O Fantasma de Canterville, O Príncipe Feliz

O Fantasma de Canterville, O Príncipe Feliz Oscar Wilde




Resenhas - O Fantasma de Canterville, O Príncipe Feliz


8 encontrados | exibindo 1 a 8


Ana Beatriz Rosa Alves 14/01/2019

Um dos contos mais famosos de Oscar Wilde e o outro eu nunca tinha ouvido falar mas foi o melhor, na verdade não sei, os dois são maravilhosos!
Não gosto muito de contos mas esses são realmente muito bons, no primeiro temos uma família americana que se muda para uma mansão assombrada e acabam com a auto-estima do fantasminha e no segundo conto temos uma andorinha que morre de frio porque fica ajudando os pobres que uma estátua fica vendo,triste porém bem doido.
ADOREI!
comentários(0)comente



Camila 30/07/2018

O Fantasma de Canterville - O Príncipe Feliz
Esses dois contos e Oscar Wilde nos transporta para uma leitura fantástica e apaixonante.

O Fantasma de Canterville vive tranquilo em seu castelo até o momento em que uma família americana do diplomata Otis chega para residir e tirar a sua paz e "assombrá-lo". O enredo é muito eletrizante, pois nos surpreende em suas páginas com sua versatilidade e sagacidade na construção de sua trama.

O Príncipe Feliz nos remete a um romance apaixonante entre a estátua do Príncipe Feliz e de uma andorinha. O Príncipe e a andorinha criam um laço muito bonito, uma vez que o Príncipe descobre as mazelas de sua população e tenta ajudar cada um com as riqueza que existiam nele.

Wilde é profundo mesmo trabalhando no universo do realismo fantástico, de certa forma eles são humanizados e nos faz ter uma empatia genuína com cada um desses personagens.
comentários(0)comente



Na Literatura Selvagem 05/12/2015

[Resenha Dupla] O fantasma de Canterville e O príncipe feliz
Em 30 de novembro de 1900 morria Oscar Wilde, polêmico escritor do século XIX, que teve um conturbado relacionamento homoafetivo em plena era vitoriana e com seus escritos desafiou a aristocracia inglesa com suas críticas mordazes contra as falsas e moralistas convenções sociais da época...

Oscar é um de meus autores preferidos, e a primeira obra que li dele chama-se O Fantasma de Canterville, seguido de O príncipe Feliz. A Editora Paz e Terra lançou uma pequena edição com as duas histórias e são elas que trago hoje a vocês, numa pequena ode ao grande e refinado escritor que ele foi...

A soberba de Wilde é inerente à seus escritos. Sua obra mais famosa é O retrato de Dorian Gray. Escreveu peças como Salomé - baseada na história do João Batista bíblico, entre outros contos magistrais... Mas em outra ocasião propícia falarei sobre estas outras obras. Vamos nos atentar à Canterville...


O ministro americano Sr. Hiram B. Otis comprou a Canterville Chase, não imaginaria que iria herdar junto com a propriedade um ilustre fantasma da família Canterville, que assombrava a propriedade há pelo menos 300 anos. Porém, sua racionalidade impedia-o de acreditar em alguma presença fantasmagórica e se mudou com sua família assim mesmo. Logo o fantasma se faz presente, e é recebido com desdém por parte de alguns membros da família em algumas situações inusitadas...

Leia mais em

site: http://torporniilista.blogspot.com.br/2015/11/resenha-dupla-o-fantasma-de-canterville.html
comentários(0)comente



Dose Literária 20/02/2013

Depois destes contos me encantei por Oscar Wilde!
No primeiro conto “O Fantasma de Canterville”, a família norte-americana do diplomata Sr. Otis, absolutamente cética, ignora todos os avisos dos antigos moradores sobre almas penadas residirem na propriedade há mais de 300 anos e acabam comprando a Reserva de Caça Canterville, na Inglaterra. Logo nos primeiros dias a família Otis se depara com alguns dos artifícios que o fantasma encontra para assustar e expulsar a família, mas a mesma desmistifica todos os eventos sobrenaturais, e ao contrário do que se esperava, a família prega peças no fantasma que de fato existe e reside na mansão. Depois de várias tentativas frustradas e deveras cômicas quem de verdade é assustado é o pobre fantasma, que só encontra o merecido descanso eterno depois de fazer um pedido à doce e cativante Virgínia, filha do casal Otis. A intenção de Oscar Wilde com o conto é clara ao objetivar a desconstrução das crenças tradicionais e fazer uma crítica a sociedade inglesa vitoriana.
Este conto já recebeu diversas adaptações no cinema, TV e quadrinhos, devido ao inusitado enredo em que “o feitiço volta-se contra o feiticeiro”.
Continue lendo... http://www.doseliteraria.com.br/2012/08/duas-doses-de-oscar-wilde.html
comentários(0)comente



Cris 06/10/2012

Irônico e atual
Quando comprei imaginava que o Fantasma de Canterville seria um pouquiiiinho assustador... Não poderia ser mais diferente! Me surpreendi com o desenrolar que ele deu à história, que vai ligeiramente contra o curso natural desse tipo de literatura e dá um tom irônico ao conto. O fantasma não assusta??? rs...

Já O príncipe feliz é um dos contos mais bonitinhos que já tive a oportunidade de ler. De verdade. É uma história simples e tão singela, que demonstra a compaixão de que o ser humano é capaz com o próximo, mas que nem todos a utilizam.

Na verdade os dois contos expressam esse mesmo sentimento. E por isso mesmo, títulos aparentemente tão diferentes foram reunidos no mesmo livro.

Acredito que a maior intenção de Oscar foi de fazer uma crítica aos valores da sociedade da época, que hipócrita e egoísta importava-se apenas com a riqueza e aparências enquanto o povo vivia em condições degradantes, como demonstra em O Príncipe. Porém sua crítica continua atual até os dias de hoje.
comentários(0)comente



Guting 29/07/2011

Leitura Legal.
Bem em se tratando de Oscar Wilde, até que são dois contos bem legais. O que fala do fantasma é bem interessante, pois além de engraçado consegue revelar um lado dramático. O do príncipe é bacana pelo fato de como é conduzida o conto. Trazem algumas lições de vida para as pessoas. Leitura gostosa e rápida.
comentários(0)comente



Paulo 04/05/2010

Comentário
Dois belíssimos contos em edição de bolso.

Demonstram a surpreendente inventividade do autor, em geral baseada na notável capacidade de divagar nas peripécias do enredo - assim como nos diálogos - sempre, contudo, respeitando uma estrutura que vai se organizando de maneira relativamente imprevisível.
comentários(0)comente



Giliade 23/02/2010

Uma deliciosa sátira social!
Os dois contos contidos nesse pequeno e inexpressivo livro, a julgar por sua edição de papel jornal e tamanho injustificável, em se tratando da magnitude de Oscar Wilde, não chegam a representar um fator determinante. Até porque, os problemas com a edição são rapidamente esquecidos ao findar da primeira página.
Em o Fantasma de Canterville, uma família norte-americana, absolutamente cética, compra um castelo mal-assombrado. Apesar de serem advertidos pelos antigos donos de que estavam comprando um castelo mal-assombrado, a família não se intimida pelas advertências. Por fim, quem de fato é assustado é o pobre fantasma, que só encontra o merecido descanso eterno, depois de 'papear' por um longo período com a doce e cativante filha do casal. A intenção de Oscar Wilde com o conto é clara ao objetivar a desconstrução dos mitos e crenças tradicionais.
O Príncipe Feliz é uma fábula magnífica sobre a grandeza do amor. Depois de viver em um castelo cercado de luxo e mordomias sem conhecer a realidade social de seu povo, o príncipe é transformado em estátua e colocado em uma região que possibilita uma visão panorâmica da cidade que circundava seu castelo. A partir de sua localização, o príncipe passa a conhecer a realidade miserável de sua gente e todas as noites derrama lágrimas ao presenciar tanto sofrimento. A realidade muda a partir de uma andorinha que se perde de seu grupo e passa uma noite aos pés do príncipe para se proteger da chuva e do frio. As lágrimas que caem do rosto do príncipe comovem a pequena andorinha que ao conversar com o príncipe descobre os anseios que perdura em seu nobre coração. Essa amizade muda a realidade social e tem um desfecho absolutamente saboroso.
Leia sem pestanejar!
comentários(0)comente

Fabio 23/02/2010minha estante
Po, eu li esse conto do fantasma há muitos anos, me lembrava vagamente. Muito bom relembrá-lo através de sua resenha. O outro acho que não li. Abraço, cara.




8 encontrados | exibindo 1 a 8