo, por consequência, representada como proposição categoricamente a priori, em virtude da qual a vontade é determinada, objetiva, absoluta e imediatamente (pela mesma regra prática que aqui, evidentemente, é lei). Com efeito, a razão pura, em si mesma prática, aqui resulta imediatamente legisladora. A vontade é concebida como independente de condições empíricas e, por conseguinte, como vontade pura, determinada mediante a simples forma da lei, sendo esse motivo de determinação considerado como a suprema condição de todas as máximas.”
*
Mais em:
http://listadelivros-doney.blogspot.com.br/2017/07/critica-da-razao-pratica-parte-i.html
*
Parte II:
“O sumo bem só é possível no mundo enquanto for admitida uma causa superior da natureza, causa essa que encerre uma causalidade consoante à disposição de ânimo moral. Um ser, portanto, que é capaz de ações segundo a representação de leis, constitui uma inteligência (ser racional), sendo a causalidade de um ser semelhante, segundo essa representação das leis, uma vontade do mesmo. Assim, portanto, a causa suprema da natureza, enquanto for ela um pressuposto para o sumo bem, é um ser que, por razão e vontade, constitui a causa (consequentemente, é o autor) da natureza, isto é, Deus. Por conseguinte, o postulado da possibilidade do sumo bem derivado (um mundo ótimo) é ao mesmo tempo o postulado da realidade de um sumo bem originário, isto é, da existência de Deus. Constituía um dever imposto a nós mesmos fomentar o sumo bem; por isso, não só era um direito mas também uma necessidade arraigada ao dever, como exigência, pressupor a possibilidade deste supremo bem, o qual, ocorrendo apenas sob a condição da existência de Deus, congloba inseparavelmente a suposição do mesmo para com o dever, isto é, torna-se moralmente necessário admitir a existência de Deus.
*
“Acredita sempre que é uma abominável iniquidade preferir a vida à honra, e por amor à vida perder o que a torna digna de ser vivida.” (Juvenal)
*
“Por fim, acabamos por amar aquilo que consideramos como fator principal de conhecimentos amplos no uso mais extenso de nossas faculdades cognoscitivas, extensão esta que devemos precisamente e de forma especial àquilo onde encontramos a exatidão moral, porquanto nessa ordem de coisas podemos encontrar a razão perfeitamente enquadrada nos seus limites quando pode determinar a priori, segundo certos princípios, o que deva ocorrer.”
*
Mais em:

site: http://listadelivros-doney.blogspot.com.br/2017/07/critica-da-razao-pratica-parte-ii.html
comentários(0)comente



Luan 06/10/2013

O descobrimento da moral
Este livro me marcou profundamente, nunca tinha lido um escrito tão profundo sobre a moral (ou ética, para alguns). O livro apresenta a tentativa de Kant de encontrar as leis que regem a moralidade humana e esclarecer a sua dinâmica na realidade. O autor faz uma análise da moral universal pura relacionada a uma razão pura universal (o que alguns podem chamar de Deus) e que o homem não pode alcançar e, ainda que alcance, nunca pode ter certeza dela, e uma análise da moral individual do ser individualizado, uma moral em construção direcionada à verdade e relacionada a uma razão em processo de aperfeiçoamento constante, é uma visão progressista do homem. Na leitura é preciso que se desconsiderem partes com fundamentos menos sólidos sobre temas análogos, mas que não prejudicam sua análise excepcional da moral. Para mim, em toda a história humana, é o livro que mais profundamente tratou sobre a moral. Para mim, se destaca no livro o estabelecimento de um método que permite ao homem enxergar a sua moralidade como algo que se liga à sua razão, não se ligando a qualquer força mística.
comentários(0)comente



Nandprogger 28/04/2011

Um ótimo manual de ética
Adoro as leituras de Kant, porque por mais que sejam densas, não podemos dizer que não são profundas > Ele explica o papel da lei moral, seus fundamentos e sua necessidade; de forma que estejamos seguros do que estamos lendo . Existem outros tipos de ética mas a de Kant é minha favorita
comentários(0)comente



3 encontrados | exibindo 1 a 3