Frozen - Mundo de Gelo, Coração de Fogo

Frozen - Mundo de Gelo, Coração de Fogo Melissa de la Cruz




Resenhas - Frozen


8 encontrados | exibindo 1 a 8


celdera 14/12/2016

Frozen- Mundo de gelo , Coração de fogo
Um novo mundo , em que o gelo predomina, e com ele a miséria e o medo,mas existe uma esperança um lugar aonde tudo é diferente , e está na mão de uma menina que também não é igual as outras.
comentários(0)comente



Bia 25/02/2017

Resenha - Frozen
Eu estava esperando ter a Trilogia completa para começar a ler esse livro, mas a capa é tão linda e a sinopse me chamava tanta atenção que acabei não aguentando.

As paginas são brancas (triste) a fonte é grande, a capa linda e maravilhosa com o título em relevo. Têm cinquenta e dois capítulos bem curtinhos narrados por Nat e Wes.

O mundo que conhecemos foi congelado, neve e gelo para todos os lados, uma camada muito grossa de frio. Não há verão, primavera, outono. Só inverno. Como isso aconteceu? Um mistério fragmentado. Tudo que se sabe é que o mundo foi destruído, o EUA não é mais o mesmo, não apenas o gelo matou metade da população, mas o novo governo também.
Mas existe uma lenda que conta sobre um lugar, um portal, que trás o mundo como era antes. Um lugar onde havia calor, grama, árvores, flores, e alimentos que deixaram de existir nesse mundo congelado. Azul. Um lugar banhado de magia e paz, um lugar para sobreviver. Mas não é fácil chegar em Azul, ninguém sabe exatamente o caminho, muitos acreditam que é só uma história, não é real. Mas existem aqueles que acreditam e enfrentam os perigos cruzando o alto mar atrás do Azul.
Nat não é uma garota normal, ela nem sabe o que ela é especificamente. Ela é marcada, uma marca que aos olhos das pessoas normais é uma aberração, um monstro. Pessoas como Nat que são marcadas possuem os olhos anormalmente coloridos como: azul e vermelho, verde e dourado, branco como a neve, prata e laranja, etc. É assim que os humanos identificam as criaturas marcadas entre eles e, claro, as marcas que possuem (para aqueles que têm a marca em lugares visíveis).
Nat está a procura do Azul, ela não sabe o que, mas a algo que ela precisa fazer que não envolve apenas sobreviver. Com a ajuda das lentes Nat consegue se passar por humana e trabalha em um cassino em Nova Vegas, a procura de atravessadores (marinheiros).
Com a ajuda de Wes (um atravessador) juntos irão velejar pelo oceano em busca do Azul. Mas não é tão fácil como parece, com esse novo mundo e novas ordens/governo as coisas estão rigorosas não apenas em terra firme como também no mar… Isso sem falar das criaturas.

Melissa De La Cruz, conheço essa autora de Blue Blods (uma seria publicado pela Editora ID que já fechou e infelizmente não terminou de publicar essa série) e também do livro As Feiticeiras de East End. Os livros dela são sempre muito confusos! Historias legais, mas contadas de uma maneira confusa. Eu esperava por isso quando comecei a ler esse livro. Ele inicia de uma maneira confusa e Diva assim praticamente o livro inteiro porque ela não explica o que aconteceu com o mundo, e o que aconteceu com certas criaturas, o que aconteceu com várias pessoas e locais. Ela deixa tudo muito vago.
Nat é uma personagem bem interessante, gostei de sua coragem e força. Uma personagem observadora e misteriosa, inteligente. Mas também um pouco sem graça, na maior parte do tempo ela só observa… é um mistério o livro inteiro que tipo de marcada ela é, porque cada marcado tem uma marca em formatos diferentes e que indicam o poder específico deles. Só descobrimos quem ela é nas últimas dez paginas do livro.
Wes é divertido, um personagem jovem, inteligente, lutador e um leal amigo e um bom chef. Ele tem um passado com sua família bem ruim (e também um passado com suas ações no passado) que o perturba até hoje, sua Irmã desapareceu e ele está atrás dela. Ele ajuda Nat sempre e, claro, um romance se desenvolve dai.
Achei o romance bem mixuruca, sem sal, e para certos fatos faltou explicações. Um livro interessante com uma história interessante, mas não é grande coisa e não é tão, tão legal. Mas fiquei curiosa para o segundo, não sei se leria de imediato assim que lançar, mas com certeza lerei o segundo, quero saber mais sobre o Azul que é um mistério o livro inteiro.


site: http://biiabrito.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Moonlight Books 01/09/2016

Leia esta e outras resenhas no blog Moonlight Books, www.moonlightbooks.net

Muito bom!

Fazia tempo que eu não lia uma distopia e esta veio em boa hora. Adorei este universo de Frozen, que além de ter as características de um mundo atingido por uma grande catástrofe (tão típico do gênero), ainda traz em sua trama um toque de magia. Os autores misturaram estes dois elementos de maneira interessante e o resultado é uma história criativa e feita para ser desvendada.

O texto é de uma fluidez enorme e os capítulos curtos terminados em momentos de grande importância fazem você não resistir e ler mais um e depois mais um... prometendo que depois daquele vai dar uma pausa. Quando vê o livro acabou e a vontade de ter o próximo é enorme.

É bem gostoso encontrar uma história que não permita ao leitor adivinhar o que virá na próxima página. O que foi apresentado aqui foge do clichê e temos muitas surpresas.

Com uma proposta original, personagens fortes e uma narrativa envolvente, Frozen é um ótimo começo para uma série promissora. Recomendo para amantes de distopia, fantasia, aventura e romance. Há um pouquinho de cada para agradar o grande público. Não deixa passar!


site: Leia o restante da resenha em http://www.moonlightbooks.net/2016/08/resenha-frozen-mundo-de-gelo-coracao-de.html
comentários(0)comente



Carlinha - Paradise Books 15/03/2017

Interessante mas mediano!
O mundo sofreu um grande colapso e acabou! O planeta Terra como era conhecido não existe mais. Após grandes guerras físicas e tecnológicas, acumulo de lixos e toxinas, destruição da maior parte da camada de ozônio e da natureza, o planeta sofreu com grandes abalos e inundações e entrou numa era do gelo, tudo está congelado e quase não restam esperanças. Não existe mais água pura para alimentar a população sobrevivente, os oceanos estão completamente poluídos com montanhas de lixo das cidades que foram destruídas nas inundações e por isso os continentes e países foram re-divididos. Nova Vegas é uma das poucas cidades existentes nos EUA agora, a antiga Las Vegas foi destruída, e o pouco que restou foi graças ao deserto que a cercava, e o deserto que a cerca agora é coberto de gelo. O governo oprime a população, eles trabalham como escravos para conseguir água e comida o suficiente para não morrer, além disso não podem deixar a cidade que está cercada pelos soldados, principalmente se você for um dos Marcados.

Nat é uma crupiê, ela trabalha distribuindo cartas nas mesas dos cassinos da cidade, lugar onde os que ainda possuem alguma coisa fazem trocas e tentam a sorte de conseguir a nova moeda do mundo: créditos de calor. Tudo que a garota tem é a certeza que precisa juntar algum dinheiro se quiser sair dali, sendo uma Marcada Nat se esconde completamente dos humanos e principalmente do governo. Os Marcados possuem a aparência de um humano normal, mas possuem certos poderes especiais, como controle da mente e telecinesia, entre outros, não se sabe exatamente de onde vieram, mas eles são temidos, e quando descobertos são presos ou mortos. Uma voz ressoa na mente de Nat, que a tem guiado e feito com que ela mantenha a esperança, ela sabe exatamente para onde vai quando conseguir fugir, o Azul, um mundo místico e lendário que poucos conhecem o caminho, mas é onde seu coração a tem guiado e para isso ela vai contar com a ajuda do contrabandista Wes, e eles vão embarcar numa aventura de tirar o fôlego.



Tinha grandes expectativas desde que li a sinopse do livro, entretanto me enganei acreditando que tinha alguma relação com o Frozen da Disney, não espere uma releitura, não tem nenhuma relação mesmo. A dupla de autores investiu num universo distópico que tinha muito para oferecer, mas acredito que tenha se perdido um pouco acrescentando tantos elementos e deixando a história um pouco confusa. Na medida do possível, o livro supriu as expectativas, mas deixou questões abertas que quero muito desvendar ainda.



Nat foi uma protagonista interessante, mas como o livro foi narrado em terceira pessoa, não consegui estabelecer uma relação muito grande com a personagem e achei que a interação dela com os outros foi bastante superficial, até mesmo no romance. Durante a maior parte da história, ela não sabe exatamente de onde veio, e nem como manipular seus poderes, ela perdeu suas memórias da infância e agora se guia pela voz que ressoa em sua mente, dizendo que ela precisa encontrar o Azul. Com as suas inseguranças e sozinha num mundo completamente destruído, consegui entender bem as fraquezas dela, mas senti uma falta de evolução e crescimento ao longo da trama.

Wes foi um personagem encantador desde o começo, com sua atitude e sarcasmo, ele é o tipico playboy previsivelmente heroico do gênero, e o romance que tinha tudo para agradar muito, acabou sendo abordado de forma superficial como eu citei, então deixou bastante a desejar. Alguns outros personagens trouxeram um tom interessante ao livro, mas nada extremamente impactante.

O começo do livro foi muito bom e prendeu, logo que descobrimos esse universo futurista ficamos interessados pelos mistérios que cercam Nat e são aos poucos revelados, mas acredito que os autores se perderam a partir do momento que os personagens iniciam sua jornada em busca do Azul, a leitura ficou muito lenta e até um pouco infantilizada, fiquei aguardando uma grande reviravolta que me empolgasse mas não aconteceu, apesar de alguns percalços no caminho o livro se manteve linearmente monótono, o que me fez perder o ânimo do começo.

A parte onde desvendamos os mistérios da fantasia ficou carregada e sem sentido, acredito que na tentativa de fazerem relação com os livros de O Senhor dos Anéis, eles falharam muito e recriaram de uma forma malfeita. Gostei mais da parte distópica, e se tivessem investido mais nisso e nos conceitos políticos a trama teria muito a ganhar. O final foi diferente mas previsível, as decisões dos personagens me agradaram, e várias questões já ficaram em aberto deixando gancho para os próximos livros que eu espero mesmo que sejam explicadas.

Em suma, o livro tem seus altos e baixos, mas recomendo para quem gosta dos gêneros, mas procura uma história bem leve, que espero muito que cresça nos próximos volumes.
comentários(0)comente



Mayhara 21/02/2018

Não! Não nada de Olaf ou de Elsa...
...embora tenha me chamado a atenção por causa do filme da Disney.

Bom, desde o primeiro dia que vi a capa e li a sinopse me interessei no livro, ficou meeeeeeeses na minha lista de "Quero Ler", até que meu querido site onde baixo livros o postou. Quando recebi o sininho meus olhos brilharam.

Comecei a ler com muita expectativa, talvez esse tenha sido o problema, não que o livro seja ruim mas não me cativou. O início me deu muitas esperanças mas com o decorrer da trama as coisas foram me deixando entediada. Suspeitei de umas coisas que não eram nada a ver, e sei lá, as últimas 50 páginas demorei dias para terminar.

Natasha não me convenceu como heroína, achei que ela fraca em todos os quesitos, ela não apresenta nada que chame atenção, não tem nenhum brilhinho. Ao contrário do Wes, que eu achei um ótimo personagem e que foi mal explorado, embora seja um dos protagonistas.

Não sei como foi a escrita do livro, mas talvez por ser escrito por duas pessoas tenha atrapalhado o rumo e o desenvolver da história.

Achei bacana que, ao contrário da maioria das distopias, não foi uma guerra mundial que acabou com o mundo, mas a própria humanidade. A poluição desenfreada, tanto terrestre, marinha quanto do ar fez o mundo tiltar e criar uma reação que acabou com tudo. Nesse ponto me surpreendi.

Enfim, é um livro médio. Não tenho certeza se indicaria pra alguém.
comentários(0)comente



Ingrid Micthell 09/11/2016

O mundo que conhecemos não existe mais. Após um grande desastre de lixos e toxinas, todo o planeta tornou-se uma enorme geleira, a maior parte da população foi dizimada, apenas os mais fortes sobreviveram. Os oceanos estão poluídos e qualquer espécie viva deixou de existir, o povo e oprimido pelo governo sendo obrigados a trabalhar como escravos.

A trama se passa em Nova Vegas, uma das poucas cidades existentes do país depois da destruição. Os seres humanos assim como o governo temem uma especie evoluída, que são conhecidos como marcados: eles possuem a mesma aparência de ser um humano normal a não ser a cor intensa dos olhos e certos tipos de poderes especiais, como ler mentes, fazer objetos se moverem sem tocá-los, prever o futuro entre outros.

Nossa protagonista Natasha Kestal é um jovem crupiê que trabalha distribuindo cartas em um cassino, alguns sobreviventes se arriscam fazendo apostas com o pouco que tem para conseguir créditos de calor, já o único objetivo de Nat e juntar dinheiro se quiser sair dali. Ela sabe exatamente onde precisa ir, "o nirvana lendário" onde as águas eram cintilantes e o sol ainda brilhava, o mundo mistico chamado azul.

"Já Começou. Outros sairão do gelo e virão para nosso mundo.
É o fim.
O fim do começo. O começo do fim."

Encontrar o caminho para o Azul não será nada fácil, Nat vai precisa de um atravessador e sua única chance e apostar em um ex militar mais conhecido como Wes, que ira liderar um pequeno grupo de mercenários para chegar ao destino final. Situações perigosas os aguardam.

A historia e narrada em terceira pessoa pelo ponto de vista de Wes e Nat, com capítulos alternados. O começo da trama foi bem confuso, tudo aconteceu de forma rápida e fácil diminuído minhas expectativas quanto ao livro, no decorrer da leitura foram surgindo varias perguntas que não foram respondidas acontecimentos simples, mas... Que fazem falta para dar seguimento a estória. Somos pegos de surpresa envolvidos por um ritmo gostoso de confusões e adrenalina, você se vê dentro da trama durante a fuga e perigos que os personagens enfrentam.

Nat é uma personagem forte e inteligente, mas que infelizmente não conseguiu me prender, senti falta de um aprofundamento maior em relação a personagem, a maioria de suas ações são superficiais até mesmo a comunicação entre ela e os outros personagens, Nat não faz ideia de onde veio e de como usar seus poderes, espero que nos próximos livros a personagem tenha um desenvolvimento e amadurecimento maior.

Wes e um personagem marcante, que veio pra ficar! Mesmo sendo um tipico playboy ele carrega dentro de si um coração de ouro, sempre disposto a tudo para proteger as pessoas que ama, com seu jeito sarcástico e arrogante uma forte atração surge entre ele e Nat, um romance clichê e pouco elaborado.

Frozen desperta uma visão e criticas interessantes de como seria nossa sociedade pós-apocalíptica como: desastres naturais o cuidado com o meio ambiente, sejamos sinceros nos sabemos o quanto a poluição tem prejudicado a camada de ozônio. Melissa de la cruz e Michael Johnton fizeram um ótimo trabalhando no quesito nos proporcionar uma imagem completamente inovadora e diferente do mundo que conhecemos. No meu ponto de vista não era necessário introduzir a fantasia no enrendo, talvez teria sido melhor, a narrativa e fluida e fácil de entender, mesmo com alguns pontos negativos citados acima, eu li o livro muito rápido! Mas espero que nos próximos livros a estrutura seja trabalhada e os personagens secundários tenham mais destaques e melhor explorados. Fica a critério de vocês tirarem suas próprias conclusões afinal nenhuma opinião e igual á outra.


site: https://resenhaatual.blogspot.com.br/2016/08/frozen-mundo-de-gelo-coracao-de-fogo.html
comentários(0)comente



Patty Santos - PS Livros 07/09/2016

Mais resenhas em www.coracaodetinta.com.br
"O comandante gritava. Ele mirou e apertou o gatilho.
Ela prendeu a respiração. Só havia um caminho a seguir.
Para fora e para baixo.
Para o alto e para longe dali.
Voe! rugiu o monstro na sua cabeça.
A garota pulou do parapeito para o vazio."

Frozen é o primeiro volume da série Heart of Dread de Melissa de La Cruz e Michael Johnston. O que Frozen tem de similar com a Fantasia da Disney? Nada. O livro da Disney é publicação de outra editora. Então não iremos encontrar nessa leitura nem a Elsa e nem a Ana. Nossa personagem principal é Natasha Kestal, uma crupiê que trabalha em Nova Vegas, e busca uma maneira de fugir da cidade para encontrar um lugar chamado Azul.

O mundo está abaixo de camadas e camadas de gelo, a mais de 100 anos o mundo passou pelo Grande Congelamento, a vida nos oceanos praticamente se extinguiu devido o acumulo de lixo, após as novas colonizações os continentes ganharam novos nomes e as novas cidades foram erguidas sobre destroços, água limpa é um luxo, o sal marinho passou a valer mais que ouro, fichas de calor funcionam como moeda, fome e frio faz parte da realidade da população.

A sociedade mudou, porém existem alguns defeitos que permaneceram na humanidade. As diferenças ainda não são respeitadas. Existem pessoas que possuem dons especiais, essas pessoas são reconhecidas pelos olhos claros e pela Marca do Mago, a princípio o governo as utilizou como armas, mas após o fracasso do programa eles passaram a serem perseguidos, caçados como animas por piratas e vendidos para mercadores de escravos.

Nat, nossa protagonista, está inclusa nessa parte da população que possui dons especiais, ela já fez parte do programa do governo e foi utilizada como uma arma, e somente conseguiu escapar por causa da voz dentro da sua cabeça. Nat acredita que é um monstro, que a voz em sua cabeça é a culpada por se sentir assim. Mas para ela não há outra opção, ela precisa seguir as ordens da voz, encontrar o mapa de Anaximandro e chegar ao Azul, um paraíso de águas claras e calor, a última chance da humanidade encontrar o que foi perdido, um lugar onde pessoas assim como ela viveriam em paz e livres.

Vivendo em Nova Vegas escondendo sua verdadeira identidade Nat consegue encontrar o mapa, e após contratar os serviços de Ryan Wesson, um mercenário, arrogante e ex-militar, ela irá embarcar na maior aventura de sua vida, porém irá esconder seu maior segredo de todos os tripulantes. Ultrapassar os limites de Nova Vegas é proibido, o caminho a percorrer esconde os mais diversos perigos. Há algo em Wess que atrai Nat, e ela sabe que mexe com o rapaz, mesmo receosos eles se aproximam e passam a confiar um no outro.

Frozen é narrado em terceira pessoa, e embora sua narrativa seja fluída, o início da leitura foi um pouco arrastada, demorei em me situar e entender o contexto. Mas depois das 60 primeiras páginas o livro evoluiu perfeitamente. A narrativa é bem detalhada e dá ao leitor um bom material para a imaginação. Dividido em 5 partes, nos aventuramos por um mundo gelado, onde os recursos naturais foram destruídos. Embora não sejam explicadas as causas do Grande Congelamento, conseguimos entender o contexto geral, e entender as dificuldades enfrentadas pelas pessoas que precisam sobreviver nesse mundo devastado.

O foco da história é na viagem de Nat e Wess pelo oceano perigoso em busca do Azul, o encontro com outros personagens mágicos, e a aceitação de Nat sobre quem ela é. Nat e Wess possuem passados complicados, os dois escondem segredos, mas a aproximação entre eles fará com que muitos fantasmas sejam exorcizados. O livro é uma mistura de fantasia e distopia, nada parecido com o que eu já li, deixa o leitor ávido para saber o que irá acontecer nas próximas páginas, uma vez que nada é tão óbvio. Os autores nos deixam com dúvidas a respeito de todos os personagens, pois todos são dúbios, a linha que separa os mocinhos dos vilões nessa história é bem tênue.

Há romance sim, mas ele foi bem introduzido e não ocupa um grande destaque no desenvolvimento da trama, apesar de ser o motivo do clímax em certo ponto da história. Nossa protagonista é uma jovem forte e inteligente. E graças ao carisma, a coragem e a ousadia Wess disputa a atenção e a afeição dos leitores. Com uma proposta interessante que me tirou da zona de conforto, Frozen superou minhas expectativas. Uma aventura na medida certa, que vale a pena ser lida.

"Ela fechou os olhos. Havia um monstro dentro de si, um monstro que era parte dela, e, quanto mais ela se aproximava dele, mais a voz obscura na sua cabeça ficava parecida com a sua própria voz."

site: http://www.coracaodetinta.com.br/2016/09/resenha-330-frozen-mundo-de-gelo.html#more
comentários(0)comente



Gi Rodrigues 01/08/2016

Amantes de ficção, estão esperando o que?
A quantidade de vezes que eu tive que explicar que não é o livro do filme da Disney, valeu a pena. Isso é com outra editora, mas com esse aqui, socorro. É bom demais.

Acabei o livro hoje e já estou com aquela sensação de "volta pra mim". Eu não tenho palavras, eu talvez até tenha demais, pra dizer o quanto eu amei esse livro.
Acho que pela quantidade de referências que ele tem. Primeiro eu comecei a vê-lo como uma espécie de 1984 futurista ou algo assim. Mais pra frente, ele tem uma pegada de suspense e quando entra a parte de ficção, BOO YA! Não tem mais como parar.

Gosto do perfil da Natasha, do Wes, os personagens secundários dão um show... Afinal, tem os que somem do nada, tem os que chegam do nada, tem os que você torce pra sumir, e por aí vai. A pitada de humor e suspense dentro de uma ficção extraordinária e que, ao mesmo tempo que é original por basicamente não haver materiais como ele, e que junta tantas referências num livro só, merece atenção. Poderes, piratas, governo, explosões, consciência social, cultura que se perde aos poucos, perigo, fome, mercenários... Eu poderia ficar até amanhã descrevendo tags para vocês. Mas eu garanto, ler é beeeeeeeeem melhor!

Acho que ele é aquele livro que, por ser tão rapidinho de ler, devido aos capítulos curtos, deixa a gente empolgada sobre o que acontece em seguida. Perdi as contas de quantas vezes eu quase perdi o ponto do ônibus por querer ler "só mais um capítulo." Mas se tem uma coisa que eu sei, é: O mundo precisa saber que let it go já não está com nada.


site: http://www.record.com.br/livro_sinopse.asp?id_livro=29272
comentários(0)comente



8 encontrados | exibindo 1 a 8